Homenagem a uma grande Nação

07/06/2008

4 de Julho de 2008

The Star Spangled Banner

God Bless America (The Deer Hunter)

America The Beautiful

Battle Hymn of the Republic


Apelo público ao genocídio, com base racial e cultural

05/30/2007

Carta Aberta a Sua Excelência o Senhor Procurador Geral da República

Exmo. Senhor Procurador-Geral da República, Ilustre Juiz-Conselheiro Fernando Pinto Monteiro:

Foi colocado neste blogue (Máquina Zero) um comentário com posições que me parecem claramente racistas e defendendo que “(…) aqueles pretos que não prestam para nada os chamados kinder ovo (…)” e “(…) os brancos que não valem nada, ou seja, 99% deles (…) devem ser eliminados“. O mesmo comentário adianta que “(…) há alguns brancos bons, aqueles brancos da alma negra (…)” e exclui os indivíduos possuidores desta característica cultural do rol de “brancos (…) que devem ser eliminados”.

Não estou absolutamente certo se as competências de Vossa Excelência abrangem a prática deste tipo de eventual crime, dada a sua característica única de ter duas localizações: uma, que se presume ser o Brasil, o local a partir de onde terá sido praticado e onde residirá o seu alegado autor (cujo endereço de email é: tiago_soft@yahoo.com.br e cujo IP de origem será: 72.233.2.19 ); outra, o local onde o crime é, digamos, concretizado – uma página da Internet, alojada no site da WordPress – uma marca registada nos Estados Unidos da América e propriedade da empresa Automattic (o presidente do Conselho de Administração é o sr. Tony Schneider) em sociedade com a empresa True Ventures, ambas com sede fiscal na cidade de São Francisco, Estado da Califórnia.

Julgo, no entanto, que Vossa Excelência terá competência para tal, tendo em conta que o nº1 do artº 5º do CPP determina: “Salvo tratado ou convenção internacional em contrário, a lei penal portuguesa é  ainda aplicável a factos cometidos fora do Território nacional (..) quando constituírem os crimes previstos nos artigos (…) nº1 do artigo 239 (…)”.

Assim, solicito formal e publicamente a Vossa Excelência que proceda às diligências necessárias para apuramento dos factos e eventual procedimento criminal, nos termos das competências e obrigações legais atribuídas a Vossa Excelência, atendendo a que se poderá estar perante aquilo que me parece constituir um crime público, previsto e punido pelos artigos 239º e 240º do Código Penal Português, cometido através da divulgação pública de ideias racistas e de incitamento ao genocídio, através do apelo à eliminação física parcial de determinados grupos étnicos, cujos elementos deveriam – no entender do autor do comentário – ser “eliminados”, depois de seleccionados com base em critérios de natureza cultural.

Lisboa, 30 de Maio de 2007

Respeitosamente,

Máquina Zero

 ++++++++

Já voltei de férias. Foram umas boas férias, numa praia paradisíaca, gozando da incomparável hospitalidade do povo africano. Em relação à “Carta Aberta” que aqui publico, sugiro àqueles que concordarem com o seu conteúdo que façam o mesmo que eu já fiz: copiem este texto para um file de MSWord e enviem-no, em attachment, por email, à Procuradoria-Geral da República (mailpgr@pgr.pt)

Termino com saudações calorosas para os meus apoiantes e adversários. Para os inimigos, a recordação de uma filosofia que rege a minha vida, adaptada a partir de um aforismo popular: “Sei que, um dia, hei-de morrer. Não sei quando, nem como. Mas sei como é que não hei-de morrer. Nunca hei-de morrer nem de parto, nem de medo…” Para os muçulmanos meus adversários, que a Paz esteja convosco. Podemos discordar e discutir, mas todos nós acreditamos em Deus e respeitamo-nos uns aos outros. Para os muçulmanos meus inimigos, a minha habitual mensagem: “Antes morto que mouro!”. Deixaria aqui, também, uma mensagem para os muculmanos meus apoiantes, mas duvido que existam.

Máquina Zero


Líder da Frente Nacional ficou em prisão preventiva

04/20/2007

Mário Machado suspeito de crime de discriminação racial

kanimambo1.jpg  mmachado.jpg

Dos 10 elementos alegadamente conotados com movimentos de extrema-direita, detidos na quarta-feira pela Polícia Judiciária, três ficaram em prisão domiciliária e os restantes seis estão obrigados a apresentações periódicas na PSP. General D (*), o raper de origem moçambicana, autor e intérprete de uma música onde se pode ouvir o refrão “pula (branco) mete nojo” e de “PortuKKKal é um erro”, continua em liberdade.

(*) Excertos da entrevista do General D ao Independente (17/6/94)

“(…) Há muita gente que eu conheço que se reúne para ir atacar os “pulas” (os brancos). É a expressão máxima de um sentimento de revolta que está no interior de muitos negros: os negros sentem-se marginalizados na escola, ao trabalho, na sociedade em geral. (…) Mas a verdade é que os brancos não sabem ao certo porque que os jovens negros atacam ‘pulas ‘ nas ruas ou em estações de comboios; não têm autoridade para falarem no assunto porque não sabem o que é viver num bairro de lata. (…) Eu não sou pelo pacifismo. Só quando houver uma consciência colectiva entre os irmãos africanos é que será possível mudar o estado das coisas. Eu, por mim, tento desmistificar aquilo a que chamo a história branca – a versão branca das coisas. Tento impor um coração negro e reivindicativo, sem problemas de falar. (…) Mas nós temos de sair desta situação passiva em que temos estado e começar a exigir direitos políticos, económicos e sociais que actualmente, para os negros, não têm grande expressão.”


Pena suave para tentativa de assassínio

04/13/2007

Baleou agente da GNR e foi condenado a 12 anos de prisão