Primitivismo e intolerância no Islão – O negro exemplo da Malásia

Wan Azhar Wan Ahmad, membro de uma coisa chamada “Instituto para a Compreensão do Islão”, afirma que “se o Islão permitisse que um muçulmano se convertesse a outra religião, isso significaria que (o Islão) não tinha diginidade nem respeito por si próprio”. Estas declarações foram proferidas a propósito do caso de uma cidadã da Malásia, Lina Joy, que se converteu ao cristinianismo e apresentou uma queixa em tribunal, devido ao facto de as autoridades terem mantido a referência “Muçulmana” nos seus documentos de identificação.

Aqui está uma boa questão para os muçulmanos portugueses, que tanto ódio contra o Ocidente destilam, na Comunidade Islâmica da Web. Aprendam, meus caros, porque razão a vossa religião, primitiva e intolerante, é incompatível com as leis deste país. E o grande democrata e defensor da liberdade (só para os muçulmanos?) sr. Yossuf Adamgy? Não tem nada a dizer em relação a isto? Imaginamos que não, uma vez que também defende a impossibilidade de alterar a Sharia e, naturalmente, admite a lapidação das mulheres adúlteras (Ana Drago, está de acordo, não está?)

4 respostas a Primitivismo e intolerância no Islão – O negro exemplo da Malásia

  1. Ana diz:

    Lá está… o extremismo… Concerteza a Ana Drago não concorda com isto… Boas férias!

  2. Tem a certeza? É que nunca ouvi, da parte dos dirigentes do Bloco de Esquerda, uma condenação clara de tradições culturais de povos não-europeus que, pela sua natureza, são contra direitos fundamentais…

  3. Ana diz:

    Sim, isso também é verdade… Lembro-me de ter dado isso em Sociologia há três anos. Que o etnocentrismo nos podia levar a não compreender a cultura dos outros. Mas quando relativizamos isso de certa forma até darmos por nós a ‘achar normal’ situações que vão contra os direitos humanos, aí está tudo estragado. Violação de direitos não pode ser nunca relativizado, nem normalizado.

  4. Se o Bloco de Esquerda fosse coerente consigo próprio, já tinha apresentado uma proposta de lei a criminalizar os pais que submetessem as filhas à excisão genital – fenómeno comum, entre comunidade guineense, que as envia para a Guiné, onde são submetidas a esta prática.
    O etnocentrismo é um perigo maior, para a Esquerda, do que as violações de direitos. E esteé um preconceito revelador de xenofobia. Porque, regra geral, essas práticas culturais abrangem comunidades do terceiro Mundo, de outras raças…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: