Casta superior recusa ser controlada

Bastonário apoia médicos contra controle de entradas

pedro_nunes.gif

Os vinte e três directores de serviço e departamento do Hospital de Pedro Hispano que tanto receiam o sistema de controlo de assiduidade através de impressões digitais fazem-me lembrar aquela muçulmana que entrou no autocarro, em Inglaterra, com um saco de batatas enfiado pela cabeça abaixo e mostrou o passe social ao motorista, recusando-se a destapar a cara para ser identificada. Dizem os senhores chefes, todos médicos, ao que julgo saber (e seres superiores, com mais direitos que todos os outros trabalhadores) que esta forma de controle será “desadequada”. Pois é. Esta forma de controle não permite que nenhum médico assine o ponto em lugar do colega que se baldou, que se atrasou, que ainda está no cafezinho e que está a acabar a consulta na clínica privada onde amealha uns bons cobres. Porque o problema não está em picar o ponto à saída, mas sim à entrada! É tanta a falta de vergonha desta cambada de estetoscópio ao peito e rei na barriga, que o próprio bastonário da Ordem dos Médicos, dr. Pedro Nunes, afirma, ao jornal Expresso de hoje, que “o controle de assiduidade só vai revelar que os médicos trabalham mais do que lhes pagam”. E então? Têm vergonha que isto se saiba? Mas o senhor bastonário acha que todos nós, portugueses, somos estúpidos? Ó senhor doutor, invente outra! Quem não deve, não teme.

E já agora, como explica (de acordo com declarações do Ministro da Saúde ao mesmo Expresso) que a Inspecção-Geral de Saúde NUNCA tenha recebido uma participação por falta injustificada de um médico? Nunca, na história recente deste País, um médico deu uma falta injustificada! Ó raça perfeita, que vós sois! Ó super-homens “nietzschianos”! Ó espécie de arianos da classe trabalhadora! Ó infatigáveis cuidadores da nossa saúde! Ó excepcionais profissionais, santificados sejais! Que se erga, ao lado do Santuário de Fátima, um templo ao vosso sacrifício! Hossana, hossana e aleluia! Milagre, sem dúvida! E paro por aqui, que as lágrimas de comoção me turvam a vista!

One Response to Casta superior recusa ser controlada

  1. A casta superior” cuja ordem profissional afirma que a licenciatura em Medicina não tem gente no desemprego mas depois há mais de mil licenciados sem colocação (fruto da “excelente” política de recursos humanos do Ministério da Saúde), fora aqueles cujas especialidades já estão mais que cheias e/ou na mão de galifões.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: