Críticos de ‘arte’ promovem pornografia e homossexualidade de contornos pedófilos

12/09/2006

expo_cousseau.gif

Já aqui falámos do assunto, ‘pescado’ no Letras com Garfos. Apenas uma nota, para referir que o esterco da intelectualidade bem-pensante e com profundas pertubações mentais, amontoada na Internatioal Association of Art Critics, saiu em defesa de Henry-Claude Cousseau e manifesta a sua inquietação pelo facto de estar a decorrer um inquérito, suscitado por uma queixa-crime, a propósito daquilo que esta associação de pervertidos classifica como sendo trabalhos que “estão relacionados com diferentes aspectos e interpretações do tema da infância”. Vejam algumas das fotos, aqui, que fazem parte da exposição organizada pelo Director da École Nationale Supérieure des Beaux-Arts em Paris.


Navegando pelos esgotos da Europa (I)

12/04/2006

grafico_crimessexuais_muslims.jpg

  • O sexo e os muçulmanos são uma combinação perigosa. Sir Henry Morgan, que bloga no “Reconquista”, publicou um extenso e pormenorizado trabalho de investigação sobre a correlação entre a percentagem de residentes muçulmanos e os crimes sexuais registados pela polícia, nos “borough”, divisão administrativa que fica entre o município e a freguesia portuguesas. Conclusão? Quanto mais muçulmanos, maior é o número de crimes sexuais.
  • Em Inglaterra, o fenómeno do “white flight” começa a causar preocupações à sociedade e ao Governo. O principal resultado do multiculturalismo, no Reino Unido, tem sido a produção de bombista-suicidas, a construção bairros recialmente segregados e fuga do país dos ingleses brancos. À medida que aumenta a população imigrante em Londres, os ingleses brancos fogem da cidade. Um fenómeno que não é exclusivo da Europa…
  • O jovem Paulo, pouco mais de 20 anos, ajudou a mãe, Aurora, a matar Vanessa, de 5 anos de idade e a tentar desfazer-se do corpo. Vanessa, filha de Paulo e neta de Aurora, foi metida viva dentro de uma banheira de água a ferver e queimada com um ferro em brasa. O tribunal, “generoso”, condenou-os a, respectivamente, 14 e 18 anos de cadeia. O tribunal da relação, menos “generoso”, subiu as penas para 18 e 20 anos. O Paulo, portanto, estará cá fora com 40 e poucos anos. Parabéns, tribunais, parabéns senhores juízes responsáveis por estas sentenças!
  • Outro caso exemplar (no mau sentido…) foi a pena de prisão suspensa aplicada a um casal de amantes, cuja negligência grave provocou a morte de uma bébé de sete meses. Os facínoras deixaram cinco crianças fechadas à chave, numa casa, com um aquecedor ligado, para poderem ter relações sexuais à vontade. Resultado, um incêndio que causou a morte de uma das crianças.Parabéns, mais uma vez, senhores juízes responsáveis por esta sentença!
  • O programa de troca de seringas, em Portugal, custou um milhão de euros, no ano passado. Quase três milhões de seringas foram trocadas. No mínimo, outras tantas doses de droga injectadas, depois de compradas. Quantos advogados, empresários, funcionários bancários, funcionários públicos e outros profissionais de sectores diversos serão necessários, para conseguir branquear os milhões de euros resultantes deste negócio? E perante isto, que sentido fazem posições como a destes autênticos “talibans” da Comissão Nacional de Protecção de Dados?
  • A palavra “Portugal” tem origem na palavra árabe que designa “laranja”, diz este indigente mental, assinalado pelo Combustões. Não sabiam? Ficam a saber. Faz parte de uma onda de revisionismo histórico, lançada por extremistas muçulmanos e que será, aparentemente, apoiada pelo presidente da Comunidade Islâmica de Lisboa, o banqueiro Abdul KarimVakil – um português que acha ser necessário reescrever a História de Portugal, para colmatar a grave lacuna quanto ao período de domínio muçulmano.
  • Mapa de sobrevivéncia em França: saiba onde se situam e veja os mapas das 751 “zonas urbanas sensíveis”, eufemismo com que as autoridades francesas designam os bairros dominados pela ralé, onde os franceses brancos não podem entrar e a polícia é sistematicamente atacada. Se vai a França visitar parentes, pode ir descansado. Não consta que nenhum bairro de maioria portuguesa esteja incluído nesta lista.
  • A popular figura de S.Nicolau, mais conhecida entre nós por Pai Natal, foi banida pela municipalidade de Viena. Estes colaboracionistas e traidores austríacos, tal como os convertidos, são sempre mais extremistas que os extremistas. É caso para perguntar: quanto tempo vai demorar até determinada gente pedir a abolição de símbolos cristãos nas decorações de Natal, em Portugal, argumentando que o Estado e suas instituições (incluindo Câmaras Municipais) são laicos? E onde é que eu já ouvi isto?
  • O Basofelog foi encerrado pelo seu autor, depois de várias pessoas terem sido ameaçadas de morte por gangues de pseudo-rapers, convencidos de que tinham descoberto a sua identidade. Estes anormais – os “basofes” – continuam a ser devidamente destacados pelo blogue A Vaca Tem 6 Lados, que ainda nos vai dando uma imagem de quando em quando. O que aconteceu ao Basefolog é um caso de polícia. Sugeria aos envolvidos que apresentassem queixa na Judiciária.

As sensações fortes de Ricardo Pais e o efeito pedagógico da Gisberta

12/04/2006

Um autor que é “paneleiro e que foi assasinado com nove marteladas” desperta sensações fortes em Ricardo Pais, encenador teatral e director do Teatro S. João do Porto. Também no Porto (?) o Teatro Viriato procura jovens dos 14 aos 17 anos, para a peça “Auto da Branca de Neve e os seus Machões”. No primeiro caso, Ricardo Pais diz quase tudo. O enredo da peça gira em torno de dois amigos que, além de manterem uma relação homossxual, assaltam um banco. No segundo caso, é um “projecto” da Culturgest, que pretende “por as pessoas a pensar num caso que nos tocou a todos” – a morte de um transsexual e prostituto(a) brasileiro(a) às mãos de um grupo de jovens internados nas Oficinas de S.José, no Porto.

Fico à espera de uma reacção tão sentida, tão marcante, tão permanente no tempo, tão espalhada e que dê origem a tantas iniciativas diferentes, da próxima vez que uma criança for morta por um pedófilo, em Portugal.


E se fosse o vosso filho?

12/03/2006

electric-chair_peq1.gif

Fábio, hoje com 17 anos de idade, violou até à morte o seu enteado, Daniel, uma criança de 6 anos de idade, surdo-muda. No seu interrogatório, Fábio admitiu que violava o enteado, mas argumentou que era com o consentimento dele e que o pequeno Daniel, quando era violado, “abanava com a cabeça em sinal de consentimento. Gostava do que lhe fazia, afirmou até o rapaz” – escreve o insuspeito (nesta matéria…) Público.

A sentença deveria ter sido lida no passado dia 13 de Dezembro. Confesso que me distraí e não reparei se tal aconteceu ou não.  Mas recordo que o Ministério Público pediu uma pena de 17 anos. E pergunto: Não seria este um caso para se aplicar a pena de prisão perpétua? Ou até a pena de morte? É admissível que este animal seja colocado em liberdade, na pior das hipóteses, aos 34 anos? E se, depois disso, deitar a mão ao seu filho e fizer o mesmo? Como este cadastrado que, depois de cumprir pena de 20 anos por matar o tio, assassinou dois velhotes à facada, sem nenhum motivo, em Carrazeda de Ansiães?