A manada de José Miguel Júdice

Leio e não acredito. José Miguel Júdice transformou-se num mártir, travestiu-se de lapidado e foi fazer teatro para a sede da Ordem dos Advogados. A figurinha tosca do ex-bastonário citou Manuel Alegre, depois de dizer que dali só saía preso ou à força, entre outras atitudes ridículas. Fez mais para atascar a Justiça na lama que todos os ministros da dita cuja, desde o golpe de Estado do 25 de Abril até hoje. O ex-bastonário insultou tudo e todos, a começar pelo relator dos processos que a Ordem dos Advogados lhe instaurou. O homem não tinha capacidade para julgar uma manada, muito menos um advogado. Haverá manadas de advogados? Ou manadas de pessoas? Para além dos terroristas islâmicos, não conheço outro tipo de animais que sejam levados a Tribunal e julgados. Qual seria a manada a que Júdice se referia?

Já agora, sabem porque razão os tubarões não comem advogados? Porque não são canibais…

43 Responses to A manada de José Miguel Júdice

  1. Miguel Júdice diz:

    Elogio a um pai

    O meu Pai chama-se José Miguel Júdice. Berro-o de orgulho a quem o quiser ouvir. É um homem nobre, alto, íntegro, honesto, recto como um trajecto de bala, sensível, humano, amigo, digno, forte como a pedra. Na passada sexta-feira senti como nunca a honra de ter dele nascido. O meu Pai é Advogado, algo que lhe dá quase tanto prazer como ser Pai. A sua profissão é em grande medida o que o define, o que resume a essência do seu carácter, o que orienta os passos que deu, dá e dará na vida. Não há obstáculos que parem essa sua marcha.
    O meu Pai está a ser julgado por um núcleo duro e amargo dos seus pares. Um núcleo de poucos, quase nenhuns, quase nadas, que se escondem por detrás de um poder ridículo, cegamente corporativo, com uma visão condicionada pelas palas de mula da inveja e do revanchismo. Esses nenhuns, não representam a maioria dos Advogados, são um Conselho Superior vazio de legitimidade ética. São acusadores e juízes em causa própria, algo que a sociedade moderna não testemunhava desde o período do Terror da Revolução Francesa. Seria grave em qualquer caso, mas é um inqualificável crime silencioso quando perpetrado por advogados, ou melhor pseudo-advogados a brincar aos tribunais. Os Advogados, com A grande, esses, são pessoas que, como aprendi pela convivência com o meu Pai, andam direito, que amam a liberdade, que por ela lutam, por ela se sacrificam, por ela gritam.
    O meu Pai é Advogado, talvez o melhor deles. Não por ganhar mais processos, não por saber mais de direito, não por isso. É o melhor porque ama a sua profissão como nenhum outro, porque sofre com ela e por ela, porque a defende mesmo quando isso tanto o prejudica, como é o caso. Há mais nobre atitude que agir contra os seus próprios interesses? Há mais coragem do que não querer defender-se fora da Ordem, onde a lei lhe daria razão, onde a opinião pública seria esclarecida sobre os podres poderes desse Conselho cobarde composto por amostras de pessoas que fecham os ouvidos à defesa de um Homem bom? Não, não há.
    O meu Pai, que eu amo, disse àquelas 16 cadeiras vazias de gente mas cheias de vergonha, que não conhece a cor do medo. Por isso fala quando outros calam, por isso não se deixa vergar pelos “powers that be”, quaisquer que eles sejam. Se fosse Torquemada o inquisidor, o meu Pai gritaria na fogueira, se fosse Hitler o genocida, o meu Pai não deixaria o gás Zyklon-B calá-lo. Ele é assim. Por isso o amo, por isso gostaria de um dia ser metade do que ele é.
    Sr. Máquina Zero, get a life se faz favor. Não destile maldade com pessoas que apenas querem ser livres para dizer o que pensam e não se escondem atrás de pseudónimos. Use a sua inteligência, que percebo que a tem, para o bem e não para o mal. Comece hoje, vá crescendo nesse serviço ao país, cure-se, regenere-se, nunca é tarde para mudar. O mundo já tem coisas tristes que cheguem para que pessoas como o Sr. o tentem tornar ainda pior. Não adianta nada, sabe….

  2. Curioso! A Ordem dos Advogados e seus órgãos eram uma coisa óptima, quando o seu pai era bastonários (o que aconteceu até há pouco tempo). agora, a Ordem dos advogados é uma mistura de Inquisição e SS… O que terá mudado? Apenas o bastonário?

  3. Anónimo diz:

    miau máquina zero 😉

  4. O jovem Júdice, coitado, sai ao pai. Manda para aqui a mesma carta aberta que envia ao Público, insultando de fio a pavio a Ordem dos Advogados. ainda bem que o jovem Júdice, em matéria de ambição, é modesto. Só quer ser metade do que o pai é. Mesmo assim, não sei se este país aguenta com um Júdice e meio…

  5. Anónimo diz:

    “Sr. Máquina Zero, get a life se faz favor. Não destile maldade com pessoas que apenas querem ser livres para dizer o que pensam e não se escondem atrás de pseudónimos. ”

    Não quer comentar máquina zero, quer deixar de ser anonimo para mostrar a sua bravura?

  6. Boa, boa. Diz o anónimo ao desconhecido, porque não revelas a tua identidade? Meu caro, tenho pena do seu pai. Perdeu as estribeiras e foi rude, malcriado e arrogante. Por se julgar acima dos outros. Por não aceitar o julgamento dos seus pares. Ou os 16 membros do Conselho Superior são todos atrasados mentais? Como é que foram eleitos? Em que listas? Quem votou neles?
    Quanto a você, que tem necessidade de vir para a rua “berrar” que tem orgulho no seu pai, trate-se. Xanax, Lexotan, alguma boa educação e uma dose substancial de inteligência, para perceber que não pertence a uma classe superior. A ideia da nobreza ter sangue azul desapareceu quando lhes começaram a cortar a cabeça, na Revolução Francesa.

  7. Anónimo diz:

    Essa ideia, de facto, desapareceu, na Revolução Francesa, com o cortar de cabeça…
    Agora entendo…Máquina Zero! Escapou por pouco…

  8. Anónimo diz:

    ainda se fazem execuções extra-judiciais…

  9. Graças a Deus, ainda há gente com lucidez, critério e frieza para perceber que a Democracia e a Liberdade não se defendem só com a Convenção de Genebra. Falando a sério, o jovem Júdice sai ao pai. Não sei qual deles fes a figura mais ridícula.

  10. Anónimo diz:

    E vossa senhoria sai a quem?

  11. Caixinha de Música diz:

    Boa pergunta! Quem será esse cara? Que vive ridicularizando os outros?

  12. Tocas bem, mas não me alegras. Quem sai aos seus, não é de Genebra.

  13. Caixinha de Música diz:

    Pelo menos toco bem! Tu não deixa de ser um Triste! que, ouvindo eu tocar bem, não te alegras! Triste vida a tua!

  14. Bondinho da Lapa diz:

    Quem falou em tristeza?

  15. pão de açucar diz:

    Hum…com adoraria ouvir a música dessa caixinha subindo o bondinho da Lapa…num fim de tarde…

  16. Pessoal, vão namorar para outro lado!

  17. Caixinha de Música diz:

    Vou seguir o seu conselho. Até porque você é triste de mais para o meu gosto!

  18. Suicida-te, ó Caixinha de Música. É o melhor exemplo que podes dar aos teu filhos.

  19. Ricardo diz:

    Por muito menos a Ordem já puniu advogados com fundamento em angariação de clientela e actos ilícitos de publicidade. A verdade é que existe uma dúzia de advogados que acreditam ser “os eleitos”, pretendem tomar conta do mercado e ficar acima das regras que apenas devem valer para a arraia miúda. E se Judice, antigo bastonário, não tem plena consciência das normas do Estatuto da O.A., então mais ninguém tem. Judice quer tudo: ter a maior sociedade de advogados, os melhores processos, os clientes mais abastados, e agora o Estado. Vamos acreditar que o Estado não vai dar ouvidos às ambições desmedidas destes advogados oportunistas.

  20. Não podia estar mais de acordo, meu caro Ricardo. Júdice pai achou-se o Deus dos advogados. O Júdice filho armou-se em Cristo sofredor, com cartas abertas a berrar de orgulho por ser filho de quem é. Sinceramente, fez-me lembrar a filha do Valentim Loureiro, na televisão, quando o pai foi libertado, aos gritos: “Meu pai, meu pai, eu tenho muito orgulho neste pai..” Coitadinhos.

  21. Conhecimento de Causa diz:

    A paixão pela advocacia era tanta ou tão pouca que, depois de vários anos passa-dos entre o “Expresso” e o PSD, durante os quais o Dr. José Miguel Júdice mal pousava no escritório, um dos sócios fundadores da sociedade (esse sim, Advogado com “A”) impôs-lhe um ultimatum para que se decidisse e escolhesse entre ser jornalista / político ou advogado.

    Lá escolheu ser advogado.

  22. Esta causa bem me parecia a correcta. Alô, alô, Júdcie Júnior? E então, agora? Não berra de orgulho?

  23. Ricardo diz:

    De volta para acrescentar o seguinte: até é compreensível que o “Júdice Júnior” tenha dificuldade em aceitar as faltas do pai. Afinal, não é à toa que o nosso sistema penal dá aos descendentes a possibilidade de se recusarem a depor como testemunhas num processo crime em que o pai seja arguido. Mais grave são as afirmações de opinion makers como Marcelo Rebelo de Sousa que teve o descaramento de dizer que “uma instituição que bate no seu anterior líder está a bater em si própria”. Os familiares ainda têm desculpa para afirmar estas barbaridades, os amigos já não. Era só o que faltava vencer as eleições para bastonário da Ordem e adquirir automaticamente um certificado de cidadão impoluto e de advogado acima de quaisquer suspeitas. Vou explicar de forma a que o Júdice Júnior perceba… “como se ele fosse uma criança muito…”: já houve uma altura em que o papá se compremeteu a zelar pelo cumprimento das normas do Estatuto da O.A.. Entre essas normas encontram-se proibições muito claras e sanções severas para advogados que se sirvam dos meios de comunicação social para se auto-promoverem e capturarem clientela. Porquê? Para evitar a concorrência desleal e porque existem muitos outros advogados “nobres, altos, íntegros, honestos, rectos como um trajecto de bala, sensíveis, humanos, amigos, dignos” etc. etc. que também merecem uma coisa chamada igualdade de oportunidades. Se estes não se podem pôr em bicos-de-pé para se tornarem muito conhecidos e arranjarem tachos junto do Estado, o papá também não pode; e se todos concordamos que deve haver punição para aqueles que infrinjam as regras deontológicas da profissão, então o papá também deve sujeitar-se às mesmas penalidades. Outra coisa que me deixou indignado: como é que o relator pôde concluir pela absolvição de Júdice por considerar que ele actuou sem consciência da ilicitude, quando a missão do bastonário é – como disse anteriormente – velar pela observância das regras estatutárias?! Termino com uma sugestão: já que o Júdice pediu para tirarem o seu retrato da galeria de bastonários, coloquem lá um cromo que ele assim fica melhor representado. Saudações aos Colegas!

  24. Caro Ricardo: Bingo! E mais não digo.

  25. caixinha de música diz:

    Então pessoal? De férias? Só para avisar que a Caixinha continua tocando música…E promete concerto aqui, neste espaço, dentro de breves instantes!

  26. causa do conhecimento diz:

    A sorte de poder escolher…de poder optar…de ser livre!

  27. Bem, posso sugerir outra coisa, em relação ao retrato? Coloquem lá uma imagem de Cristo… Também foi cuxificado, como este coitadinho deste ex-bastonário…

  28. causa do conhecimento diz:

    Então? Ficamos por aqui? Quase um mês se passou! Sinto saudades…

  29. causa do conhecimento diz:

    desta picardia

  30. Pois. Mas o jovem Júdice, que era o sal deste debate, fugiu. Já não berra mais de orgulho…

  31. Tia Mila diz:

    Eu quero luta! Toca a blogar! Cadê o MáquinaZero? Zerou de vez??? Não dá para ficar um mês te esperando! Vou ter que procurar na concorrência! Depois comento as alternativas viáveis para preenchimento do teu lugar, tá? Sim, cara! Porque ninguém é insubstituível. Es vero!

  32. Vieste de Maringá? Foste enganade em Vila de Rei?

  33. Tia Mila diz:

    Eu sou de Maringá e vim de lá pequenininha mas não me dei por cá, por Vila de Rei, porquê será?Nem eu sei!

  34. Era preciso trabalhar todos os dias, em Maringá…

  35. Tia Mila diz:

    Deve ser pela hora que tu escreve que não diz coisa com coisa! Então trabalhar todos os dias??? Achas isso normal? Logo hoje que é dia de greve! Deves fumar daquilo que faz rir! E logo em Maringá! Nem imaginas a curiosidade que tenho em conhecer essa maquina zero! Deves zerar por completo! Pelo menos podes dizer o local onde emana tamanha sabedoria! Eu prometo que não me rio se tu for de Vila de Rei!

  36. Tia Mila diz:

    Maquinazero não esquece a titia, tá? Prometo alimentar a picardia. Mas tem que estimular! Arranjar assunto! Tu tá muito zerado! Vê se acrescenta algo!

  37. Clara diz:

    Há uma nova espécie de manada. Aindam não sabia, MZ? Eu digo-lhe: você próprio. Em vias de extinção.
    E não vou compará-lo com os animais irracionais (são muito mais inteligentes do que o MZ). Você, animal racional também não é (isso, já todos chegámos a essa conclusão. Não é difícil)., logo, é um animal de sujidade.

  38. Minha cara Clara: já a insultei, aqui? já lhe chamei porca ou suja? Não, pois não? Já lhe chamei animal? Não! Você não é capaz de discutir em vez de insultar as pessoas que pensam de maneira diferente da sua?

  39. Então adeus, minha cara Clara.

  40. Tia Mila diz:

    Ih…que sujeira é essa? Rodarm a baiana, foi? Que coisa feia!

  41. Tia Mila diz:

    Vou bloquear este blogue. Ninguem aparece por aqui. Por mim BASTA!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: