Como alguns ex-muçulmanos vêem Maomé

raguebi_muslim_australia.jpg

“Muhammad’s life is that of a gangster godfather. He raided merchant caravans, looted innocent people, massacred entire male populations and enslaved the women and children. He raped the women captured in war after killing their husbands and told his followers that it is okay to have sex with their captives and their “right hand possessions” (Quran 33:50) He assassinated those who criticized him and executed them when he came to power and became de facto despot of Arabia. Muhammad was bereft of human compassion. He was an obsessed man with his dreams of grandiosity and could not forgive those who stood in his way. Muhammad was a narcissist like Hitler, Saddam or Stalin. He was astute and knew how to manipulate people, but his emotional intelligence was less evolved than that of a 6-year-old child.”

in Apostates of Islam

11 respostas a Como alguns ex-muçulmanos vêem Maomé

  1. Antonio Marcelo diz:

    Apostatas do Islão

    Quem somos nós:

    Somos ex-Muçulmanos. Alguns de nós fomos nascidos e educados no islão e alguns de nós tínhamo-nos convertidos a esta religião nalgum momento das nossas vidas. Fomos ensinados a nunca questionar a verdade do islão e acreditar em Allah e no seu mensageiro com fé cega. Ensinaram-nos que Allah perdoaria todos os pecados menos a descrença (Quran 4:48 e 4:116). Mas cometemos o imperdoável pecado de pensar e questionamos as crenças que nos foram impostas. Percebemos que longe de ser uma religião da verdade, o Islão é um engano, uma alucinação de uma mente doente, apenas mentiras e falsidades.

    O que nós acreditamos:

    Alguns de nós adoptámos outras religiões mas na maioria abandonámos simplesmente o islão sem acreditar em qualquer outra religião. Nós acreditamos na humanidade. Acreditamos que os seres humanos não necessitam seguir uma religião para ser bons. Tudo o que nós necessitamos seguir é a regra dourada. Tudo que nós temos de fazer é tratar os outros da mesma maneira em que nós esperamos ser tratados. Esta é a essência de toda a bondade. Todos os ensinos religiosos bons partem deste princípio eterno. Esta deve ser a orientação da humanidade, a regra de ouro.

    Porque Mohammed não era um profeta:

    Qualquer que reivindicar ser um mensageiro de Deus espera-se que tenha uma vida santa. Não deve ser dado à luxúria, não deve ser um pervertido sexual, e não deve ser um violador, um salteador de caminhos, um criminoso da guerra, um homicida em massa ou um assassino. Um homem que reivindica ser um mensageiro de Deus deve ter um carácter superior. Deve estar por cima dos viços da gente do seu tempo. Contudo a vida de Maomé foi a vida de um padrinho, de um gangster. Atacou caravanas de mercadores, saqueou pessoas inocentes, assassinou populações masculinas inteiras e escravizou mulheres e crianças. Violou as mulheres capturadas na guerra após ter matado os seus maridos e disse aos seus seguidores que era permitido ter sexo com os seus cativos e as suas “possessões” (Quran 33:50). Assassinou aqueles que o criticaram, executou-os quando chegou ao poder e transformou-se num déspota de facto na Arábia. Maomé estava falto de compaixão humana. Era um homem obsesso com os seus sonhos de grandeza e não podia perdoar aqueles que estiveram no seu caminho. Maomé era um narcisista como Hitler, Saddam ou Estaline. Era astuto e sabia manipular povos, mas a sua inteligência emocional estava menos evoluída do que aquela de uma criança de 6 anos. Simplesmente não podia sentir a dor dos outros. Assassinou brutalmente milhares de inocentes e pilhou a sua riqueza. As suas ambições eram grandes e como qualquer narcisista acreditou honestamente que tinha o direito de fazer tudo quanto lhe apetecia, de cometer toda sorte de crimes e que as suas acções malignas estavam justificadas.

    Porque o Corão não vem de Deus:

    Maomé não realizou nenhum milagre e quando foi pressionado reivindicou que o seu milagre era o Corão. Contudo um olhar crítico no Corão revela que este livro está cheio de erros. O Corão é cheio de disparates científicos, erros históricos, erros matemáticos, disparates lógicos, erros gramaticais e fraudes éticas. Foi mal redigido e contradiz-se a si próprio. Não há nada inteligente neste livro alegadamente miraculoso. Maomé desafiou a gente para produzirem “Suras como ele” ou para encontrarem qualquer erro. Contudo os maometanos matariam qualquer que ousasse criticá-lo. Em tal clima de falsidade e de violência, a verdade foi a primeira vítima.

    Qual é o nosso objectivo?

    Nós somos apostatas do islão. Renegámos dele. Denunciamo-lo como uma doutrina falsa de ódio e de terror. Porém, nós não estamos em contra dos muçulmanos que são os nossos próprios parentes e família. Não advogamos o ódio e a violência. Os muçulmanos são as vítimas principais do islão. O nosso objectivo é educá-los e deixar-lhes ver a verdade. Somos contrários ao islão, mas não aos muçulmanos. Tentamos trazer os muçulmanos na comunidade humana. Desenraizar o islão, de modo que os nossos povos possam ser libertados, e seja-lhes possível prosperarem e afastarem-se da armadilha do islão. Nós gostaríamos de ver os países islâmicos dedicarem mais tempo à ciência e menos tempo ao Corão e à Sharia. Nós gostaríamos de vê-los progredir e contribuírem à civilização humana. Gostaríamos de ver as draconianas leis do islão eliminadas e as gentes serem tratadas humanamente. Aspiramos à liberdade de opinião, à igualdade dos sexos e a unidade do género humano.

    O maior desafio da humanidade:

    A humanidade é hoje enfrentada a um perigo grande. O fundamentalismo islâmico está a subir e o ódio está a crescer nas mentes de milhões de muçulmanos. Este ódio deve ser travado ou trará umas consequências desastrosas. Nós acreditamos que a instrução é a única resposta. Os intelectuais muçulmanos devem dar-se conta que o islão é uma doutrina falsa e devem deixar o resto do mundo islâmico conhecer a verdade. O islão é uma religião que repousa na suposição arrogante que é a religião mais lógica, a mais científica e a mais perfeita. Quando na realidade é a doutrina mais estúpida – a opinião mais contrária e mais absurda-. Uma vez que a verdade sobre o islão se transformar em conhecimento comum, ficará enfraquecida e o fanatismo islâmico perderá os seus dentes. Centenas de bilhões de dólares são gastos para combater o terrorismo islamista, contudo nenhum esforço é feito contra a ideologia que se encontra atrás deste terrorismo. É a nossa opinião que o terrorismo islâmico não estará eliminado a menos que a ideologia que o sustenta não for e erradicada. Este é o nosso objectivo.

  2. Antonio Marcelo diz:

    http://www.la-route-de-lislam.com/imposturelapidation/imposturedelalapidation.htm

    Há dois dias introduzi num Fórum galego, separatista e da extrema esquerda uma ligação com um vídeo onde aparecia a lapidação de duas mulheres no Irão. As respostas foram esquisitas. Eis a mentalidade da esquerda, as suas sanguinárias utopias fracassaram e aliam-se com qualquer, mesmo com o diabo, com tal de acabar com a civilização ocidental que tanto odeiam. Duas mulheres responderam-me assim:

    http://www.arroutadanoticias.com/foro/viewtopic.php?t=5974&sid=7049f8ec4b759e37a79e371cd5f6061c

    Lourixe:

    É bastante frecuente neste foro ver como se ataca gratuitamente a TODO o que ula a musulmam e, indirectamente, se louva da nossa cristiana civilizaçom, obviando o papel represor e fascista que a maior parte da oligarquía eclesiástica tivo sempre.

    Nom vou colgar fotos do clero cristiano dos respectivos paises com Franco, Pinochet, Salazar, Batista e demais dictadores, vou colgar uma nova que acava de sair.

    Os fundamentalismos sempre som malos e na “civilizaçom occidental” e no cristianismo também existem.

    6ª matriuska:

    Ai que ver! Há que ser atrassados! Empregar a lapidação com o moderna e higiênica que é a cadeira eléctrica ou a injecção letal que há na civilização occidental!
    TUDAS as culturas, em meirande ou menor grau, faltam de respeito pela integridade física das pessoas. TUDAS. Desde os páis que furam as orelhas das suas meninhas de messes, os homens que batem nas suas mulheres, os que obrigam a participar aos seus filhos e veizinhos em conflictos bélicos… Não é privilêgio de religião nem cultura nenhuma.
    Temos que lutar para que TUDAS estas formas de abuso desaparezam. Não só as que fam os demais.

    Por um fórum livre e limpo!

    Afinal tive de responder:

    Convidado:

    Não pretendo insultar-te nem quero ser mal interpretado, mas segundo a tua maneira de falar neste Fórum acho que os teus costumes pessoais são bastante livres. Tens o legítimo direito de fazr o que quiseres.

    No entanto, numa sociedade ocidental ninguém vai pedir-te explicações nem perseguir-te por isso, mesmo nos países que utilizam a cadeira eléctrica ou a injecção letal.

    Terias essas licenças nos países muçulmanos? Podias casar com quem quisesses? Não arriscarias de acabar como essas desgraçadas?

    Há muitas coisas más na nossa cultura, mas andamos muito por cima dessas sociedades medievais. Relativizar os crimes pode levar aos maiores disparates.

    —————————————-

    Coitada esquerda e pobre Europa. Outrora diziam que a religião era o ópio do povo e que o capitalismo pretendia criar um exército de reserva de trabalhadores para melhor os explorarem e acabaram por defender o multiculturalismo e a imigração maciça e sem freio e os «os papéis para todos».

    Se a nossa cultura e civilização não estivessem em perigo com estas palhaçadas, era para rir às gargalhadas.

  3. anonimo diz:

    Parabéns pelo post e pela tradução do 1º comentador.
    Seria bom que houvesse também um ” apostate of islam ” em português.

  4. […] A humanidade é hoje enfrentada a um perigo grande. O fundamentalismo islâmico está a subir e o ódio está a crescer nas mentes de milhões de muçulmanos. Este ódio deve ser travado ou trará umas consequências desastrosas. Nós acreditamos que a instrução é a única resposta. Os intelectuais muçulmanos devem dar-se conta que o islão é uma doutrina falsa e devem deixar o resto do mundo islâmico conhecer a verdade. O islão é uma religião que repousa na suposição arrogante que é a religião mais lógica, a mais científica e a mais perfeita. Quando na realidade é a doutrina mais estúpida – a opinião mais contrária e mais absurda-. Uma vez que a verdade sobre o islão se transformar em conhecimento comum, ficará enfraquecida e o fanatismo islâmico perderá os seus dentes. Centenas de bilhões de dólares são gastos para combater o terrorismo islamista, contudo nenhum esforço é feito contra a ideologia que se encontra atrás deste terrorismo. É a nossa opinião que o terrorismo islâmico não estará eliminado a menos que a ideologia que o sustenta não for e erradicada. Este é o nosso objectivo.via maquinazero […]

  5. António Marcelo diz:

    http://www.faithfreedom.org/Articles/sina/why_i_left_islam.htm

    Porque abandonei o Islão

    Ali Sina

    Perguntam-me frequentemente porque abandonei o Islão. Por mais absurdo que pareça, os Muçulmanos não podem mesmo permitir-se pensar que o facto de deixar o Islão é uma escolha, ou que é mesmo possível. Pensam que os que deixam o Islão são agentes judaicos pagados antes de aceitarem o facto de as pessoas terem a liberdade de pensar e que alguns podem mesmo achar que o Islão não é para eles. Eis as minhas razões:

    Até a há pouco anos, tinha o hábito de pensar que a minha Fe no Islão não estava baseada na imitação cega mas que era antes o resultado de anos de inquérito e de investigação. O facto de ter lido muitos livros sobre o Islão, escritos por pessoas das quais aprovava os pensamentos e que pesquisavam em filosofias que estavam dentro da minha zona de crenças, confirmava a minha convicção de ter encontrado a verdade. Qualquer investigação que eu fazia já era com partido tomado e confirmava a minha fé. Da mesma maneira que os outros muçulmanos, tinha o hábito de crer que para aprender sobre algo devia-se ir à fonte. A fonte do Islão é naturalmente o Corão e os livros escritos pelos sábios muçulmanos. Não sentia por conseguinte nenhuma necessidade de olhar noutro lugar para encontrar a verdade, dado que estava convencido de já a ter encontrado. Como dizem os muçulmanos: “Talabe ilm ba’ d az wossule ma’ loom mazmoom”: a investigação do conhecimento após o ter obtido é loucura.

    Naturalmente, é uma ideia louca. E se quisermos saber a verdade sobre um destes cultos perigosos? É suficiente não depender apenas do que o líder do culto e o seus fieis iludidos dizem? Seria prudente alargar a nossa investigação e encontrar aquilo que os outros têm a dizer? Ir à fonte tem sentido apenas no domínio científico, porque os cientistas não são “crentes”. Não dizem algo por terem uma fé cega. Os cientistas fazem uma análise crítica da evidência. Aquilo é muito diferente da aproximação religiosa que é baseada inteiramente na fé e na crença.

    Suponho que foi o conhecimento que eu fiz com os valores humanistas ocidentais que me tornou mais sensível e que afiou o meu apetite para a democracia, o livre pensamento, os direitos humanos, a igualdade, etc. Enquanto que relia o Corão encontrei afirmações que não encaixavam de forma alguma com os meus novos valores humanistas. Angustiei-me muito e encontrei-me incomodo lendo ensinos como estes:

    Corão 3-5

    “Mas para aqueles que rejeitam a Fé após a ter adoptado e que continuam a desafiá-la, o seu arrependimento nunca será aceite, porque são eles os que se extraviaram.”

    Corão 16-106

    “Qualquer que após ter aceitado a fé em Allah, exprimir a Não-Crença – excepto em casos de constrangimento, e se o seu coração continuar firme na Fé – sobre esses homens que abrem o seu coração à Não-Crença, sobre eles é a Cólera de Allah, e cairá uma punição terrível.”

    Pode-se pensar que a punição terrível mencionada aqui olha para o outro mundo. Mas Maomé assegura-se de que estas pessoas recebam igualmente a sua penalidade neste mundo. Vejam o que segue:

    Sahih Bukhari Volume 6, Book 61, Número 577:

    Ouvi dizer ao Profeta: “Aos últimos dias (do mundo), aparecerão jovens que terão pensamentos e ideias loucos.” Farão bons discursos, mas sairão do Islão como uma flecha sai do seu arco; a sua fé não excederá a sua garganta. Também, onde quer que os encontreis, matai-os, porque ao dia da Ressurreição haverá uma recompensa para aqueles que os matarem.”

    Sahih Bukhari Volume 4, Book 63, Número 260:

    “Ali queimou algumas pessoas e esta notícia chegou a Ibn ‘ Abbas, que disse: ‘ Se tivesse estado no seu lugar, eu não as teria queimado, porque o Profeta disse: “não castigueis (alguém) pela punição de Allah ‘. Indubitavelmente os teria morto, porque o Profeta disse: “se algum muçulmano abandonar a sua religião, matai-o.”

    “Sahih Bukhari Volume 4, Book 63, Número 261:

    Oito homens da tribo de Ukil vieram ver o Profeta, mas encontraram cedo que o clima de Medina não lhes convinha. Então disseram: “O Apóstolo de Allah!” Dá-nos um pouco de leite.” O Apóstolo de Allah disse: “aconselho-vos de unir-vos à manada de camelos.” Lá foram por conseguinte e beberam a urina e o leite dos camelos (como medicamento) até tornaram-se em boa saúde e gordos. Seguidamente mataram o pastor, conduziram longe os camelos e tornaram-se não-crentes após ter sido muçulmanos. Quando o Profeta foi informado disso, enviou homens à sua perseguição e antes do sol levantar, foram conduzidos e cortou-lhes as mãos e os pés. Seguidamente deu ordens para as suas unhas forem aquecidas e postas nos seus olhos, seguidamente deixou-os abandonados no Harra (uma terra rochosa de Medina). Pediram água, mas ninguém lhes deu, até morrerem.

    E da Tradução parcial de Sunan Abu-Dawud Livro 38, de Número 4339

    Aisha, Ummul Mu’ minin:

    O Apóstolo de Allah (a paz esteja sobre ele) disse: “O sangue de um muçulmano que testemunha que não há outro Deus que Allah e que Maomé é o seu Apóstolo (a paz esteja sobre ele) não deve ser derramado se não é por causa de uma destas três razões:” um homem que fornicar após o casamento, neste caso deve ser lapidado; aquele que vai até a combater Allah e o Seu Apóstolo, neste caso deve ser morto ou crucificado ou exilado do país; ou aquele que comete um assassinato, é por isso que deve ser morto.

    O seguinte é muito inquietante. Ouso dizer que qualquer homem que o lê e que não é abalado de nojo tem um longo caminho a percorrer para tornar-se um homem.

    Sunan Abu-Dawud Book 38, Número 4348

    “Contado por Abdullah Ibn Abbas:

    “Um cego possuía uma mãe-escrava que tinha o hábito de insultar o Profeta (a paz esteja com ele) e desacreditá-lo. Proibiu-lhe mas ela não parou. Foi repreendida por ele mas não abandonou o seu hábito. Uma noite, começou caluniar o Profeta (a paz seja com ele) e a insultá-lo. Tomou então um punhal, pô-lo sobre o seu ventre, apoiou-o acima e a matou. Uma criança veio entre as suas pernas e ficou manchado com sangue que lá havia. Quando chegou a manhã, o Profeta (a paz esteja com ele) foi informado de aquilo. Reuniu as pessoas e disse: “por Allah, condeno o homem que fez este acto, e condeno-o pelo meu direito sobre ele.” O homem levantou-se saltando sobre os pescoços das pessoas e a tremer. Sentou-se na frente do Profeta (a paz seja com ele) e disse: “Ó Apóstolo de Allah!” Sou o seu mestre; tinha o hábito de insultar-te e desacreditar-te. Tinha-lhe proibido, mas ela não parou; repreendia-a mas não abandonou o seu hábito. Tenho dela dois filhos que são como pérolas, e era a minha companheira. A noite passada, começou a insultar-te e a desacreditar-te. Então tomei um punhal, pô-lo sobre o seu ventre, e apoiei até matá-la. “Contra isso o Profeta (a paz esteja com ele) disse:” “Ó sei testemunhas, não haverá nenhum punição por causa do seu sangue.”

    Senti que a história acima referida era uma injustiça flagrante. Maomé perdoa um homem que mata uma mãe grávida e o seu próprio filho ainda não nascido simplesmente porque disse que ela o insultara?!

    (Os Árabes tinham o hábito de dormir com as suas escravas. O Corão perpetua esta tradição:

    Corão 33: 52

    “Não é permitido para ti (de casar com mais) mulheres depois desta nem trocá-la por outras mulheres, ainda que a sua beleza te atrair, excepto aquela que a tua mão direita deve possuir:” e Allah vê todas as coisas.”” (Maomé dormia ele próprio com Mariyah, a escrava da sua mulher Hafsa sem estar casado com ela.)

    Perdoar a alguém o assassinato dum outro homem simplesmente porque disse que ele insultara Maomé é inaceitável. O que teria sido se este homem tivesse mentido para escapar à punição? Que diz esta história sobre o sentido da Justiça de Maomé? Imaginam quantas mulheres inocentes foram mortas pelos seus maridos durante estes 1400 anos, que escaparam à punição acusando as suas mulheres assassinadas de blasfemar do Profeta de Deus, e este Hadith fez que eles se tiraram?

    Eis outra história:

    Sunan Abu-Dawud Book 38, Número 4349

    Contada por Ali ibn Abu Talib:

    Uma Judia tinha o hábito de insultar o Profeta (a paz esteja com ele) e de desacreditá-lo. Um homem a estrangulou até ela morrer. O Apóstolo de Allah (a paz seja com ele) declarou que nenhuma compensação devia ser paga pelo seu sangue.

    Não tem sido fácil ler estas histórias sem ficar abalado. Não há nenhuma razão para acreditar que todas estas histórias foram inventadas. Porquê é que crentes, que tentaram descrever o seu profeta como um homem cheio de compaixão, teriam inventado tantas histórias que poderiam assinalá-lo como um tirano sem piedade?

    Não podia mais aceitar o tratamento brutal de aqueles que não aceitaram o Islão. A fé é um assunto pessoal. Já não podia aceitar que a punição de alguém que critica uma religião seja a morte.

    Vejam como Maomé trata outros não-crentes.

    Sunan Abu-Dawud Book 38, Número 4359

    Contado por Abdullah ibn Abbas:

    O versículo: “A punição de aqueles que fazem a guerra contra Allah e o Seu Apóstolo, e que procuram com todas as forças fazer o mal no país, é a execução, a crucificação, a amputação das mãos e os pés dos lados opostos ou o exílio do país… muito misericordioso” foi revelado com respeito dos politeístas. Se um deles se arrepender antes de ser detido, isso não lhe impede sofrer a punição prescrita, que ele merece.”

    Como um mensageiro de Deus podia mutilar e crucificar as pessoas porque não queriam aceitá-lo? Uma pessoa como essa pode ser um mensageiro de Deus? Não havia um homem melhor com mais força moral e ética para levar esta grande responsabilidade?

    Não podia aceitar o facto de Maomé assassinar 900 Judeus em só um dia após tê-los capturado num ataque que ele tinha começado. Li as histórias que seguem e tive arrepios.

    Sunan Abu-Dawud Book 38, Número 4390

    Contado por Atiyyah al-Qurazi:

    Estava entre os prisioneiros de Banu Qurayzah. Eles (Os Companheiros) examinaram-nos, e aqueles cujos pêlos (púbicos) tinham começado a crescer foram mortos, e os que não tinham não foram mortos. Eu me encontrava entre aqueles cujo pêlo ainda não tinha crescido.

    Também encontrei a seguinte história chocante:

    Sunan Abu-Dawud Book 38, Número 4396

    Contado por Jabir ibn Abdullah:

    Um ladrão foi conduzido perante o Profeta (a paz seja com ele). Eles disse: “Matai-lhe.” As pessoas disseram: “Ele roubou, Apóstolo de Allah!”. Disse então: “Cortai a sua mão.” Cortaram-lhe então a mão (direita). Foi conduzido uma segunda vez e ele disse: “Matai-lhe” As gentes disseram: “Ele roubou, Apóstolo de Allah!” Disse então: “Cortai-lhe pé.” Cortaram-lhe então o pé (esquerdo). Foi conduzido uma terceira vez ele disse: “Matai-lhe.” As gentes disseram: “Ele roubou, Apóstolo de Allah!” Disse então: “Cortai-lhe a mão.” (Cortaram-lhe então a mão esquerda.) Foi conduzido uma quarta vez ele disse: “Matai-lhe.” As pessoas disseram: “Ele roubou, Apóstolo de Allah!”. Então ele disse: “Cortai-lhe o pé.” Então cortaram-lhe o pé (direito). Foi conduzido uma quinta vez e disse: “Matai-lhe.” Então levámo-lhe e matamos. Arrastámo-lhe e lançámo-lhe num poço e atiramos pedras sobre ele.”

    “Parece que Maomé dava a sentença antes de entender o caso. De esse modo, cortando a mão de um ladrão este não tinha mais outro meio para ganhar o seu pão que com a mendicidade, o que era difícil porque tratado de ladrão era por conseguinte odiado pela gente. Em consequência, o pecado torna-se o seu único meio de subsistência.

    Após ter vivido longos anos em Ocidente e ter sido recebido gentilmente por pessoas de outras religiões ou sem religião, que me amaram e aceitaram como o seu amigo, que me guardaram nas suas vidas e no seu coração; já não pude aceitar os mandatos do Corão como palavras de Deus.

    Corão 58: 22

    “Ninguém que acreditar em Allah e no Último Dia, pode se vincular de amizade com aqueles que se opõem a Allah e ao seu Mensageiro.”

    Corão 3: 118-120

    “O vós crentes!” Não tomai por bitaanah (conselheiros, consultores, protectores, ajudas, amigos, etc..) aqueles que estão fora da vossa religião (pagãos, Judaicos, Cristãos, e hipócritas) porque não deixarão de fazer todo o possível para vos corromper. Querem fazer-vos muito mal. O ódio já subiu aos seus lábios, mas aquilo que escondem nos seus peitos é bem pior. Certamente iluminamo-nos sobre aquilo que têm (provas, evidência, versículos), se compreendeis. Vede! Vós gostais deles, mas eles não gostam de vós, vos credes em todas as Escritas -ou seja no Tawraat e o Injil-, enquanto eles não crêem no nosso Livro (Corão). E quando eles vos encontram, dizem: “cremos”. Mas quando são sós, de raiva mordem-se a extremidade dos dedos. Dizei: “Morrei na vossa raiva.” Certamente Allah conhece tudo o que está no coração. “Se o bem vos chegar, isso aflige-os, mas se o mal vos chegar, congratulam-se.”

    E:

    Corão 5: 51

    “O vós que acreditais!” Não tomai os Judeus nem os Cristãos para awliya’ (amigos, protectores, ajudas, etc..) Eles são amigos apenas um para com o outro.”

    Também encontrei que a afirmação acima era falsa. A prova é a crise do Kosovo e a Bósnia Herzegovina, onde países cristãos fizeram a guerra contra outro país cristão para libertarem muçulmanos. Muitos médicos judeus foram voluntários para ajudar os refugiados Kosovares, apesar do facto de durante a Segunda Guerra Mundial os mesmos muçulmanos albaneses puseram-se do lado de Hitler e ajudaram-no no seu holocausto contra os Judeus.

    Foi evidente para mim que os muçulmanos são aceites por todas as pessoas do mundo e no entanto o nosso profeta quis que os odiássemos, que nos dissociássemos deles, que lhes forçássemos a seguir a nossa maneira de viver ou que os matássemos, os submetêssemos e lhes fizéssemos pagar o Jizya. Que estupidez! Como é patético! Como é inumano! Não é surpreendente que haja tanto ódio inexplicável do Ocidente e dos Judeus contra os muçulmanos! Foi Maomé que semeou o ódio e a desconfiança dos não-crentes contra os seus fieis. Como os muçulmanos poderão integrar-se nas outras nações tendo ao mesmo tempo as mensagens de ódio do Corão como palavras de Deus?

    Há muitos muçulmanos que emigram em países não muçulmanos e que são recebidos com os braços abertos. Muitos entre eles entram na política e terminam por fazer parte da elite que governa. Não sofremos nenhuma discriminação nos países não-muçulmanos. Mas vejamos como o nosso santo profeta diz-nos de agir com os não-muçulmanos quando somos maioria.

    Corão 9: 29

    “Combatei aqueles que não crêem em Allah nem no Último Dia, que não consideram aquilo que foi proibido por Allah e o seu Mensageiro, e que não reconhecem a religião da Verdade, (mesmo se fazem parte) das Pessoas do Livro, até eles pagarem o Jizya submetendo-se voluntariamente.”

    Acho também que os versículos seguintes são totalmente contrários à minha consciência. Gosto da humanidade inteira e desejo a cada um de ser feliz neste mundo e perdoado no outro. Mas o meu santo profeta ordena-me que não procure o perdão para os não-crentes mesmo se são os meus parentes ou pessoas amadas.

    (Interpretação de Muhsin Khan):

    Corão 9: 113

    “Não é (conveniente) para o Profeta e para os crentes pedirem o perdão de Allah para os descrentes (mushrikeen??), mesmo se são parentes, depois de voltar-se claro que eles residem no Fogo -Inferno- (porque morreram em estado de não-crença).”

    Quarn e Ahadith são preenchidos de versículos ofensivos como aqueles que, para mim, são provas evidentes que Maomé não era um profeta, mas um fanático. Obrigar às pessoas a denunciarem a sua própria família é aquilo que faz o sectário. Era um impostor que mentia tão forte e tão energicamente para as pessoas ignorantes de aquela época acreditarem nele. Depois, as gerações seguintes repetiram estas mentiras e passaram-nas às sucessivas. Filósofos e escritores nasceram nesta atmosfera e elaboraram todo isso, ornamentando-o e tornando-o mais credível. Mas quando vocês vão no centro de aquilo, quando lêem o Corão e estudam o Ahadith, podem ver que isso é apenas uma mentira.

    Sei que aquilo que digo pode perturbar. Mas antes de conjurar a vossa cólera, leiam os meus outros artigos e meditem.

    Como vêem, a minha rejeição do Islão não é baseada nas más acções dos muçulmanos mas nas más acções do seu autor. Todas as crueldades e as actos odiosos de violência, feitos pelos muçulmanos durante séculos foram inspirados no Corão e na Sunnah (o exemplo do profeta). É por isso que condeno o Islão por as coisas más que fazem os muçulmanos. Sei que qualquer esforço para humanizar a comunidade islâmica é uma perda de tempo. O inimigo é o Islão e é o objecto dos meus ataques. Faço aquilo apesar do facto de atrair o ódio dos muçulmanos fanáticos. Não há nenhum benefício para mim. A única razão pela qual eu sou tão intransigente é a libertação do mundo das garras deste culto satânico e a restauração da paz e a prosperidade, do amor e da amizade entre as criaturas humanas.

  6. Massai diz:

    Allah é o verdadeiro Deus. Morte aos judeus e aos cristãos. O Islã vai dominar o Mundo. Somos o povo com a maior taxa de natalidade mundial. Nossas crianças são criadas e preparadas para a jihad santa. O Alcorão é o livro verdadeiro. Viva o Profeta Maomé!

  7. Khadija diz:

    Massai diz:
    07/20/2010 às 2:42 AM

    Allah é o verdadeiro Deus. Morte aos judeus e aos cristãos. O Islã vai dominar o Mundo. Somos o povo com a maior taxa de natalidade mundial. Nossas crianças são criadas e preparadas para a jihad santa. O Alcorão é o livro verdadeiro. Viva o Profeta Maomé!

    Massai, que DEUS me perdoe, mas você é retardado?
    Sou muçulmana e nunca aprendi coisas desse tipo, você é retardado, louco, assassino ou o que? Se liga!

    Vai conhecer o Islam, porque pelo visto nem muçulmano você é seu terrorista maluco!

    • Beth diz:

      além de retardado é doente e fanático…………

      • Anonymous diz:

        “allah permits you to shut them in separate rooms and to beat them, but not severely. If they abstain, they have the right to food and clothing. Treat women well for they are like domestic animals and they possess nothing themselves. Allah has made the enjoyment of their bodies lawful in his Qur’an.” — maomé

  8. Leandro Kirkian Sossil diz:

    Respeito a fé que as pessoas têm,mas me coloco contrário à forma como o Islamismo põe sua fé,que nasceu convertendo,impondo e exterminando quem se opunha,algo visto ainda hoje nos países de maioria muçulmana.A fé dos muçulmanso não é algo errado,mas a doutrina e essência que comandam essa fé que nasceram sob uma forma errad,pq não se prega a guerra nunca,jamais,seja pra se defender ou pra conquistar.A humanidade só vai estar em sintonia com Deus quando o ser humano respeitar a identidade não religiosa,mas a identidade do indivíduo.Eu como cristão cresci ouvindo de minha sociedade e da minha igreja que devemos ouvir pessoas de outras religiões que batem à nossa porta,poruqe chegaram por um outro caminho com a palavra de Deus.Assim gostaria que o Islamismo pensasse,que as pessoas tem que ser ouvidas e respeitadas,mesmo que pratiquem ouras religiões.

  9. Leandro Kirkian Sossil diz:

    Respeito a fé que as pessoas têm,mas me coloco contrário à forma como o Islamismo põe sua fé,que nasceu convertendo,impondo e exterminando quem se opunha,algo visto ainda hoje nos países de maioria muçulmana.A fé dos muçulmanos não é algo errado,mas a doutrina e essência que comandam essa fé que nasceram sob uma forma errada,pq não se prega a guerra nunca,jamais,seja pra se defender ou pra conquistar.A humanidade só vai estar em sintonia com Deus quando o ser humano respeitar a identidade não religiosa,mas a identidade do indivíduo.Eu como cristão cresci ouvindo de minha sociedade e da minha igreja que devemos ouvir pessoas de outras religiões que batem à nossa porta,poruqe chegaram por um outro caminho com a palavra de Deus.Assim gostaria que o Islamismo pensasse,que as pessoas tem que ser ouvidas e respeitadas,mesmo que pratiquem ouras religiões

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: