Memórias coloniais

” (…) Nunca pensei…  que havia de poder lhes apertar o pescoço, lhes dar socos e pontapés, cuspir na cara deles, lhes arrancar a pele com estas mãos pretas que Deus me deu.  (…) O choro dos brancos, ai! E o sangue dos brancos! Parece água quente.  Uma vez lavámos a cara com ele.  Só faltou mesmo a gente comer carne de branco para depois ver o branco em merda.(…)

in “As Lágrimas e o Vento”, de Manuel dos Santos Lima, citado por Sílvio Carvalho Filho, “As relações étnicas em Angola: as minorias branca e mestiça

12 Responses to Memórias coloniais

  1. Desculpe ser repetitivo, mas já que fala em colonizacão eu não resisti:
    ….

    “Em pleno Sec XXI, existem gravissímos problemas de imigração ilegal, como o senhor faz questão de referenciar vezes sem conta no seu blogue. Sim, existem realmente muitos problemas de imigração dos países do terceiro mundo para os países ditos desenvolvidos. Essas pessoas imigram em busca de uma melhor qualidade de vida; e vêm de áfrica, do sudeste asiático, do médio oriente, da europa de leste e da américa do sul, etc…

    E eu só consigo ver um grande culpado nisto tudo. O mundo cristão, ocidental, ou como lhe queira chamar. O nosso portugalzinho é também um dos culpados desta imigração. Fomos nós que invadimos áfrica, a colonizamos, e lhe tiramos todos os recursos explorando tudo o que havia a explorar, incluindo as gentes africanas, as quais escravizamos e tratamos como animais durantes séculos. Às quais impingimos o catolicismo, abolindo as suas crenças. É este o orgulho que o senhor tem do seu país? Não me venha falar em crimes raciais se não sabe nada de história. E o Brasil? Esse paraíso tropical… o qual nós exploramos! No qual nós exterminamos uma série de tribos indigenas que povoavam o território na época.

    […]

    Meu caro Maquina Zero, o seu pensamento é, como já referi, uma vergonha para mim português, uma vez que apesar de me orgulhar do meu país, tenho muita, mas muita vergonha e desprezo pelo seu passado colonialista. E por isso, ao invés do senhor, não critico quem tenta sair do seu país procurando dar melhores condições de vida aos seus filhos e familiares, imigrando para países mais desenvolvidos. Penso que nós todos, estamos em dívida para com África! E devemos, sem sombra de dúvidas, acolher aqueles que tentam fugir da morte. Porque enquanto o senhor e mais uma elitezinha de portugueses nacionalista, continuarem a ver os africanos, os mexicanos, os brasileiros, os europeus de leste, os asiáticos (etc) como criminosos, então estes haverão de ser sempre colocados em guetos e serão escravizados.”

    […]

    in comment on “Pérolas da poesia contemporânea – Candidaturas para o “Pior Poeta Português de Sempre”

  2. Parabéns! Nunca tinha lido nada tão deplorável.

  3. Bernardino diz:

    deplorável é o seu blog, máquina zero.

  4. pvnam diz:

    —> Contra o fundamentalismo RACISTA!…
    —> Contra o fundamentalismo
    ANTI-RACISTA!…
    —> Por uma DIVERSIDADE Étnica/Racial no Planeta!…

    ( … antes que seja tarde demais… )
    O caminho a seguir é o SEPARATISMO ÉTNICO:
    ——> 1) um espaço ( 50% ) de Competição Global…
    ——> 2) outro espaço ( 50% ) de Reserva Natural: para a preservação das Identidades Étnicas Autóctones….

  5. Meu caro Bernardino, depois de você dizer que este blogue tem que acabar – por pensar de maneira diferente da sua – já definiu um conceito de Democracia que não, de certeza, partilhado pela maioria dos portugueses.

  6. “que não é, de certeza” … digo

  7. Warsalorg diz:

    …Não nos devemos nunca arrepender do nosso passado, nem ver o colonialismo com muito maus olhos, nem nunca deviamos apagar o passado, como aconteceu como as mudanças de nomenclaturas, nomeadamente da ponte “25 de Abril..O homem assim como as nações são sempre situacionistas, e no nosso passado histórico aconteceu o que aconteceu e não há que ter vergonha. Não sou radical ao ponto de defender o colonialismo ultramarino, mas tambem não me satisfaz o actual estado do país. Felizmente não defendo correntes nem ideologias, mas não tenho pejo em afirmar que devemos aprender com os erros..Por exemplo se Angola fosse nossa actualmente, ninguém (ou muito pouca gente)iria questionar o porquê de lá estarmos, mas como a(s) guerra(s) ultramarinas correram mal para o ponto de vista de um Portugal Ultramarino, já toda a gente questiona os conflitos que deram o que todos nós sabemos..Com isto tudo quero dizer que se não foi para ficar com as colónias aquela(s) guerras(s)não deveriam ter tido lugar?… mas agora é tarde e há quem critique isso, mas aconteceu o que aconteceu…E o “situacionismo” do regime falou mais alto. Daqui a 30 anos também não me vou arrepender do país miserável em todos os sentidos que temos hoje. Podemos é mudar o futuro já hoje, isso sim. “Dictum ag Factum”

  8. Paulo diz:

    Mas este tipo delira?

    “E eu só consigo ver um grande culpado nisto tudo. O mundo cristão, ocidental, ou como lhe queira chamar. O nosso portugalzinho é também um dos culpados desta imigração. Fomos nós que invadimos áfrica, a colonizamos, e lhe tiramos todos os recursos explorando tudo o que havia a explorar, incluindo as gentes africanas, as quais escravizamos e tratamos como animais durantes séculos.”

    Para já eles sempre praticaram a escravatura entre eles. Nós também a praticámos, é certo, mas fomos os primeiros a aboli-la, há bem mais de cem anos, enquanto tribos negras e muçulmanos magrebinos continuaram e continuam a praticá-la. Por isso os pobrezinhos dos africanos têm para já de agradecer aos brancos, portuguesinhos e católicos a abolição da escravatura!

    Depois vem a história de termos delapidado os recursos deles. O comentador ignorante desconhece ou finge desconhecer que deixámos lá estradas, universidades, hospitais, escolas, barragens… e eles partiram tudo em poucos anos. A culpa será nossa ou das elites deles que se bateram pela independência ao serviço da Rússia e dos EUA? Mas eles continuam riquíssimos: petróleo, diamantes e um enorme etcetera.

  9. A Arábia Saudita só aboliu a escravatura em 1962…

  10. Maggy diz:

    Não me admira que existam pessoas que pensem como o sr. tiago pregueiro mas expanta- me que falem de assuntos que estão tão longe das suas portas e que só conheçam as historinhas que eles tanto recriminam (tal como o colonialismo, por ex.) pela telinha de televisão ou então por aqueles livros de história que têm na estante da sala e que na realidade só lá foram postos para parecerem pessoas muito cultas e dotadas de um conhecimento extraordinariamente fora do comum.
    Façam- me só um favor, venham a África (eu digo venham porque eu estou cá) e vejam a maneira como a sociedade se comporta entre si, mas vejam sobretudo como ela o faz para com aqueles que vêm de fora com a finalidade de a ajudar a melhorar a sua qualidade de vida, não só a nivel monetário mas também a nivel social; e aí sim, constatem se essa história de exclusão e de roubo dos seus queridos recursos se encaixa na história “dos desgraçados dos países de terceiro mundo que são escravizados”, como a maior parte dos desentendidos sobre o assunto nos querem fazer acreditar.
    Depois disso, pensem e reflictam seriamente sobre o assunto.
    Já agora, aproveito para dar os parabéns a este blog pela quantidade de temas e informação a que nos permite ter acesso e também ao máquina zero pelo excelente trabalho que tem feito até hoje.

  11. Camões diz:

    Estupidez como eu não via há muto tempo…
    A colonização foi boa. Os países mais avançados exploraram sem duvida mas deram também, exportaram um bocadinho da sua imensamente superior civilização, nós Europeus levámos a Luz ao Mundo.
    A África Portuguesa estava mal mas depois a pretalhada começou a matar por dinheiros Soviéticos e Americanos e a ladrar que a terra era dos pretos, fizeram uma guerra de quase 15 anos e depois mandaram-nos embora.
    A Partair daí notou-se como a civilização Africana é explêndida mal sairam os Europeus de África acabou-se a fome e extinguiu-se o vírus da SIDA.
    Pretos deste mundo, se guerreastes tanto por África, se matastes os nossos antepassados por aquela terra, porque raio esperas tu, ó preto, vir para a minha terra, para a minha Cidade Santa de Lisboa querer ter mais direitos do que eu, comer as minhas irmãs, que são todas as Portuguesas e ainda me chamas de racista, nazi e xenófobo.
    Se os negros acharamaceitável a guerra que COMEÇARAM em Angola para expulsar os Portugueses não seria também aceitável nós declararmos guerra também aqui a estes invasores que estão prestes a deixar contribuições no nosso país para que num futuro venham a ser postos lado a lado com Celtas-Lusitanos, Romanos, Suevos, Visigodos e o tristemente célebere caso dos Muçulmanos?

  12. Camões diz:

    Eu não me considero racista porque até tenho amigos negros mas a verdade é que se os pretos querem estar neste país têm de ser em quantidades muito menores do que as que cá estão, têm de ter noção que esta terra não é deles, que estão cá de favor e têm de compreender que as Portuguesas não são para o bico deles e que a Nacionalidade Portuguesa nunca, mas nunca será deles.

    Ultimmente tenho visto muitos negros com namoradas brancas e que, apesar de feias, vai dar origem a uma nova geração de Portugueses genéticamente alterados ou seja hoje em dia a nossa população está a ser corrompida genéticamente, isto tem de parar.
    Só espero que não começem a matar os pretos por minha causa, yo nigga!!??

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: