Fernando Ruas “desmente” Fernando Ruas

06/28/2006

O presidente da Associação Nacional de Municípios, Fernando Ruas, “incitou as populações a desrespeitar as regras democráticas e de direito”, afirmam os sindicatos da Função Pública. Fernando Ruas tenta diminuir os efeitos da sua enorme patada na poça, e diz hoje ao Jornal de Notícias que “quando disse que os presidentes de junta deviam ‘correr à pedrada’ os fiscais do Ministério do Ambiente estava a falar ‘em sentido figurado”. Ou seja, quando o presidente diz para os “correr à pedrada” não quer dizer para os “correr à pedrada”. Lindo. Grande “país dos autarcas”!

A propósito: O senhor Procurador-Geral da República está a dormir?  Apelar à violência contra autoridades do Estado já não é crime?


Presidente da Associação Nacional de Municípios incita à violência contra fiscais do Ministério do Ambiente

06/28/2006

“Arranjem lá um grupo e corram-nos à pedrada”, disse Fernando Ruas, anteontem, durante uma reunião da Assembleia Municipal de Viseu, a propósito do facto de alguns autarcas se queixarem de multas passadas por fiscais do Ministério do Ambiente. O senhor Procurador-Geral da República já está de férias? Nenhum Procurador ou delegado do Ministério Público lê jornais? É que eu iria jurar que este incitamento à violência contra funcionários do Estado no exercício das suas funções, é um crime. Será que os tão corajosos magistrados do Ministério Público temem o poder deste senhor Fernando Ruas, militante social-democrata e um lídimo representante dessa coisa chamada “país dos autarcas”?


Lusa entrevista embaixador de estado terrorista – Irão faz ameaças veladas a Portugal

06/27/2006

Começa por ser discutível o interesse da agência noticiosa Lusa (onde o Governo e aquele senhor irmão do ex-seleccionador nacional António Oliveira têm maioria) entrevistar o embaixador do Irão. Este senhor, representante de uma ditadura sanguinária e ainda por cima religiosa, nada tem a dizer que interesse aos portugueses. Terá algo a dizer, isso sim, que interessa a alguns portugueses: aos que ganham milhões em negócios com países destes, fazendo parte de associações de “amizade” e tendo ainda fortes laços ao mundo político.

O representante dessa ditadureza torpe “sublinha as vantagens que Portugal poderia obter de uma aproximação ao regime de Teerão, lembra que o seu país é 17 vezes maior que Portugal, tem a segunda reserva de gás natural do mundo e a quarta maior de petróleo. Para além disso, controla o estreito de Ormuz, por onde passa 60 por cento do petróleo mundial.” Em troca, claro de Portugal ocupar um lugar que está vago (?) nas negociações sobre a produção de armas nucleares, por parte daquele regime de facínoras e assassinos.
Perceberam? Já é a segunda vez que o Irão tenta “convencer” Portugal a quebrar a solidariedade com a Europa e estabelecer relações privilegiadas com a ditadureza dos aitolás sanguinários e loucos. Grave é que a direcção da agência noticosa nacional dê voz a ameças deste género e publicite tentativas de chantagem e suborno, com tanta falta de vergonha como esta. Ou será apenas o caso de o jornalista que fez a entrevista estar mais talhado, profissionalmente, para suporte de microfone, não lhe ocorrendo colocar algumas questões incómodas? Por exemplo, pedir ao embaixador para explicar melhor o que quer dizer com isso de “controlar” o estreito de Ormuz, por onde passa 60 por cento do petróleo mundial…


Máquina Zero responde a Daniel Oliveira

06/27/2006

Meu caro:

Assuma as suas responsabilidades. Você errou. A jornalista australiana Liz Jackson fez um trabalho intocável do ponto de vista jornalístico. Aliás, julgo que será interessante saber a opinião dela àcerca dos comentários que você fez sobre a qualidade jornalística desse trabalho. Por isso, vou mandar-lhe uma tradução do seu post. Em matéria de responsabilidades, assuma as suas. Nós – os que escrevem aqui, no Máquina Zero – assumimos as nossas. E olhe que temos todos uma característica comum. Não sabemos quando é que iremos morrer. Nem sabemos de que é que iremos morrer. Mas sabemos que há duas coisas de que não morreremos: de parto ou de medo.

Máquina Zero

PS – Optamos por responder ao Daniel Oliveira desta forma porque no seu blogue Arrastão (que raio de nome…) os comentários são “moderados” (eufemismo utilizado pela Esquerda para designar “censura”)