Crimes raciais

Em Inglaterra, em 2004, 87 mil membros de minorias étnicas (negros, asiáticos, etc) foram vítimas de crimes raciais. No mesmo ano, 92 mil brancos foram vítimas de crimes raciais. Curioso.

37 Responses to Crimes raciais

  1. Carolina diz:

    São estatísticas e há que dar a conhcê-las. Crimes raciais sempre existiram e, infelizmente, sempre irão existir. Era bom que assim não fosse. Não nos podemos é esquecer do “número de asiáticos” comparativamente aos brancos, por exemplo.

  2. Jaï bettancourt de carvalho diz:

    «Le Figaro Magazine» s’est procuré les documents confidentiels où des agents de sécurité consignent les agressions contre les autobus. Extraits. Sans commentaires.

    Lundi 23 octobre 2006 19 h 35 – Centre de Vitry – Ligne 286.

    A l’arrêt Jules-Ferry-Ferrer à L’HaØ-les-Roses, un individu – sans raison apparente – pulvérise du gaz lacrymogène en direction du chauffeur du bus 6593 et prend la fuite. Des projectiles brisent la vitre du poste de conduite. Le machiniste doit recevoir des soins d’urgence. Il souffre de brûlures aux yeux.

    21 h 25 – Centre des Pavillons – Ligne 147. Suite à un différend sur la circulation, un automobiliste se précipite dans l’autobus 7607 pour insulter le conducteur qu’il tente de frapper avant de prendre la fuite.

    23 h 05 – Centre de Thiais – Ligne 183.

    Dans le XIIIe arrondissement, au terminus Porte de Choisy, un automobiliste insulte et menace le chauffeur du bus 1749 pour l’avoir klaxonné.

    Mardi 24 octobre 2006

    6 h 50 – Centre des Quais de Seine – Ligne PC1. A proximité de l’arrêt Porte-de-Saint-Cloud, un automobiliste lance un projectile de provenance et nature indéterminées sur l’autobus 4513 et brise une vitre avant de prendre la fuite. L’agent est relevé de son service.

    16 h 15 – Centre des Quais de Seine – Ligne 593. Dans la rue Pierre-Brossolette au Kremlin-Bicêtre, des billes sont lancées en direction de l’autobus 664 sans provoquer de dégâts. Excédé, l’agent est relevé de son service.

    17 h 20 – Centre de Créteil – Ligne 393.

    A Bonneuil-sur-Marne, rue Jean-Rostand, des jeunes lancent des projectiles de nature et provenance indéterminées sur l’autobus 7086 et brisent le pare-brise. L’agent n’interrompt pas son service.

    17 h 55 – Centre de Charlebourg – Ligne 163. Au terminus de la Porte-de-Champerret, un voyageur signale au chauffeur de l’autobus 6024 que les sièges situés au fond du véhicule sont en feu. Il précise avoir vu deux jeunes descendre précipitamment du véhicule. L’incendie a été maîtrisé à l’aide d’un extincteur et d’un arrosoir. Il n’y a pas eu de blessés.

    20 h 30 – Centre de Belliard – Ligne de bus non précisée. Suite à un accident matériel à l’arrêt Havre-Haussmann, un automobiliste insulte et menace le conducteur du bus.

    Jeudi 26 octobre 2006

    1 heure – Centre des Lilas – Ligne 122. A l’arrêt Delpêche, à Montreuil-sous-Bois, une dizaine d’individus encagoulés ont fait descendre les voyageurs de l’autobus 8324 sous la menace d’armes de poing avant de contraindre le conducteur du véhicule à entrer dans la cité de la Noue. Ils ont ensuite menacé le machiniste pour le faire fuir afin d’incendier l’autobus. Le véhicule a été complètement détruit. Il n’y a pas eu de blessés. L’agent de la RATP, choqué, a dû recevoir des soins à l’hôpital Jean-Verdier. Suite aux événements, les machinistes de la RATP ont progressivement cessé leur service sur une dizaine de lignes.

    13 heures – Centre des Bords de Marne – Ligne 206. Suite à un différend entre une usagère et le machiniste de l’autobus 2455, la voyageuse est descendue à l’arrêt Stade Lucien-Morane pour jeter des projectiles sur l’autobus. Pas de blessés ni de dégâts.

    13 h 30 – Centre des Pavillons – Ligne 146. A Clichy-sous-Bois, des projectiles brisent la vitre latérale gauche de l’autobus 6221 stationné à l’arrêt Collège Romain-Rolland. Pas de blessés. L’agent RATP a continué son service après un changement de véhicule. Par mesure de sécurité, dès 13 h 30 le terminus Monfermeil-les Bosquets a été transféré à l’arrêt Gagarine, à Clichy-sous-Bois.

    15 h 15 – Centre de Montrouge – Ligne 319. Des projectiles brisent la vitre latérale droite du bus 2540 circulant dans l’avenue Kennedy à Massy. Pas de blessés. L’agent a continué son service. A 15 h 45, une déviation a été mise en place par la voie rapide à Massy.

    16 h 05 – Centre de Malakoff – Ligne 323. A l’arrêt Lycée Darius-Milhaud, au Kremlin-Bicêtre, des projectiles brisent la vitre latérale droite de l’autobus 7302. Pas de blessés. L’agent a continué son service après changement de véhicule.

    Samedi 28 octobre 2006

    6 h 35 – Centre d’Asnières – Ligne 54.

    A l’arrêt La Fourche dans le XVIIe arrondissement, une bande de jeunes insulte et menace sans aucune raison le conducteur de l’autobus 9134. Ils veulent incendier le véhicule mais prennent la fuite. Choqué, l’agent est relevé de son service.

    17 h 30 – Centre de Thiais – Ligne 385.

    A l’arrêt Utrillo à Savigny-sur-Orge, des projectiles brisent la vitre latérale droite de l’autobus 1094. Pas de blessés. Le machiniste a continué son service après changement de véhicule. Sur la même ligne, à 17 h 45, la vitre latérale droite du bus 6278 est brisée par un projectile. Pas de blessés.

    17 h 55 – Centre de Créteil – Ligne 107.

    A l’arrêt René-Coty à Maisons-Alfort, un projectile brise la vitre arrière de l’autobus 6275. Pas de blessés. L’agent a poursuivi son service après changement de véhicule.

    18 h 05 – Centre de Vitry – Ligne 286.

    A l’arrêt Mairie de Fresnes, un accompagnateur est souillé de crachats et le machiniste insulté par deux jeunes voyageurs refusant de présenter leurs titres de transport.

    18 h 55 – Centre de Flandre – Ligne 249. Rue du Pont-Blanc à Aubervilliers, une pierre brise la vitre latérale du poste de conduite de l’autobus 6066. Le projectile blesse le machiniste à l’épaule gauche. L’agent est transporté à l’hôpital Avicenne de Bobigny pour y recevoir des soins. Huit jours d’arrêt de travail lui sont prescrits. Dès 19 h 45, l’exploitation de la ligne est suspendue et les lignes 173 et 250 sont déviées afin d’éviter le secteur.

    21 h 30 – Centre de Pleyel – Ligne 137.

    A Gennevilliers, à l’arrêt Quai des Grésillons, une voyageuse du bus 5659 est victime d’un vol à l’arraché par un individu qui prend la fuite. Le service n’est pas interrompu.

    Dimanche 29 octobre 2006

    4 h 45 – Centre des Bords de Marne – Ligne 34. Sur l’itinéraire de déviation de l’avenue du Maréchal-de-Lattre-de-Tassigny à Fontenay-sous-Bois, en direction de Gare de Lyon, des jeunes tentent de lancer une cuvette de toilette sur l’autobus 7852. Ils prennent la fuite lors de l’intervention d’un voyageur. Excédé, le machiniste est relevé de son service.

    12 h 35 – Centre de Pleyel – Ligne 174.

    A l’arrêt Les Bateliers à Saint-Ouen, des projectiles sont lancés sur la vitre latérale droite de l’autobus 8290. La vitre est brisée. Pas de blessés. L’agent a continué son service après changement de véhicule.

    20 h 18 – Centre de Vitry – Ligne 125.

    A l’arrêt Pont d’Ivry-Rive gauche, suite à un différend avec un individu monté par la porte centrale de l’autobus 6604, le passager gifle le machiniste et lui crache dessus avant de prendre la fuite.

    Lundi 30 octobre

    17 h 30 – Secteur 5 – Ligne 319. A l’arrêt Les Meuniers à Wissous, la conductrice de l’autobus est prise à partie, insultée et menacée par cinq jeunes individus dans une automobile.

    18 h 40 – Centre des Bords de Marne – Ligne 127. A l’arrêt Védrines à Fontenay-sous-Bois, des projectiles brisent la vitre latérale droite de l’autobus 6383. Pas de blessés.

    http://www.lefigaro.fr/magazine/20061103.MAG000000269_une_semaine_ordinaire_en_le_de_france.html

  3. Pedro diz:

    Há ainda a considerar a conflituosidade social provocada por aqueles que alegadamente vêm apenas para escapar da vida miserável que levavam lá nos confins do terceiro mundo, mas afinal, revelam hostilidade.
    Basta reparar como os negros e os brasileiros olham para os portugueses, é perceptível aquela hostilidade face ao país, e ao povo que é forçado a aturá-los.

  4. Pedro diz:

    Há ainda a considerar a conflituosidade social provocada por aqueles que alegadamente vêm apenas para escapar da vida miserável que levavam lá nos confins do terceiro mundo, mas afinal, revelam hostilidade.
    Basta reparar como os negros e os brasileiros olham para os portugueses, e falam de Portugal, é perceptível aquela hostilidade face ao país, e ao povo que é forçado a aturá-los.

  5. Carolina diz:

    São muitas as vezes que ouvimos: “os negros são racistas”. Desculpe, caro Pedro, este seu discurso diz claramente que você é racista. Não diga que isto não é racismo. Se lhe atribui outro nome, não tem consciência do que escreve. E é branco, não é?
    São estes discursos que em nada contribuem para uma sociedade sem discriminações e anti-racista.

  6. The Studio diz:

    A menina Carolina faz parte das organizações Anti-Racistas que organizaram a manifestação Anti-Semita e foram para junto à embaixada de Israel gritar “morte aos Judeus”? É bom definir o que é ser “anti-racista” pois os maiores racistas que existem em Portugal são precisamente os que se auto-denominam “anti-racistas”.

    Quanto ao Reino Unido, é um país com problemas gravíssimos devido à “multi-culturalidade”. Actualmente está a decorrer uma autêntica guerra entre os Negros e os Asiáticos. Todas as semanas, num cantinho pequenino de uma página interior dos jornais, lá vem “negro mata asiático ou asiático mata negro”…

  7. Carolina diz:

    Não tinha de lhe responder a tal pergunta, mas cá vai: Não faço parte de nenhuma organização anti-
    -racista. Veja no dicionário ou numa enciclopédia o quer dizer anti-racista. Por favor…

  8. Açoriana diz:

    O que o Pedro escreveu nada teve de racista… acho que o racismo está um bocado nos olhos de quem o vê (é mais ou menos como a beleza). A Carolina vê racismo em muito sítio…

  9. Carolina diz:

    Era bom era, que o racismo estivesse nos olhos de quem o vê. O racismo existe e está à vista de quem o quer ver. Pior ainda é que o racismo cresce, nomeadamente, com este tipo de discursos.
    Comparar o racismo com a beleza. É como comparar água e vinho. A beleza é subjectiva. O racismo em nada é subjectivo. Ou se é racista ou não.

    Fazer distinção, ter preferências em função da raça, cor, etnia, nacionalidade… é racismo, cara Açoriana. Passe bem.

  10. Açoriana diz:

    Se o racismo não é subjectivo então como explica que você considere o texto do Pedro racista, mas eu não? Devia ser um facto e claro como a água…

    Eu não disse que o racismo não existia, apenas disse que não existia no texto do Pedro.

    Passe bem, cara Carolina.

  11. Carolina diz:

    Cara Açoriana, o facto de você não considerar o texto do Pedro (e, eventualmente, outros comentários do mesmo )racista, deve-se à interpretação de leitura… Uma pessoa que aceita imigrantes de Leste e não aceita africanos e brasileiros, é o quê? Racista. Não há racismo meio termo. Não se aceitam “nins”. Daí ter afirmado que: “… O racismo em nada é subjectivo. Ou se é racista ou não”. Isto é, o racismo é visivelmente objectivo. O conceito de racismo subjectivo é uma derivação pessoal. Não podemos é cair no erro de um homem, por exemplo, aceitar asiáticos e ucranianos em detrimento de africanos… Estamos perante racismo. No assunto em discussão, não há lugar a comparações do tipo: as loiras dão mais nas vistas, mas as morenas têm um ar mais misterioso… A cor amarela é pálida, não tem força, o vermelho transmite energia, força. Continuação de boa disposição, cara Açoriana.

  12. Pedro diz:

    Os anti racistas fanáticos assim que vêem descrita a realidade do comportamento daqueles que defendem intransigentemente, demonstram o seu incómodo lançando mão da bomba atómica para calar os seus oponentes – racismo, discriminação, é a ideologia do politicamente correcto a evitar a discussão destes temas de forma livre e lúcida.

    O facto de um pais Europeu exercer o direito de Soberania, é um acto de racismo e discriminação,

    mas não se indignam quando certos sectores em Portugal pretendem dar preferência a gente vinda dos PALOPs e Brasil, em detrimento de cidadãos Europeus de Leste, isso já não é racismo nem discriminação,é outra coisa diferente – mais carne para canhão para as suas politicas.

    Qualquer desenraizado que não se consiga integrar pode facilmente alegar discriminação e perseguição racial pelas situações mais infímas e irrelevantes do quotidiano e da vida das Organizações, os anti racistas fanáticos estão sempre dispostos a alimentar esses complexos.

    Por outro lado, se há gangues de alienígenas a seleccionar para ataques exclusivamente os cidadãos autóctones dos países que foram forçados a acolhê-los, isso são somente problemas sociais que devem ser resolvidos por via de maiores cedências e atendimento de reivindicações.

    Entretanto, nas regiões europeias com maior população extra europeia, os autóctones emigram, num movimento white flight, à semelhança do que aconteceu nos anos 70 e 80 nos Estados Unidos. São todos racistas que deveriam ser presos por discriminação racial.

    http://www.brusselsjournal.com/node/1645

    http://www.brusselsjournal.com/node/1645

    http://www.brusselsjournal.com/node/1647

  13. Pedro diz:

    Os anti racistas fanáticos assim que vêem descrita a realidade do comportamento daqueles que defendem intransigentemente, demonstram o seu incómodo lançando mão da bomba atómica para calar os seus oponentes – racismo, discriminação, é a ideologia do politicamente correcto a evitar a discussão destes temas de forma livre e lúcida.

    O facto de um pais Europeu exercer o direito de Soberania, é um acto de racismo e discriminação,mas não se indignam quando certos sectores em Portugal pretendem dar preferência a gente vinda dos PALOPs e Brasil, em detrimento de cidadãos Europeus de Leste, isso já não é racismo nem discriminação,é outra coisa diferente – mais carne para canhão para as suas politicas.

    Qualquer desenraizado que não se consiga integrar pode facilmente alegar discriminação e perseguição racial pelas situações mais ínfimas e irrelevantes do quotidiano e da vida das Organizações, os anti racistas fanáticos estão sempre dispostos a alimentar esses complexos.

    Por outro lado, se há gangues de alienígenas a seleccionar para ataques exclusivamente os cidadãos autóctones dos países que foram forçados a acolhê-los, isso são somente problemas sociais que devem ser resolvidos por via de maiores cedências e atendimento de reivindicações.

    Entretanto, nas regiões europeias com maior população extra europeia, os autóctones emigram, num movimento white flight, à semelhança do que aconteceu nos anos 70 e 80 nos Estados Unidos. São todos racistas que deveriam ser presos por discriminação racial.

    http://www.brusselsjournal.com/node/1645

    http://www.brusselsjournal.com/node/1645

    http://www.brusselsjournal.com/node/1647

  14. Pedro diz:

    Os anti racistas fanáticos assim que vêem descrita a realidade do comportamento daqueles que defendem intransigentemente lançam mão da bomba atómica para calar os seus oponentes – racismo, discriminação, é a ideologia do politicamente correcto a evitar a discussão destes temas.

    O facto de um pais Europeu exercer o direito de Soberania, é um acto de racismo e discriminação, mas não se indignam quando certos sectores em Portugal pretendem dar preferência a gente vinda dos PALOPs e Brasil, em detrimento de cidadãos Europeus de Leste, isso já não é racismo nem discriminação,é outra coisa qualquer – mais carne para canhão para as suas politicas.

    Qualquer desenraizado que não se consiga integrar pode facilmente alegar discriminação e perseguição racial pelas situações mais ínfimas e irrelevantes do quotidiano e da vida das Organizações, os anti racistas fanáticos estão sempre dispostos a alimentar esses complexos.

    Por outro lado se há gangues de alienigenas a seleccionar para ataques exclusivamente os cidadãos autóctones dos países que foram forçados a acolhê-los, isso são somente problemas sociais que devem ser resolvidos por via de maiores cedências e atendimento de reivindicações.

    Entretanto nas regiões europeias com maior população extra europeia,continua o preconceito racial, os autóctones emigram, num movimento white flight, à semelhança do que aconteceu nos anos 70 e 80 nos Estados Unidos.

    http://www.brusselsjournal.com/node/1645

    http://www.brusselsjournal.com/node/1645

    http://www.brusselsjournal.com/node/1647

  15. Pedro diz:

    Sobre os ataques perpretados por minorias étnicas a Brancos no multicultural Reino Unido

    http://www.timesonline.co.uk/article/0,,2092-2449490,00.html

  16. Pedro diz:

    Os anti racistas fanáticos assim que vêem descrita a realidade do comportamento daqueles que defendem intransigentemente, demonstram o seu incómodo lançando mão da bomba atómica para calar os seus oponentes – racismo, discriminação, é a ideologia do politicamente correcto a evitar a discussão destes temas de forma livre e lúcida.

    O facto de um pais Europeu exercer o direito de Soberania, é um acto de racismo e discriminação,

    mas não se indignam quando certos sectores em Portugal pretendem dar preferência a gente vinda dos PALOPs e Brasil, em detrimento de cidadãos Europeus de Leste, isso já não é racismo nem discriminação,é outra coisa diferente – mais carne para canhão para as suas politicas.

    Qualquer desenraizado que não se consiga integrar pode facilmente alegar discriminação e perseguição racial pelas situações mais infimas e irrelevantes do quotidiano e da vida das Organizações, os anti racistas fanáticos estão sempre dispostos a alimentar esses complexos.

    Por outro lado, se há gangues de alienígenas a seleccionar para ataques exclusivamente os cidadãos autóctones dos países que foram forçados a acolhê-los, isso são somente problemas sociais que devem ser resolvidos por via de maiores cedências e atendimento de reivindicações.

    Entretanto, nas regiões europeias com maior população extra europeia, os autóctones emigram, num movimento white flight, à semelhança do que aconteceu nos anos 70 e 80 nos Estados Unidos. São todos racistas que deveriam ser presos por discriminação racial.

    http://www.brusselsjournal.com/node/1645

    http://www.brusselsjournal.com/node/1645

    http://www.brusselsjournal.com/node/1647

  17. Pedro diz:

    Os anti racistas fanáticos assim que vêem descrita a realidade do comportamento daqueles que defendem intransigentemente, demonstram o seu incómodo lançando mão da bomba atómica para calar os seus oponentes – racismo, discriminação, é a ideologia do politicamente correcto a evitar a discussão destes temas de forma livre e lúcida.

    O facto de um pais Europeu exercer o direito de Soberania, é um acto de racismo e discriminação,

    mas não se indignam quando certos sectores em Portugal pretendem dar preferência a gente vinda dos PALOPs e Brasil, em detrimento de cidadãos Europeus de Leste, isso já não é racismo nem discriminação,é outra coisa diferente – mais carne para canhão para as suas politicas.

    Qualquer desenraizado que não se consiga integrar pode facilmente alegar discriminação e perseguição racial pelas situações mais infímas e irrelevantes do quotidiano e da vida das Organizações, os anti racistas fanáticos estão sempre dispostos a alimentar esses complexos.

    Por outro lado, se há gangues de alienígenas a seleccionar para ataques exclusivamente os cidadãos autóctones dos países que foram forçados a acolhê-los, isso são somente problemas sociais que devem ser resolvidos por via de maiores cedências e atendimento de reivindicações.

    Entretanto, nas regiões europeias com maior população extra europeia, os autóctones emigram, num movimento white flight, à semelhança do que aconteceu nos anos 70 e 80 nos Estados Unidos. São todos racistas que deveriam ser presos por discriminação racial…..

  18. Meu caro Pedro: a gente percebe à primeira…

  19. Carolina diz:

    Muito você recorre ao fanatismo, caro Pedro. Os anti-
    -racistas são fanáticos, porquê? Por essa ordem de ideias, você é um racista ferrenho! Incomodado está o Pedro. Quem é que o quer calar? Não se deve dar preferências. Leia definição de discriminação e de racismo. “…mas não se indignam quando certos sectores em Portugal pretendem dar preferência a gente vinda dos PALOPs e Brasil, em detrimento de cidadãos Europeus de Leste, isso já não é racismo nem discriminação,é outra coisa diferente – mais carne para canhão para as suas politicas…”, escreve o caro Pedro. E o contrário daquilo que está escrito nesta sua frase é…? Racismo.

    Você, é claramente um racista/fanático, que fomenta racismo, discriminação, desigualdade de opurtunidades…

  20. Pedro diz:

    Chumbou no teste de realidade e padece do narcisismo tão característico entre os iluminados do fanatismo multicultural e invasão alienígena.
    Mesmo quando as suas utopias são demolidas não passando no crivo da realidade revelam não ter tolerância à critica e opiniões dissonantes. No entanto, julgam-se no direito de exigir tolerância para aquilo com que devemos ser implacáveis: as violações à Soberania Nacional.

    Realidade:
    http://www.timesonline.co.uk/article/0,,2092-2449490,00.html

    http://www.brusselsjournal.com/node/1645

    http://www.brusselsjournal.com/node/1645

    http://www.brusselsjournal.com/node/1647

  21. Carolina diz:

    Caro Pedro, se há aqui alguém intolerante é você. O seu discurso fala por si. E, usa muito o “bengaleiro da repetição” para que a sua visão da realidade se faça ouvir, que efectivamente em nada corresponde à realidade. A sua realidade é que tem patologias e é utópica. Só um cidadão intolerante e incapacitado é que receia e não consegue defender a Soberania Nacional. Mais uma vez lhe digo: você não é fanático é ferrenho. O caro Pedro ainda não entendeu que a realidade que defende não é defensável. Por isso, está reprovado. Mas teve e tem todo o direito de defender aquilo em que acredita. Como vê, do meu lado sempre houve e haverá abertura e tolerância, em debate. E sem fanatismo cegos. Passe bem.

  22. Jaï bettancourt de carvalho diz:

    @ Carolina

    “”””Os anti-racistas são fanáticos, porquê?””””

    E sò uma questão de voçê ir à França e de visitar certos lugar e de dizer se isso tem aglum jeito.

    Conseilho particularemente a cidade de Orange, Avignon, suburbios de Lyon, Roubaix, mas hà bem mais ainda, è o degrau maximo da irresponsabilidade !

    As organizações anti-racistas são controladas por partidos de extrema-esquerda, e toda essa gente vive dos subsidios do estado e atribuiemse ordenados elevadisimos !

    Essa gente instrumentaliza a imigração afins de destabilizar o estado e a provocar o racisismo. Tanto que qualquer forma de integração ou de assimilação è hoje completamente impossivel, o unico tema de intergração è a integração dos franceses no seu pròprio paìs !

    A vida hoje para milhões de françeses è um inferno, mas teem que andar caladinhos para não serem chamados de racistas !

    Toda a gente fecha os olhos sobre as bandas de skinheads pretos arrastando brancos todos os dias para não serem tratados de racistas !

    Sim os anti-racistas são fanaticos, irresponsavels e suicidarios, e essa gente são responsavels pela a grandissima sobida do racismo em França por provocação !

  23. Carolina diz:

    Caro Jaï bettancourt de carvalho, utilizando as suas palavras, ser anti-racista não tem jeito. Para mim, ser racista é: dizer não ao diálogo, é n ter tolerância, é ter preferências, distinguir, excluir em função da raça, cor, etnia…, que visa a anular ou restringir o reconhecimento, práticas e exercícios, de igualdade, direitos, liberdades e garantias. Assim como, de direitos económicos, sociais e culturais. Utilizando mais uma vez as suas palavras, ser racista tem algum jeito!? Não, claro que não.
    Não tinha que o dizer, mas já aqui o disse uma vez e, repito, não faço parte de qualquer organização anti-racista, mas não tenho nada contra a quem faz.
    Partir do pressuposto de que a imigração destabiliza o Estado de um país e provoca o racismo, isso é não ter qualquer abertura e FOMENTAR O RACISMO. RACISMO GERA RACISMO (atenção: escrevo em letras maíusculas não como forma de grito, mas sim como maneira de sublinhar).
    “…Tanto que qualquer forma de integração ou de assimilação è hoje completamente impossivel, o unico tema de intergração è a integração dos franceses no seu pròprio paìs !…”, diz Jaï bettancourt de carvalho. França tem, nomeadamente, imigrantes portugueses, que estão completamente integrados. E mais, diz você, que os franceses estão a tentar integrar-se no seu prórpio país. Isso é substiar a inteligência e capacidade dos franceses. Não corresponde à verdade. Tenho pessoas amigas, em França. Não dê exemplos demagógicos para sustentar o seu racismo e intolerância. Já agora, para si pelo que parece, França só devia ter franceses. É isso? Você é francês ou imigrante?
    E os franceses não andam caladinhos para não serem chamados de racistas. Só se for o seu caso e de uma minoria incapaz de defender a cultura, usos e costumes franceses.
    Por último, os racistas é que são fanáticos, cegos de irresponsabilidade e incapacidade. Os anti-racistas é que geram racismo!? Por favor… Isso é a chamada nova “frase feita”, que só contém RACISMO. Tenha um bom dia.

  24. Jaï bettancourt de carvalho diz:

    @ Carolina

    Eu concordo com todos esses valores e toda a sua étìca !

    Tambem não tenho nada contra o facto de haver imigrantes.

    Somente a imigração è uma coisa muito sèria, e temos de pensar quantos imigrantes podemos receber, e que condições podemos ofrecer em termos de trabalho de educação e alojamento etc…

    Somente o imigraçionismo torna-se rapidamente num looby potente instrumentalizado os sentimentos anti-racistas, chegando a destruir os valores que prentende defender.

    Imigração sim, imigraçionismo NÃO !!

    “””nova “frase feita”, que só contém RACISMO”””

    Toda a gente sabe em França que a imigração è intrumentalizada por as organizações anti-racistas com objectivos politicos, que consiste a criar uma nova base de PROLETERIATO REVOLUCIONARIO afins de destabilizar o paìs e derrobar o governo, mais largamente a sociédade capitalista.

    Hà mais de 20 anos, os proprios magrebinos me diziam “A França a receber tantos arabes, corre directamente ao suicidio, vai haver uma guerra civile, c’est obligé ! ”

    “””Isso é substiar a inteligência e capacidade dos franceses. Não corresponde à verdade.”””

    A verdade è que a França não è uma democratia, è um sistèma de dominação de uma classe sobre uma outra, onde o bi-partismo è sò um pretexto para se manter no poder.

    A inteligencia dos franceses ?

    Os françeses não gostam do Jean Marie Le Pen, mas hoje o FN (fronte national) è o maior partido de França. Mas o maior partido de França não tem deputados, voçê não acha isso estranho ??

    “””para sustentar o seu racismo e intolerância”””

    Tenho muitos amigos pretos, magrebinos, creolos, asiaticos, e todos sabemos que o paìs està berrando. O desporto nacional è abusar dos subsidios sociais, e os funçionarios do mais pequeno ao mais grande è proveitar ao maximo da économia das subvenções.

    Os Presidentes das Camaras, utilizam a imigração afins de aumentar artificialemente (com cumplicidade do estado) a povoação e obter assim os subsidios do estado.

  25. Carolina diz:

    Claro que a imigração é um assunto sério. Nunca disse o contrário. “…os sentimentos anti-racistas, chegando a destruir os valores que prentende defender…”, diz você, caro Jaï bettancourt de carvalho. Essa é boa! Por favor, tenha paciência. Mas agora os anti-racistas são apelidados de não defenderem a sua Soberania, cidadania?! Vira-se o feitiço contra o feiticeiro. Por outras palavras, os anti-racistas é que geram racismo, é isso? Isso é discurso barato, muito barato e que não vende!

    “…Imigração sim, imigraçionismo NÃO… !!” O que é imigracionismo?! Algo que vocês intolerantes de primeira inventaram. Só pode.

  26. Pedro diz:

    Conversa da treta:
    Só um cidadão intolerante e incapacitado é que receia e não consegue defender a Soberania Nacional.

    Realidade:
    «Peter Fahy, chief constable of Cheshire police and spokesman on race issues for the Association of Chief Police Officers, said: “A lot of police officers and other professionals feel almost the best thing to do is to try and avoid [discussing such attacks] for fear of being criticised. This is not healthy.»

    Conversa da treta:São muitas as vezes que ouvimos: “os negros são racistas”. Desculpe, caro Pedro, este seu discurso diz claramente que você é racista. Comentário por Carolina — Novembro 16, 2006 @ 2:34 am

    Realidade:
    «After the murder the attackers shouted in Urdu, “We have killed the white man — that will teach an Englishman to interfere in Paki business.” Despite this appalling racism, the three were never convicted for committing a race crime — which would have meant a heavier sentence.»

    Conversa da treta
    Mas teve e tem todo o direito de defender aquilo em que acredita. Como vê, do meu lado sempre houve e haverá abertura e tolerância, em debate. E sem fanatismo cegos. Passe bem

    Pior ainda é que o racismo cresce, nomeadamente, com este tipo de discursos.Comentário por Carolina — Novembro 17, 2006 @ 1:30 pm

    São estes discursos que em nada contribuem para uma sociedade sem discriminações e anti-racista.Comentário por Carolina — Novembro 16, 2006 @ 2:34 am

    Realidade:

    «Figures recently published under the Freedom of Information Act seem to support such fears: of the 58 people killed because of the colour of their skin between 1995 and 2004, almost half were described as white.
    At the same time a staggering 92,000 white people also said that racism was the cause of an attack or crime they had suffered. The number of violent attacks against whites reached 77,000, while the number of white people who reported being wounded was five times the number of black and minority ethnic victims at 20,000.

    The truth is hard to get at: Jenny Bourne, of the Institute of Race Relations, says its figures show only eight white victims of racially motivated killings between 1995 and 2004: “The Kriss Donald case involved an Asian gang which had been involved in violence already. These cases are incredibly rare compared with the number of racist attacks on minorities which take place every day.” What is clear is that unless the attacks on whites are reported and discussed, the truth about what is happening out there will remain hazy.»

  27. Carolina diz:

    Caro Pedro, fique com a sua “conversa da treta” (a sua é mesmo da treta, mas a “Conversa da Treta” de dois grandes artistas é excelente) e com as suas (ir)realidades. Passe bem.

  28. Jaï bettancourt de carvalho diz:

    Em França todos os dias brancos são agredidos por serem brancos, as violencias a pessoas, quer dizer violencias sem motivos de roubo ou etc, estão em forte aumentação.

    Essas pessoas declaram abertament agredir brancos pour serem brancos, mas quelquer indevido que denuncia actos racistas contra brancos todas as assiações anti-racistas lhe atiram logo lama de cima.

    Eu acredito em sua sinceridade, mas voçê não faz parte de qualquer associação, então voçê não pode perceber certas coisas que se passam do lado imergido do iceberg.

    O MARP uma das maiores associacões françesas anti-racistas quase todos os membros jà demicionaram, e a outra organisação anti-racista SOS racisme perde a maioria dos processos por discriminação.

    Você jà houviu falar de “descriminação positiva” ?

    E um sistema onde por exemplo um propriétario tem obrigação de alugar um apartament a um imigrante, e se alugar a um françes corre o risco de ser processado !

    Acho que tenho argumentação logica e não tenho falta de insultar a senhora como tal você faz para mim.

  29. Carolina diz:

    Caro Jaï bettancourt de carvalho, você é sem dúvida contra as associações anti-racistas. Ponha mãos ao trabalho e faça uma associação racista. Por favor…
    O que é discriminação positiva? Explique. Eu só conheço um tipo de discriminação. Aliás, penso que como todos nós. Explique também o que é imigracionismo. Falou em tal termo. Ainda não explicou. Mas se não quiser responder, esteja à vontade. Dê-me um exemplo de uma frase minha, que contenha um insulto contra si ou qualquer outra pessoa. Passe bem.

  30. Jaï bettancourt de carvalho diz:

    “””Ainda não explicou. Mas se não quiser responder”””

    Não tenho culpa se você não sabe ler !

  31. Carolina diz:

    O que lhe posso dizer é que está no seu direito de não responder. Sei ler, provavelmente você é que não sabe escrever correctamente, ou exprimir-se da melhor forma e/ou não tem mesmo como que defender a sua “tese”. Não diga é que o insultei, porque em momento algum o fiz. Estamos entendidos, caro Jaï bettancourt de carvalho.

  32. Jaï bettancourt de carvalho diz:

    Eu repondi da melhor forma e com promenores !

    Agora voçê diz que não respondo as preguntas, descuple mas não entro nessa, não tenho vagar para disertar com pessoas de ma fè !

    Voçê defende a thèse do anti-racismo mas a vossa atitude nihilista exprime perfeitament aquilo que denuncio. Quer dizer que toda gente se quer aberta e não racista, e por isso vai nos extremos a permitir os piores delirios.

    Se a imigração esta como esta em França, è porque quandos os politicos quizeram se interessar sobre as condições dos imigrantes e melhorar as suas situações, as organizações anti-racistas atiraram lama sobre eles, porque fazem da imigração um combate politico que não tem nada haver com o anti-racismo.

    Todas essas organizações são esquerdistas e vivem de subsidios, e os protagonistas muito bem pagos na altura de 3000 euros por mês, e servem-se dos seus estatutos para instrumentalizar a imigração e o combate anti-racista.

    Tem que haver organizações anti-racistas, mas tambem teem que ser independentes politicamente, com gente sèria e responsavel !

    O que se chama imigraçionismo, essa palavra com certeza não existe em Portugal, è um looby que serve interessos politicos contra o pròprio interesso dos imigrantes, os quais, portugueses, negros, magrebinos, fojem as fortes concetrações de imigrantes, por uma razão muito simples que è o cumblo da estupidez !!!!

    Agora chame-me ainda racista !!!!

    Mas não esqueca, o proprio exécito françes considera a França como em estado de guerra civil, mas de conflito de baixa intensidade, mas conflito na mesma !

    Não passa dia nenhum sem que as forças de policia não sejam agredidas, onibus apedrejados, incendios, são tantos que jà não fazem capa de jornal !!!!

    O pròprio gouverno argelino atè jà dà ordens politicas aos seus imigrantes em Franças e chama-os de gente em missão, se isto não è invazão não sei o que è !!!!

  33. Carolina diz:

    Caro Jaï bettancourt de carvalho,
    Em primeiro lugar, aconselho-o a ter cuidado dom o que escreve. Na medida em que,
    já disse que o insultei e não provou. Agora, escreve que estou de má fé. Sabe o que é estar de má fé?
    Ser anti-racista não é permitir tudo e mais alguma coisa, e muito menos cair em delírios. É claro que, existem boas e más organizações/associações, independentemente do que defendem. É óbvio que, qualquer organização governamental tende a defender uma determinada política, está sujeita a pressões várias. Para que as organizações sejam independentes politica, económica e socialmente, têm de ser organizações não-governamentais, sob pena de pressões políticas, lobbies… Não deve é crer passar a ideia de que os anti-racistas ou todas as associações anti-racistas defendem interesses políticos e imigrantes, em detrimento dos seus próprios países e cidadãos.

  34. Jaï bettancourt de carvalho diz:

    “””Na medida em que,
    já disse que o insultei e não provou.”””

    Você insulta ! Na medita que eu sou filho de imigrante e a maioria dos meus amigos são tambem imigrantes negros ou megrebinos, você não sabe do que esta falando !

    Filho de imigrante, mas no entanto de naçionalidade pourtugesesa e reservista do exèrcito !!!!!

  35. Carolina diz:

    Caro Jaï bettancourt de carvalho, deve estar com dificuldade em compreender e aceitar opiniões diferentes das suas. Você, não sabe o que é insulto, não sabe o que é má fé. E, quando não se sabe não se escreve sobre o que não se sabe.

    “…Você insulta ! Na medita que eu sou filho de imigrante e a maioria dos meus amigos são tambem imigrantes negros ou megrebinos, você não sabe do que esta falando !
    Filho de imigrante, mas no entanto de naçionalidade pourtugesesa e reservista do exèrcito !!!!!”, escreveu Jaï bettancourt de carvalho. Por ser filho de imigrante, pela maioria dos seus amigos serem negros… Eu estou a insultá-lo!? Pelo facto de ter ideias que não vão de encontro às suas!? Digo-lhe mais uma vez para ter cuidado com aquilo que escreve, porque nunca o insultei e quanto ao estar de má fé. Nem sei o que lhe diga… Tenha um bom dia. Estamos conversados. Feliz Natal e um bom 2007!

  36. “””Na medida em que,
    já disse que o insultei e não provou.”””

    Você insulta ! Na medita que eu sou filho de imigrante e a maioria dos meus amigos são tambem imigrantes negros ou megrebinos, você não sabe do que esta falando !

    Filho de imigrante, mas no entanto de naçionalidade pourtugesesa e reservista do exèrcito !!!!!

    Comentário por Jaï bettancourt de carvalho — Novembro 24, 2006 @ 6:07 am

    Reservista de QUAL exército? O Português, actualmente cheio de colonos, 95% dos quais se estão marimbando para a nossa bandeira e que adquirem conhecimentos técnicos para fazer “coisas giras” nas ruas de Portugal? Até parece que é só nas Forças Armadas que se é Patriota ou Nacionalista, actualmente é na Cidadania como um todo que tal se passa.
    Ou será o Sr. reservista do exército Francês, o tal que tem sargentos não-brancos a dar tratamento de licenças e exercícios preferencial a não-brancos?
    Os Franceses ou dão a volta à sua mentalidadezinha nas próximas eleições e metem lá alguém como Le Pen ou então arriscam-se a ser a primeira Nação europeia a morrer às mãos de consecutivos erros dos traidores nativos, de animais magrebinos/muçulmanos/africanos, das cagadas de uma construção europeia que chegou a um beco sem saída ou ainda da fome do capitalismo propriamente dito.

  37. Pedro diz:

    O Português, actualmente cheio de colonos, 95% dos quais se estão marimbando para a nossa bandeira e que adquirem conhecimentos técnicos para fazer “coisas giras” nas ruas de Portugal? Até parece que é só nas Forças Armadas que se é Patriota ou Nacionalista, actualmente é na Cidadania como um todo que tal se passa.
    Bem visto. Estamos a formar quem nos pode atacar no futuro.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: