Brevemente – “Código de Conduta” para os comentadores no blogue Máquina Zero

Meus caros amigos, adversários e inimigos:

Dentro de alguns dias tenciono publicar aqui um “Código de Conduta” para os utilizadores das caixas de comentários deste blogue. Partindo da matriz cristã da civilização ocidental (*) assentando em traves-mestras que emanam essencialmente da Parte I da Constituição da República Portuguesa (“Direitos e Deveres Fundamentais”), com forte contributo do Código Penal Português (Especialmente do Capítulo VI, “Dos crimes contra a honra”) e tendo como pano de fundo a Declaração Universal dos Direitos do Homem, a que juntarei uma dose substancial de bom-senso, espero conseguir produzir um conjunto de normas aceitáveis pela maioria dos habitueés deste modesto blogue.

Quanto à forma como essas normas serão aplicadas, depois de muita reflexão cheguei ao que me parece uma fórmula eficaz e que colocarei à vossa consideração.

Máquina Zero.

(*) A sharia não foi tida em consideração, uma vez que as suas normas fundamentais são contrárias aos princípios que enformam todos os documentos citados.

88 Responses to Brevemente – “Código de Conduta” para os comentadores no blogue Máquina Zero

  1. Anonimo diz:

    MZ,

    Mais vale tarde do que nunca. Porém MZ não escapa das responsabilidades que já teve , e ainda tem, de permitir ofensas e até crimes contra honra. Quanto a este blogue promover racismo, xenofobia e ódio religioso, o MP certamente terá ampla matéria para actuar contra si.

  2. Meu Soli, perdão! meu caro anónimo, vai uma aposta? Olhe que, como já referi aqui neste blogue, tenho alguma experiência de tribunais – e obviamente, conhecimentos de Diereito. Não só não sou racista nem xenófobo, como sei perfeitamente que aquilo que escrevo, em termos formais, respeita a lei. Não estará você a confudir o a Constituiçºao da República Portuguesa com a sharai? É que o Ministério Público está obrigado aos preceitos constitucionais e não às determinações da sharia…

  3. Interessado diz:

    Concordo consigo MZ que o MP está obrigado a respeitar a Constituição, e acrescento, talvez tenha esquecido, o Código Penal Português. Porém, estou convencido que vocè e os seus apoiantes já escreveram o suficiente para que haja matéria para acusação.

    Duvido que você venha a ser acusado de xenofobia ou racismo, ou de promover ódio religioso, porque existe em Portugal uma complacência para com este tipo de meio escrito.

    O mais provável é que algum cidadão que você ofendeu, ou permitiu que fosse ofendido , venha a pôr cobro à sua impunidade, obrigando o MP a actuar.

  4. Interessado diz:

    Chamo já agora a sua atenção a quem de direito ao CPP e os seguintes artigos:

    http://www.unifr.ch/derechopenal/legislacion/pt/CPPortugal.pdf

    As fotografias que identificam este blogue, os artigos que já escreveu, incitam ao ódio racial e religioso, e podem mesmo levar a tumultos, e até pôr em causa a integridade física de cidadãos inocentes. O CPP enquadra perfeitamente os crimes que tem aqui sido cometidos.

  5. Teixeira diz:

    Caro MZ, aplaudo que esteja em vias de “moderar” os comentários aqui feitos (sobretudo) por alguns dos seus apoiantes. No último post reservei-me ao “direito” de responder à verborreia que o seu mais acérrimo fã usa para explanar ideais que são seguramente matéria para uma acusação judicial.

    Espero que não demore essa sua tomada de posição relativamente a estes factos.

    O blogue é seu, mas se quer de facto passar ao largo desse racismo pouco encapotado terá forçosamente de tomar medidas para calar essa gente.

  6. Vera diz:

    Qual acusado pelo MP, qual quê…. Isto não é a democracia Estalinista!

  7. Juiz diz:

    Mesmo com a lei da xarria, se fossem outros a aplicar essa coisa no tempo de mafoma, o mafoma teria sido logo o primeiro e o mais condenado.

  8. 786 diz:

    Juiz, esse nome não é certamente o que melhor o pode definir mas enfim.. 1º Não é essa coisa mas sim sharia ou seja lei islâmica. 2º Não é mafoma mas sim Muhammad, os nomes não são alterados de país para país ou seja se 1 indivíduo se chama Pedro ninguém em qualquer país tem que lhe chamar Peter ou algo parecido, o nome é uma indentidade e como tal não deve ser alterado. 3º No Islão, ao contrário do que se verifica no ocidente , não há uma separação entre a religião e o direito. Todas as leis são religiosas e baseadas ou nas escrituras sagradas o Alcorão e a tradição do profeta Muhammad saaw, ou nas opiniões de líderes religiosos. Sendo o Islão um código de vida é natural que não haja separação entre estado e religião.

  9. Lidador diz:

    Caro 786, não seja tão catedrático na transliteração linguística.
    Tem a certeza que “Muhammad” están correctamente transliterado a partir do árabe?

    Qual é o sistema em vigor.
    Por exemplo do chinês é o sistema Pinyin e ainda assim há quem escreva Pequim em vez de Beijing.
    Ora prove lá que o nome do profeta pedófilo é aquilo que você diz e não maafoma, maomé, mahmud, mamífero, mamalhudo, mamão, ou outra coisa qualquer.

  10. 786 diz:

    Simples e fácil de explicar e entender: as letras têm as suas correpondências quando o alfabeto é diferente do alfabeto em questão por exemplo:

    Muhammad em árabe escreve-se da seguinte maneira مُحَمَّد e tem a seguinte correspondência م -m ; ح -ha ; م -m ; د -d .

    Como por cima do مُ ( m) tem um acento que dá o som mu ; no حَ ( ha ) esse acento dá o som de ha ;

    Por cima do م (m) tem um acento que parece um M invertido َ ّ esse acento duplica a letra a qual ele está a acentuar neste caso o م (m) ou seja ficam 2 mm e com o som ma ;

    Por fim a letra د (d) tem um acento que lhe dá o som d ;

    agora se juntar tudo passo a passo pode verificar que fica Mu-ha-mma-d ou seja Muhammad. Em relação aos insultos não vale a pena comentar e já agora porque é que aparece como Lidador em vez de maquinazero?? ai ai o senhor anda a fazer jogo duplo ou quê?

  11. 786 diz:

    Então esclarecido quanto à tradução linguística?

  12. Meu caro Interessado, conheço o Código Penal e o Código do Processo Penal muito bem. Fazem parte integrante, aliás, da minha vida profissional. Quanto à sua argumentação, desculpe lá mas é própria de quem não conhece minimante as leis deste País. Para além de ser típica de um extremista muçulmano, com a sua visão primária, distorida e fanática do mundo. Bem-vindo a este blogue. Já me apercebi de que tenho oposição organizada e dirigida a partir de sítios interessantes… A propósito, não esquecer que passam agora 860 anos da conquista de Lisboa aos mouros.

  13. 786 diz:

    Ao que se refere quando invoca sítios interessantes?

  14. Lidador diz:

    Caro 786, contrariamente ao que pensa, a sua opinião não é prova de verdade, poer

  15. Lidador diz:

    Dizia eu que não é prova de verdade, porque não consta que o mundo gire em volta do seu umbigo.

    De facto, lamento ter de lhe dizer que não é assim que se translitera. São necessários sistemas e não apenas opiniões tão farronqueiras quanto ignorantes.
    Falei-lhe do Pinyin para o chinês.

    Repito-lhe: qual o sistema de transliteração do arabe para alfabetos latinos?
    Como prova que mohammed é melhor que mafoma, maomé, mahmmud, mamalhudo, mamoso, matumbo, etc?

    Sabe, para si o mundo pode começar e acabar na sharia, mas para as pessoas normais, é um pouco mais complexo do que as narrativas simplórias de um cameleiro de há mil e tal anos.

  16. 786 diz:

    É óbvio que Muhammad é melhor que os outros nomes por si citados pois todos eles têm significados diferentes e nenhum deles corresponde ao árabe de Muhammad. Em relação ao sistema de transliteração se está tão interessado procure saber + detalhadamente do que eu lhe expliquei pois eu sei fazer essa transliteração, já que fala em explicações qual o porquê de chamarem Maome? Eu sei mas claro voce só sabe o que lhe interessa.

    Já agora deixo-lhe aqui um pequeno regalo, um quadro com as letras árabes

    ا alif
    ب ba
    ت ta
    ث Tha
    ج jîm
    ح ha
    خ khaa
    د dâl
    ذ dzal
    ر ra
    ز za
    س sin
    ش shîn
    ص suod
    ض duod
    ط toin
    ظ dzoin
    ع ayn
    غ ghaîn
    ف fa
    ق qâf
    ك kaf
    ل lâm
    م mîm
    ن nun
    ه hâ
    و wau
    ى yâ
    ء hamza

  17. Miguel diz:

    Epah mas isso interessa*? Em Portugues diz-se maome e pronto.

    E sim de facto, no Islao, religiao e direito sao a mesma coisa. Logo ai a coisa começa mal, lol.

    *Por acaso ate tem algum interese porque eu sou uma pessoa que gosta de adqurir conhecimento (ainda bem que nao sou muçulmano), mas para a discussao é meio irrelevante.

  18. Valeria diz:

    Espero q reveja tb a forma como aqui fui tratada- assassina,aberracao,etc…

  19. Lidador diz:

    Caro 786, continuo à espera que demonstre que a transliteração correcta é a que você acha que é.
    Até agora limitou-se a dar a sua opinião, pretendendo que ela é que é a “verdade”

    Mas, como o mundo já lhe devia ter ensinado, há mais de 6 biliões de possíveis opiniões, pelo que não basta que cada marmelo diga que a sua é que é a verdadeira, a da bayer.
    Fiz-lhe uma pergunta simples: em que sistema se baseia.
    Até agora assobiou para o ar e arrogou-se o centro do universo da transliteração.

    E foi até ao ridículo de postar aqui, completamente a despropósito, como se batesse o ás de trunfo, um quadro que qualquer criança é capaz de sacar da internet.

    Pretende demonstrar o quê?

  20. R_Soli diz:

    MZ disse: “Meu Soli, perdão! meu caro anónimo, vai uma aposta?”

    Olhe MZ não tenho medo de sí nem sou como seu amigo Lidador que escreve como Tó, António Marcelo, etc.

    Agora só para acrescentar, embora não conheco bem as Leis portuguesas, mas pelo menos pelo que tenho lido, o Código Penal Português parece ser adequado para enquadrar crimes praticados neste blogue, nomeadamente os seguintes artigos:

    Artigo 240º
    Discriminação racial ou religiosa
    1 – Quem:
    a) Fundar ou constituir organização ou desenvolver actividades de propaganda organizada que incitem à discriminação, ao ódio ou à violência raciais ou religiosas, ou que a encorajem; ou
    b) Participar na organização ou nas actividades referidas na alínea anterior ou lhes prestar assistência, incluindo o seu financiamento; é punido com pena de prisão de 1 a 8 anos.
    2. Quem, em reunião pública, por escrito destinado a divulgação ou através de qualquer meio de comunicação social: a) provocar actos de violência contra pessoa ou grupo de pessoas por causa de sua raça, cor ou origem étnica; ou b) difamar ou injuriar pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua cor ou origem étnica, com a intenção de incitar à discriminação racial ou de a encorajar, é punido com pena de prisão de 6 meses a 5 anos.

    Artigo 251º
    Ultraje por motivo de crença religiosa
    1 – Quem publicamente ofender outra pessoa ou dela escarnecer em razão da sua crença ou função religiosa, por forma adequada a perturbar a paz pública, é punido com pena de prisão até 1 ano ou com pena de multa até 120 dias.

    Artigo 252º
    Impedimento, perturbação ou ultraje a acto de culto

    Quem:
    a) Por meio de violência ou de ameaça com mal importante impedir ou perturbar o exercício legítimo do culto de religião; ou
    b) Publicamente vilipendiar acto de culto de religião ou dele escarnecer;
    é punido com pena de prisão até 1 ano ou com pena de multa até 120 dias.

    Devido aos insultos e às injúrias permitidas pelo administrador deste blogue, podem ser ainda imputados ao mesmo administrador os crimes referidos pelos artigos 180º a 183º.

    Os crimes devem agravar-se mais pelo facto de ter aqui o MZ explicado que conhece bem as Leis e que fazem parte integrante da sua vida profissional.

  21. Stran diz:

    Espero ansiosamente por ver o código de conduta. Espero que faça um bom trabalho (reservo os parabéns para depois de ler o referido código) e espero que seja um bom contributo para este blogue e que ninguém esteje acima desse código.

  22. António Marcelo diz:

    Llanero Solitário, Soli ou como quer que te chames:

    Talvez conheces a letra das leis portuguesas, mas de maneira nenhuma o espírito delas. Há mais de trinta anos que acabou a ditadura em Portugal e cada cidadão pode exprimir livremente as suas ideias. Talvez não sabes o que é uma democracia nem conheces a sua verdadeira filosofia. É por isso que não és capaz de perceber que as ideias não delinquém.

    Eu não sou nem muçulmano nem católico, sou agnóstico. Mas acho uma diferença fundamental entre ambas as religiões. O catolicismo soube evoluir, aceitou a liberdade de culto, ultrapassou a época negra da Inquisição e aceitou o laicismo, enquanto o Islão fica ancorado na Idade Média, estagnado na letra do seu «Libro Sagrado» e tem sido incapaz de atingir e compreender todos os avanços sociais do Ocidente. A sua ideologia continua a ser expansionista e negadora dos direitos mais elementares. Se fizerem uma invocação à democracia é para aproveitar todos os resquícios legais do nosso sistema para melhor acabar com ele. Isso não é novo. Os comunistas tentaram outrora esta via de penetração.

    Se não acredito na religião católica que é a única e verdadeira, ainda menos vou acreditar na tua. Se for um delito dizer que não acredito no Alcorão, eu sou um delinquente. Se for delito afirmar que Maomé foi um visionário, um homem com doenças mentais que aproveitou a ignorância dos seus conterrâneos, que a Kaaba não foi um presente do céu, mas um vulgar aerólito, sou um criminoso e mereço a prisão. Mas nem tu e todo o teu cortejo de Allatollahs, o Dalai Lama ou quaisquer chefes religiosos far-me-ão comungar com rodas de moinho nem me apavorar.

    Se escondido na tua toca pensas que vais abafar as vozes que te incomodam, perdes o tempo. E vou acabar com uma estrofe do escritor espanhol Francisco de Quevedo do que com certeza nunca ouviste falar:

    No callaré por más que con el dedo
    Ya tocando la boca, ya la frente
    Silencio avises
    O amenaces miedo.

    Até ver.

  23. Stran diz:

    “Se não acredito na religião católica que é a única e verdadeira” Está aqui uma contradição, não achas?

  24. advog diz:

    Sobre o Código Penal Português, o ganacioso depravado pedófilo e violador ( que Deus o mantenha a arder no inferno enquanto o mal que fez existir no mundo), seria logo o primeiro e mais condenado em todos estes artigos.

  25. 786 diz:

    Muito bem dito marcelo ” …se não acredito na religião católica que é a única verdadeira…”

  26. 786 diz:

    Uma pergunta para o soli: é muçulmano?

  27. 786 diz:

    Eu como pessoa muçumana não posso maltratar alguém só porque tem outras crenças mas se essa pessoa agride-me a mim e à minha religião eu posso e devo fazer algo, como tenho vindo a fazer ou seja propago a minha religião e tento esclarecer as pessoas em relação ao islão, e + uma vez digo, eu não falar do que os outros fazem porque não sei em bases se argumentam. É de lamentar que insultem o Profeta Muhammad saaw , o islão e quem faça parte dele, desde que entrei neste blog nunca insultei ninguém nem as suas religiões e nem o devo fazer porque a minha religião diz que temos que ser tolerantes e pacientes e repeitar as opções dos outros. Só peço a quem queira discutir que o faça tendo maior informação.

    http://muslim786islam.blogspot.com

  28. Meu caor Soli, você não percebe patavina de leis. Então, para provar que eu cometo crimes ao escrever o que escrevo neste blogue, você cita apenas o Código Penal????? Então as provas??? Ou seja, as frases onde cometo os crimes que são enquadrados pelos artºs 240º, 250º e 251º do Código Penal? Ou na sua cocepção de Justiça não é necessário apresentar provas para julgar e condenar uma pessoa? Vá lá, enterre-se mais e apresente aqui alguns exemplos de frases que minhas que violem os citados artigos do Código Penal…. MAs atenção!! Estamos a falar do Código Penal Português, não da Sharia!!!!!!

  29. António Marcelo diz:

    «“Se não acredito na religião católica que é a única e verdadeira” Está aqui uma contradição, não achas?»

    É uma brincadeira. Quero dizer que se eu voltasse a ser religioso voltaria a ser cristão, uma religião mais civilizada e que hoje em dia está mais adaptada à nossa sociedade. O islamismo é uma religião exótica, esquisita e estranha à nossa cultura, própria de países subdesenvolvidos e que não tem nada bom que trazer aqui.

    O cristianismo, com todos os seus grandes defeitos foi a base da nossa cultura e ainda pode ser um muro de contenção contra o relativismo moral e parvoice da esquerda e contra a ofensiva ideológica e penetração do Islão.

    Dizer isto talvez parece uma contradição mas é constatar um facto. No entanto, há muito tempo que não só crente e acho que as religiões dividem as pessoas e não podem resistir uma análise lógica. Qualquer fé é oposta à razão. Mas entre dois males prefiro o menor. O islamismo integrista pode ser o fascismo do século XXI e uma das maiores ameaças contra a liberdade e a nossa civilização.

  30. Rep_Soli diz:

    786 sou muçulmano é claro.

    Soli

  31. Rep_Soli diz:

    António Marcelo, investigue até quando houve a ligação entre a Igreja católica e o fascismo, antes de atirar cá para fora o que alguns sionistas tentam fazer passar sobre o islamo-fascismo.

    Mussolini, Salazar e Franco foram apoiados pela Igreja católica. De facto, existe uma grande quantidade de literatura sobre a influência do Catolicismo no fascismo e nas ligações entre o clero e os partidos políticos na Europa antes e durante a Segunda Guerra Mundial.

    Alguns excertos da Wikipédia http://pt.wikipedia.org/wiki/Fascismo:

    “A encíclica do Papa Leão XIII de 1891, Rerum Novarum anticipou muito da doutrina que se tornou conhecida como fascismo. Quarenta anos depois, as tendências corporativas de Rerum Novarum foram ressaltadas pela encíclica do Papa Pio XI em 25 de Maio de 1931 Quadragesimo Anno que reafirmou a hostilidade de Rerum Novarum face à competição desordenada e à luta de classes…

    No início dos anos 20 do século 20, o partido católico em Italia (Partito Popolare) estava prestes a formar uma coligação com o partido reformador que poderia ter estabilizado a política italiana e frustrado o golpe projectado por Mussolini. A 2 de Outubro de 1922, o Papa Pio XI fez cicular uma carta ordenando ao clero que não se identificasse com o Partito Popolare, mas que ficasse neutral, uma acção que iria enfreaquecer o partido e sua aliança contra Mussolini. No seguimento da ascenção de Mussolini ao poder, o secretário de estado do Vaticano encontrou-se com Il Duce no início de 1923 e concordou em dissolver o Partito Popolare, que Mussolini viu como um obstáculo ao domínio fascista. Em troca, os fascistas fizeram garantias quanto à educação e instituições católicas…

    Para além das semelhanças doutrinais, há a assinalar que as relações entre a Igreja católica e os movimentos fascistas foram muito próximas. por exemplo, na Eslováquia, o ditador fascista foi um monsignor católico. Na Croácia, os Ustaše fascistas identificaram-se a si mesmos como um movimento católico. Estes regimes têm sido vistos como exemplos de fascismo clerical.

    O regime de Vichy em França foi também profundamente influenbciado pela ideologia católica reacionária da Action Française. Por contrapartida, muitos padres católicos foram perseguidos sob o regime Nazi, e muitos leigos e clérigos católicos desempenharam papéis de relevo no abrigo de judeus durante o Holocausto.”

    O actual papa foi um nazi. Veja o futuro papa a dar saudação fascista:

    Na América latina, a Igreja católica foi o sustentáculo das ditaduras fascistas.

  32. Rep_Soli diz:

    Ria-se MZ acerca das provas. Qualquer Procurador tem aqui elementos suficientes para formular uma nota de acusação. O último a rir-se, ri melhor.

  33. Stran diz:

    Também não acredito nenhum Deus e não tenho uma visão naif de nenhuma religião, pois estão ao serviço do homem. O cristianismo (e dentro deste refiro-me agora ao catolicismo) também tem elementos e organizações extremamente radicais e que em tudo se assemelham ao islamismo radical. Mas concordo quando diz que “acho que as religiões dividem as pessoas e não podem resistir uma análise lógica” embora respeite quem pratica as diversas religiões.

    O islamismo radical, e qualquer forma de radicalismos, é sem dúvida uma ameaça ao nosso mundo. Sinto que os discursos estão a ficar mais radicais e esse é um enorme perigo actual.

  34. Vera diz:

    786, esqueceu-se da parte em que existem não muçulmanos a viver num país islâmica. e aí como é? Têm direito a viver de acordo com as suas convicções ou têm de estar subordinados às leis islâmicas? Se tem de viver subordinados à sharia, então porque é que vocês mesmos insistem em implementá-la no Ocidente? É que se um não-islãmico tem que aceitar a sharia no seu país, então vocês também teriam de aceitar as nossas leis e estilo de vida no Ocidente, e não é isso que vemos…

  35. Stran diz:

    A maioria dos muçulmanos a viver no ocidente aceitam as nossas leis e estilo de vida no Ocidente.

  36. Lidador diz:

    Caro stran, solicito que me dê a referência dos dados dessa sondagem.
    A não ser que esse conhecimento lhe chegue via telepática, tendo você uma ligação directa à cabeça da “maioria” que “aceitam”

    Se bem que o erro de concordância seja grosseiro, estou convicto que um bom dhimmi, não se limita a afirmar convicções, sendo capaz de objectivar todas as afirmações, mesmo que pareçam cavalidades, bacoradas e estribilhos imbecis.

    Ora então diga lá…

  37. soli diz:

    Se a maioria dos muçulmanos a viver no Ocidente não aceitasse as leis, estariam estes muçulmanos a ser condenados por violarem tais leis, talvez até serem presos. Não é preciso nenhuma sondagem.

    Mostre-me sondagem que a maioria da população no Ocidente aceita as leis dos países onde vive? A questão é redundante, mutuamente exclusiva. Por estes cidadãos obedecerem as leis, aceitam tais leis. Podem não gostar das leis, mas aceitam-nas.

    A maioria absoluta dos muçulmanos em qualquer parte do mundo obedecem as leis dos países onde vivem.

    Quanto ao estilo de vida do Ocidente, o muçulmano, como qualquer outro cidadãp tem todo o direito de criticar, porém ao continuar a viver no Ocidente, significa que aceita tais estilos de vida.

    Lidador, aka Martelo, aka peidor, aka outros, você não consegue dialogar sem insultar? Os seus pais não lhe ensinaram boas maneiras e a arte de dialogar sem ofender?

    Se me ofender terá sempre resposta adequada.

  38. António Marcelo diz:

    «António Marcelo, investigue até quando houve a ligação entre a Igreja católica e o fascismo, antes de atirar cá para fora o que alguns sionistas tentam fazer passar sobre o islamo-fascismo.»

    A democracia foi uma invenção do Ocidente e da Revolução francesa. O contributo islâmico foi nulo. Existiram regimes ditatoriais apoiados pela Igrejia, com certeza, mas não existe um só exemplo de democracia nos países muçulmanos.

    O exemplo da Turquia, uma democracia imperfeita e discutível não é válido. É um regime laico. Kemal Ataturk é um dos raros exemplos a seguir no Islão.

    Esses povos tão subdesenvolvidos quando têm liberdade para votar, votam partidos integristas. Se tivesse havido uma verdadeira liberdade na Turquia, teria acabado em qualquer regime teocrático. Se os muçulmanos ficassem nos seus próprios países, tanto pior para eles, mas eles querem invadir-nos, ainda mais reconquistar a Península Ibérica e nesse caso era melhor estabelecer um cordão sanitário e afastar esse perigo.

    Acolher o inimigo na própria casa é uma grande parvoice.

  39. soli diz:

    O seu pais então era subdesenvolvido até 25 de Abril de 1974, e os países do leste europeu eram até há poucos anos também subdesenvolvidos, porque não tinham democracia.

    Quanto a votar em partidos integristas, o terrorista de um é o libertador do outro. A democracia é mesmo isto, o povo tem o direito de votar no partido que queira. Se não, a democracia deixa de ser democracia. A democracia à maneira que agrade o Ocidente não é democracia.

    Faz bem falar da Revolução francesa. O seu país lutou contra a Revolução francesa e não queria nada com ela. Vocês os portugueses acham que Salazar, um dos piores ditadores e dos mais retrógrados que ajudou a atrasar Portugal, como o maior português de todos os séculos.

    Ninguém quer reconquistar a Península Ibérica. Quem quer dôr de cabeça?

  40. António Marcelo diz:

    Nesse caso, a Alemanha nazi era um regime democrático, do facto que Hitler ganhou honestamente umas eleições democráticas.

    Deixa-te de mouraquices, Soli!

  41. António Marcelo diz:

    Na web dos muçulmanos espanhóis, WebIslam, diziam até o ano 2002 que Espanha (e implicitamente Portugal) à semelhança de Israel não tinha legitimidade histórica. Os espanhóis estavam a ocupar ilegitimamente uma terra pertencente aos muçulmanos.

    Diziam também que os infiéis só podiam conviver com os crentes se reconheciam a superioridade do Islão.

    Não se pode ser mais claro. Ter um cavalo de Tróia nas nossos países é loucura. A melhor solução: pontapé e biqueirada. Fora mouros. Todos para a mouraria.

  42. VikingShip diz:

    “””Ria-se MZ acerca das provas. Qualquer Procurador tem aqui elementos suficientes para formular uma nota de acusação. O último a rir-se, ri melhor.”””

    Estes muçulmanos seguidores de regras e de justiça fazem-me rir…

  43. Stran diz:

    Caro Lidador: ficou satisfeito com a resposta do soli ou é preciso fazer-lhe um desenho?

    Soli: Para mim um terrorista é sempre um terrorista. Tanto o foi no 11 de Março como nos atentados israelitas no Líbano, nem uns nem outros deixam de ser terroristas pelas justificações que tenham.

    Caro António Marcelo: Limitando o âmbito da analise é normal que veja as suas teses validadas. Se limita os países muçulmanos aos países teocráticos então de certeza que não existe uma democracia nos países muçulmanos.

    “Fora mouros. Todos para a mouraria.” Então promove as mesmas atitudes que critica nos muçulmanos, será um resquício de dhimitude?

  44. Lidador diz:

    Se bem entendi, caro Stran, podemos então estar descansados. Não são todos os muçulmanos que nos querem trincar, subjugar ou converter, mas só alguns milhões.

    Ufa…assim já podemos dormir tranquilos….

  45. Vera diz:

    “A maioria dos muçulmanos a viver no Ocidente aceitam as nossas leis e estilo de vida no Ocidente.”

    Stran, essa foi para rir ou para chorar?

  46. Vera diz:

    Soli, muitos violam as leis ocidentais sim. Tanto que grande percentagem dos presos em França são descendentes de magrebinos, influenciados pela cultura dos pais. Outros, simplesmente não são presos porque vivem fechados nos seus bairros e mesquitas, um pouco por toda a Europa e os casos não chegam Às entidades policiais. Viu aquela reportagem do jornalista checo? Julgo que já não está no youtube, é pena. Mas o soli sabe muito bem o que se passa, tanto que dá essas desculpas esfarrapadas em que só acredita quem é muito burrinho. Mas claro, não vai acusar a sua própria comunidade, não tem coragem para assumir certos erros por ela cometidos, e os media também não o fazem para não aumentar ainda mais as hostilidades. SE todos os criminosos fossem presos, então não existiam tantas centenas de bairros problemáticos na europa.

    Se os muçulmanos aceitassem o nosso estilo de vida por permanecerem por cá, França não tinha tantos problemas e quem sabe nem o Sarkozy teria ganho estas eleições por defender o que defende.
    Se a população Ocidental não aceitar o estilo de vida dos países onde vive, simplesmente é excluída. Cá, vocês têm a esquerda como protecção…

  47. soli diz:

    Stran: quis referir-me aos partidos como o Hamas, a FIS, etc. O Hamas é considerado terrorista pelos israelitas e movimento de libertação pelos palestinianos. Os terroristas de ontem ,hoje são respeitados como a IRA, a ANC. O terrorista de ontem, Nelson Mandela, é o estadista de hoje. Mudam-se os tempos, mudam-se as opiniões e as vontades.

    Vera: já agora apresente dados publicados que “grande percentagem de presos em França são descendentes de magrebinos”. Quanto aos bairros problemáticos não é aplicável só aos muçulmanos. Em Portugal os bairros problemáticos não são os muçulmanos. Vai ficar surpeendida com Sarkozy. Pela primeira vez veremos um governo multiétnico (não totalmente mas um pouco tingido) na França. A direita vai chorar. Uma ministra muçulmana e descendente de norte africanos?! Mesmo! É isto que verá.

  48. 786 diz:

    ok soli era so para ter a certeza, falam que não podem levar a bíblia ou praticar a sua religião mas vejamos se a Arábia é um país muçulmano já desde o tempo do Profeta Muhammad saaw as pessoas que estão lá é por opção e aceitam as leis do país logo aí o caso já muda de figura com se costuma dizer, em relaçãoem irem de férias que eu saiba existem zonas para não muçulmanos penso eu mas se vão em férias é porque querem mas é normal quererem ir, Dubai por exemplo é excelente e demasiado ” à frente” basta irem à net se ainda não tiveram possibilidade de ir para o constatarem, em relação aos comentários aqui feitos já me apercebi que os não muçulmanos se devem achar superiores e que só eles têm razão, a nossa religião é a melhor disso não tenho dúvidas, é pena que deturpam toda a informação e não tentam sequer ter uma noção do que é realmente a nossa religião, uma religião de coerência. O Alcorão está intacto até os dias de hoje sem nenhuma deturpação, como acontece com a bíblia que foi escrita como os homens assim entenderam escrever, o Alcorão é a palavra de Deus e é Ele que a perserva é um dos seus milagres. Ignorantes são aquelas pessoas que não são capazes de pôr o seu orgulho de lado e tentar saber o que é a nossa religião, como eu que tentei informar me sobre um pouco de várias religiões e por fim escolhi o Islão mas não, pensam que a telivisão é a fonte de tudo, mas meus caros, a realidade é outra abram os olhos , o que passa na telivisão nem sempre corresponde à verdade. Também posso falar nos casos de pedófilia nas igrejas e nas instituições, nas várias violações no ocidente, na tráfico de mulheres e crianças, no crime organizado, na exploração infantil sim porque trabalhar como actor durante várias horas, muitas vezes faltando à escola e sem terem tempo para brincarem não de todo exploração é só por divertimento, raptos que acabam em dor e sofrimento como está a acontecer neste momento no nosso país, nas várias mortes por roubo, já não existe segurança, também posso ficar aqui todo o dia a falar mal mas não é isso que tenho andado a fazer, apenas tento defender a minha religião mas voces o que defendem? Só atacam em vez de 1º olharem para vós próprios. Começo é a achar que têm medo de admitir que a nossa religião é boa. Tentem saber mais sobre ela e depois falaremos.

  49. Lidador diz:

    Caro 786, a sua religião deve ser uma coisa do caraças, mas então explique-me lá como interpreta a paz e o amor que transparece do versículo 76, surata IV, desse famoso repositório divino que é o corão:

    “Matai os idólatras onde quer que os encontreis”.
    Amor verdadeiro?

    De ersto as mesquitas e os clérigos que infestaram a Europa nos últimos anos, financiados pelos países islâmicos, ensinam sobretudo a amar o próximo, a tolerá-lo, a dar-lhe beijos.
    A jihad é isso mesmo, como sabemos, e o facto de esses pacíficos barbudos acharem que é seu dever religioso fazer-nos adorar alah, nem que tenham que nos matar para isso, é a suprema prova de amor.
    Os desfiles e manifestações em que se pisam bandeiras de Israel, EUA, Dinamarca, Itália, UK, etc, perante o sorriso embevecido das autoridades, revelam-nos que todo esse amor se pode transformar em ódio e isso é muito mau, porque pode muito bem acontecer que em vez de queimarem ou pisarem as bandeiras, passem a decapitá-las e isso sim é que é ódio e extremismo.
    O terrorismo islâmico que desde há 30 anos tem vindo a crescer é, evidentemente, uma imensa prova de amor para com o “outro” e é claro que não devemos nunca atacar, perseguir, capturar e julgar os autores destes generosos actos de amor ao próximo, porque senão eles ficam a odiar-nos e largam-nos a braguilha. E nós não queremos isso, pois não?
    Os israelitas por exemplo, ficariam muito tristes se, em vez de receberam constantes, ruidosas e explosivas provas de amor, fossem ignorados por árabes despeitados.

    O sr quer que eu perceba o corão?
    Eu estou-me nas tintas para o corão e para a bíblia e a tora e o diabo que os carregue e não tenho a mínima intenção ou obrigação de perder o meu tempo a ler bostadas..

    Era o que faltava.

    Leia você algumas coisas de filosofia e meta o corão no caixote do lixo de onde nunca deveria ter saído.

    Cambada de estúpidos!

  50. Vera diz:

    Soli, em realação aos dados estatísticos: Revista The Economist de Junho do ano passado.
    Quanto aos bairros problemáticos, obviamente que em Portugal ainda não são constituído por mululmanos, mas tal acontece, exactamente, devido ao choque cultural que acaba sempre por acontecer entre a comunidade imigrante não-europeia e o povo europeu, principalmente quando se trata de africanos e islâmicos.
    Relativamente ao governo francês, não me incomoda o facto de Sarkozy ser descendente de húngaros e judeus. Quanto ao governo multiétnico..não era suposto sermos nós os “nazis racistas”? Que tenha, o povo só quer que ele controlo a vergonha e perturbação que é a imigração em massa em França. Irá ter uma ministra islâmica? Bom, se o tiver, irá ter o prazer de recambiar muita gente da sua cultura..a tal “escumalha”…

    786, o Dubai é demasiado à frente mas é para turismo, e mesmo assim a população local olha de lado para as mulheres ocidentais. E é claro que nós sabemos que metade do que passa na televisão não é bem como a realidade..e que metade da realidade também não passa na televisão!

    Podem dizer que o islão é muito bonito, é muito pacífico..mas não é isso que se vê no dia-a-dia, e uma religião é o que os fiéis fazem dela. Do islão, o que se conhece mais? Terrorismo, desrespeito pela mulher, desigualdades de género, penas impensáveis no mundo ocidental, ódio a israel…amor?Só mesmo à jihad e propagação da fé. Isto é que o islão passa cá para fora, e pessoas como o soli, que transbordam de raiva e ódio a tudo o que não é islâmico não ajudam minimamente…

  51. inj diz:

    meu caro lidador voce só vai buscar a informação que ben lhe interessa, então veja lá bem o que significa jihad “Jihad, às vezes referida como Jahad, Jehad, Jihaad, Jiaad, Djihad, ou Cihad, (Língua árabe: جهاد‎ gihād) é um conceito essencial da religião islâmica cuja tradução literal é exercer esforço máximo. Pode também ser entendida como uma luta, mediante vontade pessoal, de se buscar e conquistar a fé perfeita. Ao contrário do que muitos pensam, jihad não significa “Guerra Santa”, nome dado pelos Europeus às lutas religiosas na Idade Média (por exemplo: Cruzadas)” enquanto que deram o nome de cruzadas mas que no fundo não eram realmente feitas em nome Deus mas sim para seu próprio benefício. Coitados dos cristãos ou judeus, que se juntam entre si e entram num país que não é deles ou seja Iraque, sim porque bem sabemos que Israel é dos americanos, entram só porque o Saddam ia ” fechar a torneira do petróleo” e dizem que era para defender o povo…. então vão para outros países onde têm guerras civis que perduram anos, mas esqueci-me esses países não possuem o ouro negro, e entraram no Iraque e violam mulheres e crianças vezes sem conta até à morte, queimam o nosso livro sagrado, deitam-no na sanita e dizem que vão proteger o povo, nota-se………e sei lá mais tantas coisas e agora vem-me com histórias? fala em filosofia? queira saber que dos melhores filósofos, eram muçulmanos, e já que pensa que sabe mais que os outros responda-me, quem somos somos? de onde vimos? para onde vamos? se quer saber estudo filosofia acho bastante interessante, os melhores filósofos raramente se desligam da sua religião… vem falar em presseguir? por amor de Deus a inquisição deu-se onde? e sabe quem acolheu os judeus? por a

  52. inj diz:

    meu caro lidador voce só vai buscar a informação que ben lhe interessa, então veja lá bem o que significa jihad “Jihad, às vezes referida como Jahad, Jehad, Jihaad, Jiaad, Djihad, ou Cihad, (Língua árabe: جهاد‎ gihād) é um conceito essencial da religião islâmica cuja tradução literal é exercer esforço máximo. Pode também ser entendida como uma luta, mediante vontade pessoal, de se buscar e conquistar a fé perfeita. Ao contrário do que muitos pensam, jihad não significa “Guerra Santa”, nome dado pelos Europeus às lutas religiosas na Idade Média (por exemplo: Cruzadas)” enquanto que deram o nome de cruzadas mas que no fundo não eram realmente feitas em nome Deus mas sim para seu próprio benefício. Coitados dos cristãos ou judeus, que se juntam entre si e entram num país que não é deles ou seja Iraque, sim porque bem sabemos que Israel é dos americanos, entram só porque o Saddam ia ” fechar a torneira do petróleo” e dizem que era para defender o povo…. então vão para outros países onde têm guerras civis que perduram anos, mas esqueci-me esses países não possuem o ouro negro, e entraram no Iraque e violam mulheres e crianças vezes sem conta até à morte, queimam o nosso livro sagrado, deitam-no na sanita e dizem que vão proteger o povo, nota-se………e sei lá mais tantas coisas e agora vem-me com histórias? fala em filosofia? queira saber que dos melhores filósofos, eram muçulmanos, e já que pensa que sabe mais que os outros responda-me, quem somos somos? de onde vimos? para onde vamos? se quer saber estudo filosofia acho bastante interessante, os melhores filósofos raramente se desligam da sua religião… vem falar em presseguir? por amor de Deus a inquisição deu-se onde? e sabe quem acolheu os judeus? por a

  53. inj diz:

    por acaso foram os muçulmanos aqui na vizinha Espanha que engraçado e passados poucos anos da 2ª Guerra Mundial ter acabado arranjaram um sítio para os judeus ficarem, Israel, assim a América tinha um aliado no mundo árabe, os alemães viam-se livres deles e ficaram felizes para sempre, pois só se esquecem que em 6 dias ” limparam” os muçulmanos de Israel, Israel era dos muçulmanos e agora muito dificilmente lá entramos, enquanto que sempre estiveram lá como queriam tanto cristãos como judeus, e agora vem falar dos pobres Israelitas? que injustiça

  54. inj diz:

    lidador deve pensar que os muçulmanos andam a dormir

  55. 786 diz:

    para não haverem dúvidas para o lidador e mais alguém, inj e 786 são os meus 2 nicks, mas para como parece que já estam a usar inj então apenas usarei 786, e os últimos comentários com o nick inj foram feitos por mim 786 peço desculpa se beralhei alguém não era minha intenção. tive um problema no computador por isso repetiu-se 2 vezes o texto

  56. saf diz:

    nao parece haverem duvidas algumas

  57. “matriz cristã da civilização ocidental” cómico!

    Que é o cristianismo tem a ver com boa conduta????? Isso é ilógico!

    Você é hilariante! Juro! Não, você é mais que hilariante chegando a tocar o rídiculo a cada barbaridade que diz. Como pode você – mr. I know everything about anything – querer colocar um código de conduta nos comentários quando você não segue nenhum!? Os posts são puros textos de humilhação, racismo, acusações falsas, hipocrisia, mentiras, xenofobia, etc etc etc… e ainda quer pôr códigos de conduta??

    Acorde! Não caia no rídiculo! Antes de mudar os outros tente mudar a si mesmo… Se for bem-educado segundo a sua religião (ou simplesmente porque sim) no que escreve então verá que os comentários passarão a ser muito mais moderados… Acorde!

  58. Lidador diz:

    Caro 786, o facto de se derramar em verborreias pueris, declamando a habital vulgata de patetices panfletárias, não o ajuda muito.

    Quanto à jihad, não pense que me ensina alguma coisa. Eu conheço a Taqiyya.~
    E conheço o hadith que distingue a pequena jihad ( pancadaria nos infiéis), da grande jihad.
    E nos tempos corânicos, a expressão “no caminho de deus” evocava a ideia de combate pelas armas. É alias esse o sentido da surata 61, versiculo 11, sur 49 vers 15 e sur 2, vers 186.
    A sua “interpretação” vale zero.
    A grande maioria dos teologos classicos, dos juristas e dos defensores da sunna interpretam a obrigação de jihad num sentido militar e desenvolveram as suas teorias nessa base.

    A palavra de deus dirige-se à humanidade e é dever daqueles que a aceitaram penar ( djahada) sem descanso para converter ou submeter os que o não fizerem, e esta obrigação não tem limites no tempo e no espaço. Deve durar até que o mundo inteiro tenha perfilhado o islamismo e esteja submetido à autoridade do estado islamico.

    Agora que já lhe fiz ver que sei do que estou a falar e que conheço a sua dissimulação e hipocrisia, responda à questão a que tentou fugir:

    Como “interpreta” a injunção
    “Matai os idólatras onde quer que os encontreis”.
    (versículo 76, surata IV)

    Como “interpreta” os versículos da espada.

    Responda concretamente e deixe de espanejar bostadas, como se fosse um hipopotamo a marcar territorio

  59. Lidador diz:

    Já agora, 786, fale-me dos “famosos” filósofos muçulmanos.

    Hobbes?
    Nietzche?
    Platão?
    Sócrates?
    Aristóteles?
    Santo Agostinho?
    Levinas?
    Deleuze?
    Foucault?
    Kierkgaard?
    Hegel?
    Ortega Y Gasset?
    Descartes?
    Espinosa?
    Kant?
    Erasmo?
    Breton?
    Sofocles?
    Sartre?
    Fitche?
    Ésquilo?
    Heidegger?
    Hume?
    Parménides?
    Rawls?
    Rousseaou?
    Berkeley?

    ….
    ….

  60. António Marcelo diz:

    «”Fora mouros. Todos para a mouraria.” Então promove as mesmas atitudes que critica nos muçulmanos, será um resquício de dhimitude?»

    Para o Stran.

    Caro senhor:

    Vista a experiência dos países europeus que receberam imigrantes extra-continentais desde os anos sessenta do passado século até hoje em dia, seria tolice e inconsciência repetir os mesmos erros.

    Uma das razões por que abandonei a religião foi pela inconsequência do cristianismo. O seu fundador defendia princípios incompatíveis com a natureza humana: não se pode amar a quem te odeia, é absurdo pôr a outra face e não defender-te quando alguém te agredir, não se pode perdoar a quem voltará a fazer-te mal. A prova mais evidente da sua utopia foi a conduta da Igreja Católica ao longo da história. Felizmente as teocracias já desapareceram no ocidente.

    A religião islâmica não pôde enraizar na Europa. Desapareceu completamente na Península Ibérica. Na Europa de Leste submetida durante quatrocentos ano ao Império Turco, apenas ficaram algumas minorias muçulmanas na Jugoslávia, na Albânia e na Grécia. Nesta última, quando acabou a Primeira Guerra Mundial, estas minorias foram expulsos em troca dos gregos que viviam na Turquia.

    Hoje em dia a situação mudou. Os povos da Europa obstinam-se em desaparecer. Quer por causas económicas, quer pela queda dos valores tradicionais, não substituídos por outros melhores, criando o subsequente vazio, a natalidade tem caído até níveis desconhecidos. Isto unido à imigração maciça e a alta natalidade dos recentemente chegados, está a produzir uma substituição das populações. Não falo em mestiçagens nem em miscigenações. É uma substituição pura e simples.

    Muitos simpatizantes da extrema esquerda gostam muito disto e apresentam-no como um progresso. Para mim é uma catástrofe.

    Perante este perigo nada imaginário, as atitudes moderadas são suicidas. O presidente argelino Boumedienne aconselhava as compatriotas que moravam na França de ter muitos filhos. «A revolução dos ventres». Na vizinha Espanha, muitos muçulmanos não escondem as suas esperanças: «Nos chegámos em pateira, mas vocês terão de nadar». «Passados vinte anos este país será nosso». A chegada de latino-americanos em número muito mais grande transtornou estas esperanças. Daí, a grande rivalidade entre muçulmanos e sul-americanos. A escolha é limitada no futuro entre ser mouros ou índios.

    Dar uma imagem de moderação fica esteticamente atractivo. Aqueles que a praticam, aparentemente põem-se por cima de aqueles que mão gostam dos eufemismos e não querem praticar a correcção política. Se Dom Pelágio e todos nossos antepassados tivessem sido «moderados», hoje em dia seriamos circuncisos e olharíamos ajoelhados para a Meca quatro vezes por dia. Se em 1939 os pacifistas tivessem imposto as suas teses na França e na Inglaterra, o nazismo não teria sido travado e poucos anos depois, já tarde demais, esta «moderação» teria sido paga com juros.

  61. Anon diz:

    Lidador,

    Cito-o: “Matai os idólatras onde quer que os encontreis” (versículo 76, surata IV).

    Vê-se mesmo que gosta de enganar, ou está muito mal informado.

    Tem que se lêr o versículo anterior, o 75, e depois só o 76. Assim lê-se no capítulo IV:

    75. E o que vos impede de combater pela causa de Deus e dos indefesos, homens, mulheres e crianças? que dizem: Ó Senhor nosso, tira-nos desta cidade (Makka), cujos habitantes são opressores. Designa-nos, de Tua parte, um protector e um socorredor!

    76. Os fiéis combatem pela causa de Deus; os incrédulos, ao contrário, combatem pela do sedutor. Combatei, pois, os aliados de Satanás, porque a angústia de Satanás é débil.

    Onde diz “Matai os idólatras onde quer que os encontreis”?

    Mesmo que usar a imaginação inventiva e encontrar outra tradução deste versículo, e o anterior, nunca será o que você escreveu.

    Para mais veja o capítulo do Alcorão online em:

    http://www.islam.com.br/quoran/traducao/s04_an_nissa.htm

    Os cristãos não são idólatras. Os idólatras eram de Meca, que combatiam os muçulmanos, e o texto refere-se só àquela situação específica. Poder-se-ão fazer interpolações actuais mas mesmo assim os versículos não encorajam nenhuma agressão.

  62. Anon diz:

    Taqiyya é um conceito xiita. A maioria dos muçulmanos não são xiitas nem seguem líderes xiitas como Baqir, Moqtada Sadr, Khomeini.

  63. Anon diz:

    Lidador cito os versículos do Alcorão que você mencionou:

    Surata 61, versículo 11:
    É que creiais em Deus e em Seu Mensageiro, e que sacrifiqueis os vossos bens e pessoas pela Sua causa. Isso é o melhor, para vós, se quereis saber.
    http://www.islam.com.br/quoran/traducao/s61_as_saf.htm

    Surata 49, versiculo 15:
    Somente são fiéis aqueles que crêem em Deus e em Seu Mensageiro e não duvidam, mas sacrificam os seus bens e as suas pessoas pela causa de Deus. Estes são os verazes!
    http://www.islam.com.br/quoran/traducao/s49_al_hujjurat.htm

    Surata 2, versículo 186:
    Quando Meus servos te perguntarem de Mim, dize-lhes que estou próximo e ouvirei o rogo do suplicante quando a Mim se dirigir. Que atendam o Meu apelo e que creiam em Mim, a fim de que se encaminhem.
    http://www.islam.com.br/quoran/traducao/s02_al_bacara.htm

    Desculpe a tradução abrasileirada. Não modifiquei e mantive a tradução como se encontra no sítio.

    Onde está a agressividade ou o apelo à guerra injusta?

  64. Lidador diz:

    Caro Anon, não seja mentiroso porque o Ruidoso pode tramá-lo.

    Vejamos o 1º versículo da espada:

    Terminados que sejam os meses segrados, matai os idólatras onde os encontrardes. Apanhai-os! Preparai-lhes toda a espécie de emboscadas… (Q9:5)

    O versículo aplica-se a TODOS os infiéis.

    Mas atenção, não se mata só…alguns podem aceitar ser dhimmis.

    Para esses, exorta-se os fiéis
    “Combatei-os até que paguem o tributo por sua própria mão e sejam humilhados. (Q9:29)

    E então esta:

    “Os homens são responsaveis pelos assuntos das mulheres porque deus favoreceu uns em relação aos outros… …aquelas de quem suspeitais deslealdfade, admoestai-as, abandonai os seus leitos, castigai-as ” ( Q4:34)

    Todos os livros “sagrados” têm este tipo de injunções, é verdade.
    Mas nenhum deles é lei e fonte de direito em lado nenhum do mundo.

    O problema destas asneiras e bostadas do corão, é que os filhos de mafoma são estúpidos, dogmáticos e acreditam que o próprio livro é “incriado”, imutável e não pode ser “interpretado”.

    Um cameleiro largou estas postas há mil e tal anos e uma multidão de imbecis fanáticos abanam hoje o rabo, e submetem-se à imbecilidade, como bois.

    Esse é que é o problema.

    A bíblia a gente lê, como lê um livro do Pato Donald.
    Só meia dúzia de tontos a encaram literalmente. Problema deles, daí não vem mal ao mundo.

    Mas o corão não…o corão é a vianda onde refocilam milhões de suínos, estúpidos e violentos, que se acham no dever de estender aos outros a sua parolice.

  65. António Marcelo diz:

    Bem falado, amigo Lidador. Eu não teria dito melhor.

    Parabéns.

  66. Vera diz:

    786:

    – Saul foi sucedido por David, em torno do ano 1000 a.C., que expandiu o território de Israel e conquistou a cidade de Jerusalém, onde instalou a capital do seu reino. Sob o reinado de Salomão que Israel alcançou o apogeu, entre os anos 966 a.C. e 926 a.C..

    – Durante os dois mil anos de duração do Êxodo, a presença judaica em Jerusalém e seu entorno foi constante, embora diminuta. No mesmo ano de 135, Adriano renomeou a Província Judaea para Provincia Siria Palaestina, um nome grego derivado de “Filistéia” (Em Hebraico, פלשת, em Grego, Pəléšeṯ) como tentativa de desligar a terra de seu passado judaico. A Mishná e o Talmude Yerushalmi (dois dos textos sagrados judaicos mais importantes) foram escritos na região neste período. Depois dos romanos os bizantinos e finalmente os muçulmanos conquistaram a Palestina em 638. A área do Levante foi controlada por diferentes estados muçulmanos ao longo dos séculos (à excepção do controle dos cristãos cruzados) até fazer parte do Império Otomano, entre 1517 e 1917.

    Ui..parece que afinal os judeus não chegaram lá só em 1948. Sim, tiveram apoio dos americanos para a construção de Israel depois da SEgunda Guerra Mundial, mas não deixam de ter direito àqueles territórios, que lhes foram usurpados, pela primeira vez, durante o Império Romano.

  67. Lidador diz:

    Cara Vera, na verdade, Israel não foi muito ajudado pelos americanos no principio e quando foram vítimas da invasão árabe só se safaram porque lutarm bem e compraram armas atravás da Checoeslováquia.

    Para além da História, o “direito” de Israel existir, foi definido por resolução das Nações Unidas e confirmado na luta, em sucessivas guerras desencadeadas pelos arabes.

    Isrsel tem mais direito que a maioria dos estados arabes, que nunca existiram como tal, durante centenas de anos, permanecendo sob domínio otomano.

    De resto, Israel aceitou a partilha da Palestina e só não existe um estado palestiniano porque os arabes recusarem e tanto o Egipto como a Jordania, apoderaram-se das terras ( Gaza e Margem Ocidental) destinadas a esse estado.

  68. soli diz:

    Anon, é mesmo perder tempo com esta besta chamada Lidador, aka peidor, aka Martelo. Es stultior asino Lidador! (tradução para cérebro de ervilha: és mais estúpido que um asno Lidador!)

    Se lhe explicar que está errado citará de novo parcialmente alguns versículos, e se lhe provar que está errado, vai mais a algumas coisas que encontra na Internet, e toca a insultar e a ofender ao mesmo tempo. Cacator!

  69. Lidador diz:

    POis é, caro filho de mafoma, numa civilização que se baseia na informação e na liberdade de pensamento, não é possível enganar as pessoas e mentir-lhes, com a treta do islão pacífico.

    As pessoas , se quiserem, podem ver com os seus proprios olhos.
    É isso que vos irrita e vos deixa possessos, porque a bestialidade do corão fica exposta e não é possível escamoteá-la.

    Não, não tenho qualquer respeito pela sua religião primitiva e estúpida.
    Não acredito em Deus moral mas sei que algumas religiões têm alguma utilidade porque fornecem respostas fáceis ás perplexidades de muita gente.
    Ou seja, não sou anti-religioso, entendo a religião como algo da esfera privada de cada um. Por isso acomodo-me bem com o cristianismo, o hinduismo, o budismo, o taoismo, o judaísmo, etc,etc.
    Mas não com o islamismo.
    O islamismo não só é uma religião caldeada na agressão ao “infiel”.
    É totalitária, abrangente, inseparável da política e de todos os aspectos da vida humana. É, no fundo, uma ideologia.
    Ainda assim estaria eu nas tintas para ela, não fosse o caso de ela ser messiânica, imperativa, universalista e pretender no fim de contas, estender-se até mim, impôr-me regras, dominar o meu individualismo. Tal como o comunismo, mas de um modo infinitamente mais passional, porque radicado na crença e no medo do transcendente.

    Isso é algo com que teremos que lutar. Caso não o façamos hoje, os nossos filhos herdarão uma luta apocalíptica.
    Como dizem os chineses, quando se caminha sobre a geada, o gelo duro não está longe.
    Por isso sou anti-islão e isto á uma posição racional , nada tem de passional.
    Mas a luta que se avizinha, foge aos padrões europeus que regulam os conflitos desde o Tratado de Westefália. O ódio estará presente, a guerra não será asséptica.

    Mas as democracias contém em si instrumentos para se defender. Derrotaram o Japão e ajudaram a derrotar o nazismo e não se desvirtuaram por isso.
    Mas há horas em que a luta nos é imposta e temos de lutar pela vida e pela liberdade.
    E não há liberdade com medo . Não há liberdade se não se puder apanhar um comboio por medo, se não se puder ir ver um jogo de futebol por medo.

    Em 23 de Agosto de 1996 uma constelação de radicais islâmicos com Bin Laden à cabeça, divulgou um documento com 25 folhas dactilografadas intitulado:
    “Declaração de Guerra contra os americanos que ocupam a Terra dos dois lugares santos” e mais tarde a “Frente Mundial Contra os Cruzados e Judeus”, onde eramclaramente exposto o objectivo:

    O Califado Islâmico Universal, que reúna todos os povos sob a sharia.
    Há aqui uma geopolítica da fé que passa num primeiro momento por apear os “governos corruptos” dos países, muçulmanos, libertar os lugares santos e passar depois ao grande objectivo universal, unificando a UMMA.
    Isto parece uma anedota, mas a verdade é que está em marcha e as dezenas de milhares de mortos que o projecto já provocou, fazem os mais conscientes perceber que estamos perante uma ameaça global.

    Nas nossas sociedades, temos o direito de viver tranquilamente de acordo com a nossa especificidade cultural . Quem vem a nossa casa, não tem o direito de nos dizer que o nosso modo de vida é decadente, que não devemos ter cerveja no frigorífico, que os vestidos das nossas filhas são escandalosos e que vai começar partir-nos os móveis para que a gente aprenda como deve ser.

    Porque nós sabemos que foi essa nossa cultura e filosofia de vida que nos colocou no topo da civilização e queremos que metam o corão (que os fez parar no tempo ) pelo respectivo intestino acima, de preferência envolto em arame farpado e alcool a escorrer
    Era o que faltava,permitir que barbaros primitivos se achem no direito de impor as regras a quem os alimenta.

    Gente desta, gente submissa a um livro estúpido, trata-se a chicote e a DDT.

  70. soli diz:

    Lidador, você e os seus apaniguados, ou os aliases que usa, representam o equivalente ocidental de Bin Laden. Procuram lutas intermináveis baseadas na deturpação e no ódio. Este blogue serve para promover o ódio e a violência.

    Só quero antes de me despedir de vez dizer que o Islão era tão jurássico e atrasado que os judeus para escaparem da Inquisição procuraram refúgio em muitos paises muçulmanos. Sempre viveram em paz com os muçulmanos, até que apareceram os judeus vindos da Europa, armados com a ideologia racista do sionismo. Não foram os jurássicos muçulmanos que quase fizeram desparecer fa face da terra os judeus.

    Eu já não perco mais tempo consigo nem com sua seita fanática. Despeço-me. Pregue a sí próprio.

  71. Vera diz:

    Oh..então…não me digam que agora vão dar à sola sem responder ao pessoal!?

  72. Lidador diz:

    Então agora que lhe descobriram a careca e os esqueletos no armário, perdeu o pio?

    O seu problema é que perde o pio mas continua a asneirar.

    O profeta dos camelos e da Aisha de 9 anos, começou a carreira de magarefe justamente a perseguir os judeus que o tinham acolhido quando cavou para Medina, com o rabo entre as pernas. Foram, os judeus que o ensinaram mas infelizmente ele aprendeu tudo ao contrário e ejaculou a doutrina mais imbecil que existe à face da terra.
    Milhões de pessoas são mentalizadas nessa doutrina, levam com o corão no toutiço assim que apreendem a andar, e o que as espera é uma vida de submissão, hipocrisia, opressão e manipulação.

    Milhões de escravos a quem convenceram que devem apaixonar-se pelas grilhetas mentais que os prendem ao passado.
    Você é um deles.

    Imbecil e inamovível como um calhau.

  73. A boca fala do que está cheio o coração:
    “Alcorão pelo rabo acima com alcool e arame farpado”, “gente desta trata-se a chicote e a DDT”. É mesmo o retrato da ignorância e do ódio, a gentinha que aqui vem despejar as frustrações. São, de facto, o equivalente ocidental da Al-Qaeda.
    São os heróis do teclado. Ou atacam no teclado ou em bando de “homens-lobo”, com as devidas desculpas ao animal.
    Se fôssemos a tratar os nazis a chicote e DDT estavam lixados, mas não caimos tão baixo.

  74. Mário diz:

    “Os idólatras eram de Meca, que combatiam os muçulmanos, ”

    Esta história dos idólatras deve ser como a das mulhres.

    Escravizam-nas, estupram-nas, violam-nas, agridem-nas, e depois elas é que são as culpadas. Elas é que têm que andar em sacos de lixo para não serem molestadas.

  75. Mário diz:

    Para R.Costa.
    Indigna-se, e ainda bem que se indigna.
    Não estou a ver q lhe cortem o pescoço ou que lhe diminuam os direitos civis por causa do que diz e analisa.
    Agora analise o q o algoz disse e fez, e aqueles a quem satanás domina, dizem e querem fazer.

  76. Miguel diz:

    Eh, satanas. Nao sejemos assim tambem. Por isso é que pessoas como nós sao mal vistas. As vezes ouve-se cada barbaridade.

    E o facto de em certos tempos a civilizaçao muçulmana ter sido mais avançada e progressista que a Europa (melhor dizendo, partes da Europa) nao interessa para nada, os papeis ja ser inverteram ha muito! Deixem de viver no passado e nos criticar por ele.

  77. Alberto diz:

    O mito do al andaluz é treta.
    Quase tudo ou tudo que havia de bom foi tirado aos outros.
    Só prova o que roubaram e depois sufocaram e destruíram.
    A maioria dos sábios ou não eram aluados ou o eram por imposição.
    Veja hoje em quantas merdassas, os tais sábios são lembrados e estudados.
    O que vê é esquecimento e mesmo perseguição dos mesmos e do que escreveram.
    A politica interna daqueles pedrados também foi sempre à traulitada.

  78. Miguel diz:

    Sim, a civilizaçao islamica retirou muito dos Romanos, Gregos e Persas, que eram culturas muitissimo mais avançadas que a dos beduinos, mas mesmo assim, alcançaram algumas coisas dignas. Num curto periodo, antes do fanaticismo sem treguas se instalar. E depois nunca mais fizeram nada.

  79. Lidador diz:

    O próprio nome de Al-Andalus ( Andaluzia), busca raízes nas tribos Vandalas (germanicas) que dominaram partes do Norte de Africa antes dos arabes.
    O Al-Andaluz era a terra de onde vinham os Vandalos.

    E é falso que o Islão fosse e algum momento a “civilização”. No seu período aureo, a civilização morava em Bizâncio.
    Os muçulmanos não produziram nada…limitaram-se a copiar e enquanto copiaram foram cosmopolitas e progrediram

    Depois , no seculo IV da Hegira, os chefes das escolas jurídicas, declararam fechadas as “portas do Ijtihad”, alegando que a partir dai não mais era necessário estudar e compreender mais nada, porque o mundo estava todo explicado e respondido no corão.
    O estudo da lei tornou-se uma escolastica e todas as nova questões foram e são remetidas para o corão.
    É por isso que o Islão parou no tempo e é incapaz de acompanhar a modernidade.
    Está condenado à barbárie e à violência…

  80. 786 diz:

    Soli foi-me ensinado que para os ignorantas a melhor resposta é o silêncio, já fizemos a nossa obrigação agora se não querem entender o problema não é nosso.

  81. 786: depois de ler os vários comentários achei-me na conclusão de que tudo não passa de uma questão cultural. O que para vocês parece normal, para nós não o é, da mesma forma que o que a nós parece correto, para vocês não o é. O Corão tem passagens que estão sujeitas a diversas interpretações, da mesma forma que a nossa Bíblia. Se assim não fosse, só haveria uma única interpretação tanto entre nós como entre vós. O que precisa ser notado é que ninguém quer ver a sua pátria como objeto de conquista. Assim como vocês rejeitam a presença de Israel na Palestina, os portugueses e espanhóis têm o direito de não aceitarem um futuro domínio islâmico, como já foi noticiado que a legalidade da existência da Espanha está sendo contestado em certos meios islâmicos, por constituir ”terra muçulmana ocupada pelos infiéis”. Saudações deste brasileiro.

  82. Vera diz:

    Bem dito, Assis.

  83. Lidador diz:

    João Ferreira, porque razão diz que a Palestina é dos árabes?

    Sabe certamente que a Arábia não é ali.

    Então?

  84. Vera diz:

    Eh..eles querer, não querem…mas vão ter que gramar porque há ali territórios judeus, e eles não vão desistir.

  85. Alfredo diz:

    Além de que também há árabes idolatras cristãos e judeus.
    O lambe bostas é que quis ocupar tudo e todos e obrigar as pessoas a serem escravas do de baixo.

  86. Ao Lidador:

    Não disse tal coisa. Só disse que os árabes não querem os judeus no território onde hoje está situado o Estado de Israel. É uma realidade. Quase sempre aparece um líder islâmico para afirmá-lo. Mesmo iranianos, que não são árabes, mas são islâmicos têm dito que é preciso varrer Israel do mapa. A Arábia não está na Palestina, mas o senhor não ignora que os povos e áreas circunvizinhas foram conquistados na expansão islâmica do século VII. Creio que o esclarecimento pedido está dado. Saudações.

  87. leitor diz:

    soli Says:
    peidor

    A saber:

    peidor – aquele que orienta o escape intestinal para o céu várias vezes por dia para
    ofender o Senhor.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: