Zumbi, o libertador dos negros brasileiros, mais conhecido por “Suequinha”

janercristialdo.jpg

O pagode em que se transformou um país – o Brasil, com a ajuda desse analfabeto corrupto chamado Lula da Silva – inventou recentemente a ideia de que é o segundo maior país negro do mundo. Uma piada, numa nação onde menos de 7 % dos habitantes são negros, a grande maioria é branca ou ‘parda’ – designação que abrange as múltiplas variações do mulato resultante de branco e preta, ou vice-versa. Os meus sinceros parabéns ao Janer Cristialdo, por colocar o dedo na ferida com uma precisão de cirurgião, na Mídia Sem Máscara:

“Não bastasse isso, a lei 10.639, de 2003, instituiu o Dia da Consciência Negra e fez desta data um feriado nacional. O feriado mal havia sido notado por coincidir com sábados e domingos. Assim foi que, somente neste ano da graça de 2006 acabamos descobrindo que o racismo foi oficializado no Brasil. O racismo negro, bem entendido, pois jamais ocorreria aos brancos criar um Dia da Consciência Branca (…) O dia é uma homenagem a um dos símbolos da resistência negra no país: Zumbi de Palmares, que foi degolado em  20 de novembro de 1695.”

“Até há bem pouco, a data celebrada pelos negros era o 13 de Maio, quando, em 1888, a princesa Isabel decretou a libertação dos escravos. Isso de branca libertar negros, ainda mais quando se tratava de uma princesa, não gera luta racial. Era preciso encontrar um negro, de preferência um mártir. Mesmo que nos quilombos existissem escravas brancas. Mas este dado, stalinisticamente, deve ser apagado da História. Não fica bem à imagem de um herói libertador de negros ter escravas brancas. Por outro lado, não vejo porque não unificar a grande Parada Negra às paradas gays de São Paulo. Afinal, Zumbi era chegado às práticas nefandas, como se dizia na época, tanto que mereceu o apelido de Suequinha.”

24 Responses to Zumbi, o libertador dos negros brasileiros, mais conhecido por “Suequinha”

  1. Chris diz:

    Gostaria de saber, da onde tiras os teus dados informativos?

    Desde de já agradecida;

    Chris.

  2. Meu caro, está escrito no texto… Veja lá se consegue descobrir. Se não conseguir, diga, que eu faço-lhe um desenho. Talvez assim perceba…

  3. Com todo respeito, venho como brasileiro discordar da opinião. O Presidente Lula não é analfabeto, porque a Lei brasileira permite o voto ao analfabeto, mas não permite que ele seja votado. A permissão consta do Artigo 14, parágrafo primeiro, inciso segundo. E o parágrafo quarto reza o seguinte: ”São inelegíveis os inalistáveis e os analfabetos”. Logo, se o Presidente tal fosse, não lho teriam permitido se candidatar. O Presidente tem o nível de instrução que a maioria dos brasileiros têm, o que o faz um igual do povo. Em segundo lugar toda essa indignação, todo esse ódio que o Janer Cristialdo tem do Presidente é porque a Polícia Federal tem resgatado milhares de trabalhadores que jaziam escravizados nas fazendas dos políticos do PSDB, PFL e PPS, que assim se consideram confiscados, pois a mão-de-obra gratuita deixa de lhes servir. E isto queima mais que um barril de petróleo em chamas. O Povo votou em Lula porque este diminuiu os impostos para os bens de primeira necessidade, o que gerou a redução dos seus preços. Não dá para se pensar em dia da consciência branca, pois os brancos são senhores e possuidores da maior parte da riqueza nacional, que, aliás, é produzida pelos trabalhadores negros e pardos. O dia 20 de novembro é dia da consciência negra, por ser justo que quem deu e dá o seu sangue pelo desenvolvimento do Brasil receba homenagens. Quanto a chamar Zumbi de ”suequinha” não está provado. Quem mencionou a possível sodomia de Zumbi foi Luiz Mott, historiador pouco consciencioso, que se baseou num texto de Cadornega, cronista português que escreveu sobre Angola em 1681. Cadornega era mercador de escravos, portanto, sua opinião sobre os negros devia e deve ser levada em conta com as devidas reservas. Os documentos sobre Zumbi não mencionam se ele teve vida sexual com mulheres (e nem esperamos que o mencionassem, pois os documentos foram produzidos por seus inimigos). Lembremos que uma pessoa quando está dedicada a uma causa (e a do Zumbi era a da liberdade de seu povo)sacrifica até a sua vida sexual. Exemplo actual disso foi Yasser Arafat, que só veio a ter a sua primeira relação sexual aos 54 anos com a sua esposa.

  4. Meu Caro João Paulo Ferreira de Assis,você distingue negros e pardos? Não acha que o Dia da Consciência Negra devia abranger também os pardos? E as quotas e outra medidas (que eu considero acéfalas..) são apenas para negros? E os pardos? A existência de escravos brancos nos palmares também é uma mistificação histórica? Entre um negro e um branco, com as mesmas qualificações, para ocupar um lugar, escolher o branco é racismo. E escolher o negro não é?

  5. Já agora, poderia dizer-me quais são as suas fontes para essa informação de que Arafat só teve a primeira relação sexual com sua esposa aos 54 anos?

  6. Prezado maquinazero,respondendo de uma só vez os seus questionamentos me cumpre dizer que os pardos são mestiços, mas pela discriminação que sofrem, se identificam mais com os negros, embora haja casos de pardos que rejeitem a sua origem. O negro é o africano e o crioulo (filho de africanos nascido no Brasil), de pele mais escura do que o pardo.Este tem em si a herança branca ou indígena.Por certo que o espírito da lei visa também incluir os pardos, os quais são negros também, irmãos de sofrimento. Quanto às quotas e medidas sou contra elas pois hão de ter um efeito contraproducente, pois nada que é copiado do estrangeiro sem uma adaptação (este sistema foi copiado do norteamericano) pode dar certo, até porque os americanos são anglossaxões e nós somos ibéricos. Outra razão para ser contra reside no fato de negros, pardos e brancos pobres estudarem em escolas públicas, tão desaparelhadas, enquanto os da elite branca estudam em escolas particulares muito bem aparelhadas de todos os instrumentos didáticos. Disto resulta que os professores de umas e outras têm recursos diferenciados para ensinar. Os meios de transmissão do conhecimento nas escolas públicas são sempre em menor número. Claro que o efeito disso se verifica nos vestibulares (exames de acesso ao curso superior), em que aqueles melhor preparados são sempre melhor sucedidos. Isto também tem um efeito que até pode estimular o racismo. Num sistema de quotas pode ocorrer que um negro ou pardo obtenha a vaga na universidade com menos pontos do que o branco da escola particular. É, pois, um convite para que se façam estudos demonstrando a ”superioridade” do branco sobre negros e pardos. E ainda ocorre uma outra aberração. No Brasil a elite branca estuda em universidades gratuitas, ao passo que os negros, pardos e brancos pobres estudam em universidades pagas (e muito bem pagas). Felizmente o Presidente Lula instituiu o programa ”PROUNE” que democratiza o acesso ao estudante pobre de todas as raças. Quanto à existência de escravos brancos, ouvi mencionar na historiografia tradicional ”mulheres brancas”,o que talvez tenha sido um pretexto para arregimentar pessoas para a luta. Meramente um recurso de guerra, portanto. Escolher entre duas pessoas com as mesmas qualificações utilizando como parâmetro a cor da pele, como se fazia no Brasil, em que o quesito ”boa aparência” significava não ser negro ou pardo, é racismo. Como também é escolher por ser negro, pois a ciência já sepultou o conceito de raças. Hoje todas são iguais. O negro é negro porque a região do mundo em que ele vive tem condições naturais que o fizeram ter mais melanina na pele do que os outros. O que a lei procurou foi democratizar as oportunidades de trabalho e estudo.
    Quanto ao Arafat, na época em que ele se casou, a imprensa internacional comentou o assunto, tendo sido veiculado inclusive aqui no Brasil. Não sei se seria verídico, pois bem pode ter sido uma jogada política para que Arafat aparecesse bem junto à opinião pública como o mártir que sacrificou sua vida pessoal por amor da causa palestina. Nunca é demais lembrar que ele seria mal visto por se casar com uma ocidental.

  7. Meu caro, você é um ignorante. Arafat casou com uma paletiniana… E hoje, o branco e o negro não são iguais, no Brasil. Há o sistema de quotas…

  8. Aceito tua crítica. Arafat casou-se com uma palestiniana. Devo saber mais sobre o meu país e o conteúdo que eu ministro na escola, que é o que me dá o sustento. Agora quanto aos negros e brancos não serem iguais, é tua opinião, não é a da Constituição da República Federativa do Brasil que assegura a igualdade jurídica entre os cidadãos, bem ao contrário dos tempos em que havia a distinção entre cristãos novos e cristãos velhos (se eram todos cristãos, para que distingui-los?). De minha parte o debate está encerrado.

  9. Olá! Sou brasileiro, permita-me prestar alguns esclarecimentos quanto aos tópicos abordados.

    A história do Quilombo dos Palmares tem sido “reciclada” por ativistas políticos no sentido de se criar dicotomias Livre X Escravo e Preto X Branco opondo o quilombo à colônia. A realidade foi diferente. Os habitantes do quilombo eram uma gama de refugiados e foras-da-lei que incluía escravos fugitivos, mas a idéia de abolir a escravidão jamais passou pela cabeça dos palmarinos: boa parte dos quilombolas possuiam escravos. Somente eram livres os que chegavam a Palmares por fuga; aqueles que eram capturados nas incursões que os quilombolas faziam às fazendas continuavam escravos, agora dos quilombolas, até que comprassem sua liberdade capturando outro escravo em um futura incursão. Havia inclusive comércio de escravos entre Palmares e as vilas vizinhas. Não admira que fosse assim: no século XVII a escravidão era considerada coisa perfeitamente natural, e apenas no século seguinte os filósofos iluministas começariam a contestá-la. Os palmarinos, como se vê, nada tinham de revolucionário: sua sociedade incorporava as instituições e as hierarquias próprias das sociedades tribais da época, aí incluída a escravidão, e eles só eram rebeldes no sentido de não obedecerem às autoridades coloniais. De resto, Palmares também era multirracial: havia negros, índios, caboclos e mesmo brancos. Do mesmo modo, a tropa que invadiu e destruiu Palmares não era constituída só de brancos, mas também de índios, caboclos e mesmo negros.

    Quanto a esta história de que Lula libertou escravos mantidos por fazendeiros dos partidos rivais, isto é uma paspalhatice completa. João Paulo Ferreira esqueceu-se de mencionar que, no linguajar das esquerdas brasileiras, “trabalho escravo” é qualquer infração às leis trabalhistas, ainda que o trabalhador esteja lá por sua livre vontade. Ocorre que as leis trabalhistas brasileiras são complicadas e ultrapassadas (na verdade a CLT brasileira é uma cópia da Carta Del Lavoro de Mussolini, dos anos 30) e sua aplicação é muito onerosa (os custos indiretos chegam a 100%, isto é, para cada real pago ao empregado, o patrão tem que entregar outro real ao governo) de modo que não admira que muitos empregados queiram trabalhar à margem das leis trabalhistas, pois assim recebem ordenados muito maiores e não alimentam a roubalheira do governo. Eu próprio sou um exemplo: de acordo com estes critérios, sou um “escravo”, mas por favor, não venham aqui me libertar!! Esta patascoada quase que produziu resultados tragicômicos uns meses atrás, quando uma fonte da UE anunciou a intenção de se vetar a importação de carne bovina brasileira que se acreditava produzida por escravos… queria ver como ia ficar a cara de Lula, o nariz com certeza cresceria um bocado.

  10. Neu caro, obrigado pelos seus esclarecimentos e os meus parabéns pelo seu texto! Brilhante, preciso e coloca o dedo na ferida!

  11. WSA diz:

    Existem herói brasileiros que foram simplesmente malandros, dizer que Zumbi não foi herói que lutou pela libertação dos escravos não é uma verdade absoluta, visto que o Quilombo dos Palmares era realmente multiracial, e isto é que indica a nobreza do quilombo, onde não havia discriminação, dizer que a tropa também era multiracial, também é uma verdade, mas estavam sob o comando das leis nefasta da escravidão, que foi eminentemente branca no Brasil, apesar de que todos os seres humanos, independentemente de raça e cor são todos descendentes de escravos, a escravidão já foi prática no mundo para qualquer raça.

    O texto é realmente racista e quanto ao que o maquinazero disse com relação aos pardos, parte de uma ignorância completa das leis e das formas com que serão utilizadas as cotas raciais, as cotas na verdade não são nenhuma novidade, já existiram em todas as universidades públicas para filhos de pessoas provindas do campo para o cursos ligados à área de agro-pecuária.

    Aqui em Brasília na UNB, para se colocar nas cotas, a pessoa simplesmente se declara negra, inclusive na primeira prova (em que a primeira colocada nas cotas foi a terceira no geral), várias pessoas com pele branca, se inscreveram nas cotas porque diziam que pais ou parentes eram negros (foi a única vez que eu vi que aqui no Brasil ser negro era uma vantagem). Sou completamente a favor das cotas por um tempo limitado, pois se não se vê professores, médicos, políticos, juristas, etc. negros, é porque existe algo de podre na sociedade que possibilite a igualdade. Se isto vai dar em guerra civil, então que isto ocorra, se vai dar em conflito, se no final o resultado for parecido com o dos Estados Unidos, o Brasil começará a ser um paraíso de igualdade.

    Só para esclarecer com relação aos pardos, em uma entrevista com o organizador do vestibular da UNB, a repórter perguntou se Camila Pitanga poderia se inscrever na cota para negros, a resposta foi sim, pois ela se declara negra, no entanto, quem conhece sabe que ela poderia até ser considerada branca, aliás, geneticamente raças não existem, muito embora existam na sociedade e isto precisa ser combatido.

    Voltando a falar de Zumbi, ele seria muito melhor que muitos que são considerados heróis brasileiros, mesmo que não tivesse feito nada.

    Não lembro de nenhum negro sequer comemorar o dia a Abolição da Escravatura, pergunte a qualquer negro ou não negro e vai ter dificuldade que alguém sequer saiba que existe esta data, o fato que nenhuma princesa libertou os escravos, a libertação se deu por pressão da Inglaterra, a história mostra isto, princesa Isabel foi só o que conhecemos como laranja, seria uma imbecilidade comemorar isto, além do mais, se alguém lhe devolve uma coisa que já era sua, qual a lógica de agradecer a quem roubou e se aproveitou do que era seu? Agradecer a princesa Isabel pela libertação dos escravos, só sendo muito tolo.

    Da mesma forma que o autor do texto, o maquinazero é racista, então, não é difícil entender a posição dele.

    O fato é que as cotas, onde já foram implantadas, representa um sucesso absoluto, em que os alunos que passaram pelas cotas, até superam em desempenho os que passaram pelo vestibular comum, na verdade as cotas estão criando uma cultura de maior esforço ao invés de criar profissionais de segunda classe como os mais racistas diziam que seria.

  12. Ó meu caro WSA, como é que são feitas as provas de negritude, em relaação às pessoas que se candidatam às quotas? Os examinadores têm uma catálogo de cores, como os vendedores de latas de tinta para pintar paredes? Ou colocam uma folha de papel branco ao lado da cara do candidato? E os meus parabéns, por desejar uma guerra racial para o Brasil. Eu, que não sou brasileiro, desejo que isso nunca aconteça. Mas você lá sabe do que é que o seu país precisa.
    Cumprimentos
    Máquina Zero

  13. WSA diz:

    Máquina zero.

    Eu acredito que talvez você não queira enxergar o óbvio. O que a UNB fez é um sucesso completo, funcionou perfeitamente, aumentou o percentual de negros na UNB que antes era de somente 2%. Existe sim, racismo escancarado no Brasil, só que ao invés de brigas os negros são ferrados e depois se passa a mão na cabeça dos coitados, os bobinhos tadinhos, se contentam em serem discriminados, aceitam os piores empregos, os piores salários e você ainda acha que a cor da pele não faz diferença no Brasil? Há um tempo atrás, eu peguei a TV a cabo e fui passando os canais um a um em emissoras do mundo inteiro, exceto as orientais, e fiquei contando quantos negros apareciam na televisão, por incrível que possa parecer, até na TV alemã tinha mais que na TV brasileira que obviamente ficou em último lugar, se você pegar as estatísticas econômicas e educacionais, vai perceber que o Brasil é sim, o maior país racista do mundo, não há nem como negar isto, os Estados Unidos até a década de 60 era o país mais racista no mundo, juntamente com os EUA foi a África do Sul, infelizmente este troféu hoje é nosso, e a questão é que não interessa o quanto o negro estude, não interessa o quanto se esforce, ela será sempre a segunda opção, se não for pagodeiro , jogador de futebol ou militar, já está fora do esquema. Não existem raças geneticamente, mas existem socialmente.

    Não desejo uma guerra racial declarada, mas analisando friamente como a população negra está sempre no fundo do poço, uma guerra racial declarada talvez melhorasse um pouco as coisas, se bem que isto fugiria completamente da história do negro que em todas as partes do mundo nunca conquistou seu espaço na sociedade branca através de guerras, que o digam Martin Luther King e Nelson Mandela , sendo que um foi assassinado e o outro preso por desejar a igualdade. Esta tal guerra racial não declarada já existe, existe nas favelas, existe nas prisões, existe nas empresas, existe nas escolas, existe em todo lugar. É muito comum, na rua discriminar a pessoa mostrando que é diferente, chamando de negão ou negona, ou neguinho, enquanto nenhum negro chega na rua e se baseia na cor da pele para discriminar uma pessoa, aliás para quem gosta da palavra mulata, saiba que é preconceituosa porque quer dizer “da cor da mula” . Existem sim brancos muito bons que realmente não tem preconceito como por exemplo o fabuloso gênio Fernando Meireles que foi indicado duas vezes para Oscar, em ambos os filmes tratando de temas onde os negros não eram somente coadjuvantes, mostrando uma liberdade dura, sim, gente boa é o fotógrafo também branco (que infelizmente não lembro o nome) que fez milhares de fotos de gente negra e colocou em todos os cantos da Bahia, heróis são estas pessoas que realmente sem preconceito dão oportunidade para os oprimidos, mas isto é raridade, é coisa de minoria. Você está se enganando se acha que no Brasil é tudo um mar de rosas, na verdade, nenhum racista no mundo se sente como racista.

    Não digo que as cotas deveriam ser eternas, mas deveriam começar hoje para terminar daqui há uns 20 anos, tempo suficiente para mudar a mentalidade do negro brasileiro, tempo bastante para que os negros tenham alguma representação, que sejam engenheiros, médicos, advogados, professores. O critério da UNB, é excelente, primeiro porque antes de tudo a pessoa tem que se dizer negro, e como eu já disse, raramente as pessoas querem ser negras. As cotas nos Estados Unidos, se comparado em relação ao Brasil, praticamente equipararam a situação do negro americano com a do branco americano em termos de educação, a diferença é desprezível, porque não funcionaria aqui?

    Máquina Zero, os Portugueses fizeram aqui um péssimo trabalho, se você não é do Brasil e nem mora aqui, não vai entender o que eu estou dizendo, mas leias as estatísticas para começar a entender que do tempo da escravidão para cá, pouquíssima coisa mudou, os negros foram “libertados”, sem casa, sem comida, sem terra, ou seja, sem nada, nenhuma quantia paga pelos anos de escravidão, os brancos eram os senhores e donos das terras, hoje os negros em sua grande maioria vivem nos guetos, com pouca educação, discriminados pela situação social e também pela cor da pele. Brasil é um país racista até a raiz, mas para um doente se curar, a primeira providência é reconhecer que está doente.

  14. LUSITANO diz:

    Ó maquinazero, em primeiro lugar pretos e pardos não são a mesma coisa, visto que entre os pardos incluem-se mulatos e descendentes de indígenas, que por óbvio não são negros, e que apesar de sofrerem certo preconceito, este é muito mais brando do que com os negros. Em relação às cotas raciais em universidades brasileiras é medida necessária, posto que na maioria absoluta dos cursos universitários de todo o Brasil é raro encontrar-se negros, não por falta de capacidade por parte deles, mas pelo estigma que carregam há séculos. São descendentes de escravos que, quando libertos, ficaram em uma situação lamentável, pois não tinham qualificação nenhuma para fazer outro trabalho que não o da lavoura, e pela politica de imigração imposta no fim do século XIX, perderam seu espaço e foram literalmente abandonados, pelo governo e pela sociedade. É uma visão irrefletida e simplista acreditar que os negros pertencem às camadas sociais mais baixas por questão de raça, quando o problema é exclusão social. Podem argumentar que muitos brancos nasceram em lares miseráveis e subiram na vida, mas não tinham gravados na cor da pele o estigma que os negros sempre carregaram. Diz-se aqui no Brasil que para um negro vencer em qualquer atividade não basta ele ser bom, tem de ser o melhor, e provar dia-a-dia isto. A situação brasileira é diferente da dos EUA, onde os negros, apesar de segregados, tiveram muito mais oportunidades que no Brasil. No Brasil, embora não haja um racismo do tipo americano, envolto em ódio, há um forte preconceito e pior que isso, indiferença. Do tipo: Não sou racista de modo algum e nada tenho contra os pretos, desde que fiquem eles lá e eu cá!

  15. A. Machado diz:

    Com licença, sou brasileiro concordo plenamente com o moderador.
    O maldito presidente molúsco pode não ser analfabeto mas deixem-me citá-lo: “como é duro ler a página de um livro, é “pior do que” fazer um hora de esteira…” fazer o quê não é… e o compatriota alí me defende o sufrágio universal…

  16. nair diz:

    Oi, Será que esse vai dar certo!

  17. Thiago diz:

    O que o Sr. João Paulo de Assis Ferreira mostra aqui é a tática dos marxistas culturais, parasitas (também conhecidos como sindicalistas, funcionários públicos e políticos) e imbecis. Simplesmente vomitam uma quantidade absurda de mentiras e falácias, misturam assuntos que nada tem a ver, e mentem ainda mais um pouco, impossibilitando assim que qualquer ser sensato tenha saco pra responder a tamanha quantidade de asneiras. Aliás, um idiota que vem aqui ‘provar’ que o Lulla não é realmente analfabeto de ter que assinar fazendo Xis é uma besta completa.

    Só pra não deixar todos os absurdos s/ resposta:

    *Quanto a redução de impostos no governo do analfabeto, qualquer site de notícias brasileiro (mesmo os comprados com as cotas de publicidade pública, afinal nem elas fazem milagres) mostra que a carga tributária cresceu violentamente no atual desgoverno.

    *Não existe “causa palestina” simplesmente porquê não existem palestinos.
    Arafat era agente-terrorista treinado pela KGB (o que já põe por terra qualquer chance de nacionalismo), e sua morte é atribuída a AIDS, provavelmente contraída das várias orgias em que participava.
    Sua devoção a “causa palestina” e o seu governo violento e monstruosamente corrupto fez dele um dos heróis da esquerda estúpida e caricata mais ricos do mundo (junto com Fidel e muitos outros, é claro) de acordo com a forbes.

    Sobre as verdadeiras faces de Arafat, desgoverno Lulla e “palestinos”:

    http://www.discoverthenetworks.org/viewIndividuals.asp (procure por arafat)

    http://thestupidleft.blogspot.com/ (recomendo os artigos sobre as origens do ‘nacionalismo palestino’, refugiados e história da região)

    E o próprio Mídia sem Máscara (artigo chamado ‘Arafat, o homem da KGB’, e muitos outros.

  18. brasileiro diz:

    Li o post acima e achei que o ser ”sensato”(ah! ah! ah! ah! ah!) merece uma resposta ainda que outro tenha sido contestado em termos típicos de boca do lixo. Pelo visto deve um espécime da aliança imbecil PSDBosta, DEMoníaca e PPSonhenta. Porque a maioria deles têm condições de adquirir um computador, pagando a vista, ao passo que o trabalhador só o pode fazer em muitas parcelas, e por isso mesmo não o fazem. Logo, a NET está cheia desses indivíduos que se comprazem com a desgraça alheia e não admitem que um operário, de origem pobre e ainda por cima, negro (supremos crimes) possa chegar à Presidência da República. Só que chegou, com o meu voto e de milhões de brasileiros, ao contrário do que a imprensa podre supõe, não de beneficiários do bolsa família mas de muitos intelectuais que não quiseram que uma gente nociva ao país retornasse ao poder. Os oito anos de FHC custaram a passar. Ele e sua quadrilha dilapidaram o patrimônio nacional entregando-o a empresas estrangeiras, que manobraram na BOVESPA para pagarem apenas o lance MÍNIMO pela Eletropaulo. E ainda com o dinheiro do trabalhador, ESCÁRNIO supremo. Mas a imprensa podre encobriu tudo. Não cumpriu o dever de informar. Pelo contrário, as asneiras que FHC dizia (inadmissíveis por se tratar de um dos homens mais cultos do Brasil) só apareciam nas colunas sociais que só as elites lêem. Quanto a Arafat, se ele se entregava a orgias eu não sei, mas não se deveria acusar sem provas. Os sites mencionados podem provar estas afirmações ou é alguma história do MOSSAD?

  19. brasileiro diz:

    A propósito, onde foram parar os milhões da privatização? Não eram para diminuir a dívida pública. E por que ela não caiu? Ora, que perguntas, é claro que o dinheiro foi depositado em paraísos fiscais.

  20. brasileiro diz:

    A propósito, onde foram parar os milhões da privatização? Não eram para diminuir a dívida pública? E por que ela não caiu? Ora, que perguntas, é claro que o dinheiro foi depositado em paraísos fiscais.

  21. Camões diz:

    Sinceramente, o Brasil foi a melhor coisa que fizemos – quase que criámos uma potência mundial e cultural – mas mostra o que de mais provinciano e rasca existe nos Portugueses.
    Primeiro grande problema do Brasil: A Pretalhada.
    Porquê que nós levámos tanta pretalhada para o Brasil, o Brasil poderia ser um país muito melhor se fosse limpo, como uma Argentina ou Uruguai, mas não e qualquer dia os negros são maioria no Brasil.

    A verdade é que a maioria dos Brasileiros é pobre e ignorante e não têm hipótese de sair do buraco, não digo que os brancos são superiores mas a cultura e a civilização não vem do nada… No entanto aprecio e considero sublime a cultura Brasileira com cenas tipo Samba e Funk e a culinário etc.

    Os negros Brasileiros talvez fosssem mais felizes em África ou pelo menos ascenderiam mais depressa.
    Acaba-se com o racismo no Brasil e provávelmente com a pobreza extrema tirando os pretos de lá, mas não á força é claro. Convencam-nos que estarão melhor nas origens, os pretos não são assim tão burros por muito burros que os queiram fazer.

    O que são os pardos o Ronaldinho é Pardo? ´Não, é Preto
    A Camila Pitanga é parda? Talvez, provávelmente
    A Adriana Lima é Parda? Não, é Branca
    A Juliana Paes? Eu penso que seja branca.
    Portanto convençam os negros a sairem do Brasil porque lá eles são escravos. O Brasil não é dos negros, é dos Europeus e quando deixarem de ser será o fim.

  22. Eu mesmo diz:

    Para MÁQUINA ZERO: O universo cuida de pessoas como você… ninguém precisa fazer nada em relação às suas idiotices.

  23. Khan diz:

    RESPOSTA PARA CAMÕES:

    O Brasil não é dos europeus… é dos brasileiros (que são mestiços e não brancos). Se o Brasil ainda fosse colônia de Portugal já teríamos falido, ou seríamos um zero a esquerda (um nada) na América do Sul… exatamente como Portugal é um zero a esquerda na Europa.

    Outra informação: Não existe a raça parda.
    Camila Pitanga é uma negra mestiça!
    Ronaldinho é um negro mestiço!
    E o mesmo se aplica à Adriana Lima e Juliana Paes.
    Quem tem genes de origem africana é negro, independente da aparência.

    Você se perguntou… “Porquê nós levamos tanta pretalhada para o Brasil???” A resposta é simples:
    Quando o Brasil ainda era colônia de Portugal, as bichas “filas” portuguesas (como você) traziam negros para o Brasil para entrar nas senzalas à noite e sentir enormes pênis negros sendo enterrados na bunda.

    Penso que a predileção de algumas lusitanas por pênis negros deva ter começado na época em que Portugal foi invadido e conquistado pelos Mouros, pois muitos deles eram negros.

    Os Mouros negros, além de invadirem Portugal, invadiram também as genitálias fedidas das suas ancestrais, deixando sua marca na genética do povo português.

    Aliás, os ibéricos são os europeus que tem maior quantidade de sangue não-europeu, devido principalmente às invasões muçulmanas.

  24. Piteco diz:

    RESPOSTA PARA CAMÕES:

    Estou postando NOVAMENTE a minha Resposta para Camões… Se o Máquina Zero não publicá-la novamente é porque ele tem um caso de amor homossexual com o Camões.

    O Brasil não é dos europeus… É dos brasileiros (que são mestiços e não brancos). Se o Brasil ainda fosse colônia de Portugal já teríamos falido, ou seríamos um “zero a esquerda” (um nada) na América do Sul… exatamente como Portugal é um “zero a esquerda” na Europa.

    Outra informação: Não existe a raça parda… Quem tem genes originários da África subsaariana é negro, independente da aparência… Independente de ser negro puro ou negro miscigenado.

    Por falar em miscigenação… Sei que os ibéricos são os europeus que têm maior quantidade de sangue não europeu, devido principalmente às invasões muçulmanas. Isso é fato… Portugal foi invadido e conquistado pelos Mouros… Aliás, muitos deles eram negros (pretalhada).

    Os Mouros negros, além de invadir Portugal, invadiram também as genitálias fedidas das suas ancestrais, deixando sua marca na genética dos lusitanos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: